PUBLICIDADE

Coreia do Norte dispara mísseis balísticos antes de visita de Kamala Harris à Ásia

Autoridades militares do Japão e da Coreia do Sul confirmaram que projéteis foram disparados em um intervalo de dez minutos e caíram em águas do Mar do Japão

Foto do author Redação
Por Redação

A Coreia do Norte disparou dois mísseis balísticos de curto alcance no Mar do Japão nesta quarta-feira, 28, informaram autoridades japonesas e sul-coreanas um dia antes da visita da vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, a Seul. De acordo com as informações dos aliados ocidentais na Ásia, os dois disparos foram feitos em um intervalo de dez minutos, e os projéteis caíram no mar.

O vice-ministro da Defesa japonês, Toshiro Ino, disse que os militares do Japão detectaram os lançamentos e que os mísseis voaram em uma trajetória irregular. Ino disse que os repetidos disparos da Coreia do Norte em meio à invasão da Ucrânia “são inadmissíveis”.

Televisão em estação de metrô de Seul mostra notícia sobre teste de míssil na Coreia do Norte. Foto: Jung Yeon-je / AFP

PUBLICIDADE

O Estado-Maior Conjunto sul-coreano disse que as provocações de Pyongyang apenas aprofundariam o isolamento internacional do país, ao mesmo tempo em que pressionam a Coreia do Sul e os Estados Unidos a fortalecer sua aliança e poder de dissuasão.

O disparo norte-coreano é o mais recente de um número recorde de testes armamentistas neste ano. O último ocorreu no domingo, 25, quando um míssil de curto alcance foi disparado de Taechon, no noroeste da Coreia do Norte, e voou 600 quilômetros antes de cair nas águas do Mar do Japão (chamado também de Mar do Leste nas coreias).

Kamala Harris deve desembarcar na Coreia do Sul na quinta-feira, 29, para conversar com o presidente Yoon Suk-yeol e outras autoridades. Ela também deve visitar a tensa fronteira com a Coreia do Norte, no que as autoridades norte-americanas chamam de uma tentativa de enfatizar a força da aliança com Seul e o compromisso dos EUA de “ficar ao lado” da Coreia do Sul diante de qualquer ameaça norte-coreana./ AP e AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.