PUBLICIDADE

Coreia do Norte: Kim Jong-Un supervisiona testes de lançamento de novos mísseis; veja fotos

País fez testes de lançamento de novos mísseis projetados para serem lançados a partir de submarinos no domingo

Foto do author Redação
Por Redação

O ditador norte-coreano, Kim Jong-Un, supervisionou no domingo, 28, os testes de lançamento de novos mísseis projetados para serem lançados a partir de submarinos, informou a mídia estatal na segunda-feira, 29. O líder também revisou os esforços para construir um submarino nuclear enquanto reiterava seu objetivo de construir uma marinha nuclear para enfrentar o que ele retrata como crescentes ameaças externas.

PUBLICIDADE

O anúncio veio um dia depois que as Forças Armadas da Coreia do Sul disseram que detectaram a Coreia do Norte disparando múltiplos mísseis de cruzeiro sobre águas próximas ao porto oriental de Sinpo, onde o Norte possui um importante estaleiro para desenvolvimento de submarinos. Foi a mais recente de uma série de demonstrações de armas pela Coreia do Norte em meio às crescentes tensões com os Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão.

O jornal oficial da Coreia do Norte, Rodong Sinmun, publicou fotos do que aparentam ser pelo menos dois mísseis disparados separadamente. Ambos criaram nuvens branco-acinzentadas ao romperem a superfície da água e subirem no ar a um ângulo de cerca de 45º, o que possivelmente sugere que foram disparados a partir de tubos de lançamento de torpedos.

Veja abaixo as fotos divulgadas pela mídia estatal

A Agência de Notícias Central Coreana (KCNA, na sigla em inglês) disse que os mísseis eram Pulhwasal-3-31, um novo tipo de arma testado pela primeira vez na semana passada em lançamentos em terra na costa oeste da Coreia do Norte. Os relatórios indicavam que dois mísseis foram disparados durante o teste. A KCNA afirmou que os mísseis voaram por mais de duas horas antes de atingir com precisão um alvo na ilha, mas não especificou a embarcação usada nos lançamentos.

Nos últimos anos, a Coreia do Norte testou uma variedade de mísseis projetados para serem lançados de submarinos, buscando a capacidade de realizar ataques nucleares subaquáticos. Teoricamente, essa capacidade reforçaria seu poder de dissuasão, garantindo uma capacidade sobrevivente de retaliar após absorver um ataque nuclear em terra.

Submarinos de mísseis também adicionariam uma ameaça marítima à crescente coleção de armas de propelente sólido disparadas de veículos terrestres, destinadas a sobrecarregar as defesas de mísseis da Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos. No entanto, analistas afirmam que seria necessário um tempo considerável, recursos e melhorias tecnológicas para que a nação fortemente sancionada construísse uma frota de pelo menos vários submarinos capazes de viajar silenciosamente e executar ataques de maneira confiável.

Publicidade

“Situação prevalente e ameaças futuras”

A Agência de Notícias Central Coreana, órgão oficial de comunicação da Coreia do Norte, afirmou que Kim expressou satisfação depois que os mísseis atingiram com precisão seus alvos marítimos durante o teste de domingo. Em seguida, ele emitiu tarefas importantes não especificadas para “realizar a nuclearização da marinha e expandir a esfera de operação”, que descreveu como metas cruciais diante da “situação prevalente e ameaças futuras”, conforme o relatório indicou. A KCNA disse que Kim também foi informado sobre os esforços para desenvolver um submarino nuclear e outras embarcações navais avançadas.

As tensões na Península Coreana aumentaram nos últimos meses, à medida que Kim acelera o desenvolvimento de suas armas e emite ameaças provocativas de conflito nuclear com os Estados Unidos e seus aliados asiáticos.

Em resposta, os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão têm ampliado seus exercícios militares conjuntos, que Kim condena como ensaios de invasão, e aprimorado suas estratégias de dissuasão baseadas em ativos nucleares dos EUA. Os recentes lançamentos de mísseis de cruzeiro seguiram um teste em 14 de janeiro do primeiro míssil balístico de alcance intermediário de propelente sólido da Coreia do Norte, refletindo os esforços de Kim para expandir seu arsenal de armas projetadas para sobrecarregar as defesas de mísseis na Coreia do Sul, Japão e alvos remotos dos EUA no Pacífico, incluindo Guam./AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.