Eleições na Argentina: Milei provoca alvoroço ao ir votar; Massa e Bullrich também votaram

‘Argentinos são intensos’, diz eleitora do libertário, que reuniu multidão ao votar no bairro de Palermo, em Buenos Aires

PUBLICIDADE

Foto do author Carolina Marins
Por Carolina Marins
Atualização:

ENVIADA ESPECIAL A BUENOS AIRES, ARGENTINA – O candidato libertário à presidência da Argentina Javier Milei votou neste domingo, 22, aos sons de parabéns e em meio ao intenso alvoroço provocado por seus apoiadores na entrada da Universidade Tecnológica Nacional, em Palermo. Favorito nessas eleições, dezenas de pessoas se mobilizaram para acompanhar a passagem do candidato, que forçou a polícia a criar um corredor de proteção ao candidato e paralisando o trânsito nas regiões de Palermo momentaneamente.

PUBLICIDADE

O candidato libertário, que tem entre suas promessas a dolarização da economia e o rompimento de relações com a China e o Brasil. “Não só não farei negócios com a China, como não farei negócios com nenhum comunista. Sou um defensor da liberdade, da paz e da democracia. Os comunistas não se enquadram nisso, nem os chineses, nem Putin, nem Lula”, falou Milei em agosto ao jornalista americano Tucker Carlson.

Emilys Tamiche, 27, votou mais cedo e um colégio eleitoral próximo e se apressou a ir ver Milei perto do meio dia. O candidato, porém, atrasou quase uma hora, indo votar quase ao mesmo tempo que sua rival, Patricia Bullrich, havia programado ir ali perto.

Emilys foi com o cachorrinho, Ferdinando, para ver o libertário, mas mal conseguiu chegar perto. O mar de gente, entre apoiadores, curiosos e jornalistas, a deixou receosa de se aproximar com o cão. De origem venezuelana, ela conta que nunca tinha visto um fenômeno como o que provoca Milei nos jovens.

Emilys Tamiche, 27, foi com o cachorrinho para ver o libertário na entrada da Universidade Tecnológica Nacional, em Palermo, mas mal conseguiu chegar perto. Foto: Carolina Marins/Estadão

“Eu sinto que os argentinos têm uma paixão maior, eles são intensos” afirma. “Isso me lembra quando Chávez ganhou a presidência, também movimentou um monte de gente nas ruas. Mas isso é diferente, existe um sentimento distinto.”

As esquinas da rua Medrano lotaram de jovens que estavam ali só para ver Milei. Muitos ainda não tinham idade para votar e estavam acompanhados de suas mães preocupadas. Muitas crianças corriam na expectativa de ver o “peluca”, seu apelido, e ficavam eufóricas ao mínimo movimento de que poderia estar se aproximando o candidato.

Milei vota no bairro de Palermo, em Buenos Aires Foto: AP / AP

Pessoas mais idosas acompanhavam a situação com curiosidade, rindo do entusiasmo dos mais jovens. Quando Milei de fato chegou, alguns se assustaram com a multidão que rodeou o carro. “Isso é demais”, comentou um senhor que tentava sair do meio da multidão.

Publicidade

Quando o candidato saiu do veículo que o trazia, em meio a um cordão formado por seus seguranças e a polícia da cidade de Buenos Aires, seus apoiadores começaram a cantar “parabéns”, já que hoje é o aniversário de 53 anos do libertário.

Priscila Vallejos Alegre, 19, estava ali com sua amiga para ver o candidato. Esta é a primeira vez que vota e escolheu Milei por propor algo diferente. “Eu já vivi nos governos anteriores e nada deu certo, por isso que eu escolho o Milei, ele propõe algo diferente”.

Milei acena para jornalistas antes de depositar seu voto em um colégio do bairro de Palermo, em Buenos Aires Foto: Natacha Pisarenko / AP

Ali perto, Bullrich votou por volta de 13h, na Sociedade Rural, também na região de Palermo. Ela votou rapidamente, em contraste com as primárias em que a candidata levou mais de 10 minutos para emitir seu voto por dificuldades com o sistema.

O candidato do governo, Sergio Massa, votou mais cedo em sua cidade e reduto eleitoral, Tigre. Ali, ele afirmou que quem assumir em 10 de dezembro como novo presidente “terá inúmeros problemas para resolver”. Em suas redes, disse que o país precisa de previsibilidade.

O presidente Alberto Fernández votou pela manhã em Buenos Aires. Fernández frisou que foi feito o necessário para que o processo eleitoral decorresse em paz. Sobre suas expectativas para o futuro da Argentina, o presidente afirmou: “Estamos em uma democracia. O que resolve o povo é o que resolve o povo.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.