PUBLICIDADE

A história dos tesouros egípcios enterrados na Escócia e descobertos por estudantes

Curadores de arte acham que resolveram o mistério dos objetos antigos encontrados por décadas em um colégio interno

Por Erin Blakemore
Atualização:

Quando a pá de um estudante escocês atingiu um objeto avermelhado no terreno de seu internato em 1952, ele pensou ter encontrado uma batata. Ele estava enganado: era uma escultura de arenito vermelho do antigo Egito.

PUBLICIDADE

Foi também o início de uma série inusitada de achados arqueológicos antigos, resultando em um tesouro de artefatos egípcios que acabou chegando ao Museu Nacional da Escócia. Agora, os pesquisadores estão finalmente revelando como os artefatos chegaram inicialmente à Escócia.

A estranha história levou décadas para se desenrolar. Entre as décadas de 1950 e 1980, os alunos de um colégio interno localizado em uma mansão histórica em Fife, na Escócia, continuaram encontrando objetos antigos, incluindo a escultura de arenito de quatro mil anos de idade, uma estatueta de bronze de um homem e outras obras de arte raras, possivelmente da 12ª Dinastia do Egito. As pesquisas não comprovaram suas origens, então eles foram considerados um tesouro nacional e doados ao museu nacional da Escócia.

A cabeça de uma estátua data da 12ª dinastia do Egito, entre 1992 e 1874 antes de Cristo. O objeto foi encontrado por um estudante no terreno de uma escola na Escócia Foto: Museu Nacional da Escócia/ Divulgação

Agora, os curadores de arte escoceses acham que resolveram o caso. A casa onde os tesouros foram encontrados foi construída no século XVIII e acabou sendo herdada por Alexander Leslie-Melville, Lord Balgonie, que na década de 1850 serviu como oficial na Guerra da Crimeia.

Alguns acreditam que um retrato da época seja a primeira foto que retrata o “choque de conchas”, um termo histórico para o que hoje é conhecido como transtorno de estresse pós-traumático. A guerra abalou a saúde do oficial e, em 1856, ele viajou para o Egito na esperança de que o clima o ajudasse a se recuperar.

“Durante esse período no Egito, cônsules e negociantes visitavam hotéis ou barcos de passagem para vender antiguidades, portanto, é possível que os objetos tenham sido levados a Balgonie, que estava acamado, ou que suas irmãs tenham reunido a coleção”, de acordo com o Museu Nacional da Escócia.

Balgonie tinha apenas 25 anos quando morreu em 1857. Os pesquisadores agora acreditam que os artefatos podem ter sido associados à sua morte, colocados em um anexo e esquecidos ou abandonados.

Publicidade

A metade superior de um shabti de faiança inscrito para um homem chamado Hor-sa-Iset, datando do Período Tardio (cerca de 664 a 332 a.C.). Foto: Museu Nacional da Escócia/ Divulgação

De qualquer forma, dizem eles, são evidências espetaculares da escala gigantesca de uma coleção de antiguidades do século XIX. Como o Reino Unido expandiu seu império naquela época, muitos de seus cidadãos viajaram para o exterior e saquearam tesouros antigos, adquirindo milhares de objetos preciosos por meio de saques, trocas e presentes. Muitos deles permanecem no Reino Unido até hoje.

“Foi um desafio empolgante pesquisar e identificar uma gama tão diversificada de artefatos, incluindo alguns objetos notáveis”, disse Margaret Maitland, curadora do Museu Nacional da Escócia especialista em mediterrâneo antigo, em nota à imprensa. “A estatueta de bronze do sacerdote é uma forma relativamente rara, enquanto a cabeça da estátua de arenito é uma obra-prima da escultura egípcia.”

Os pesquisadores publicarão o histórico completo das descobertas em uma próxima edição da revista Proceedings of the Society of Antiquaries of Scotland, informou o museu./Washington Post

Este conteúdo foi produzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.