EUA enviam à ONU proposta de cessar-fogo imediato em Gaza

Anúncio foi feito pelo secretário de Estado, Antony Blinken, durante viagem ao Egito nesta quinta; resolução deve ser votada amanhã

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Os Estados Unidos enviaram um projeto de resolução ao Conselho de Segurança da ONU pedindo um “cessar-fogo imediato ligado à libertação dos reféns” na Faixa de Gaza, disse o Secretário de Estado Antony Blinken, que está no Egito nesta quinta-feira, 21, para pressionar por uma trégua entre Israel e o Hamas.

PUBLICIDADE

“Apresentamos uma resolução ao Conselho de Segurança pedindo um cessar-fogo imediato ligado à libertação dos reféns, e esperamos que os países a apoiem”, disse Blinken ao noticiário Al Hadath durante uma visita à Arábia Saudita.

Segundo o porta-voz da missão diplomática dos EUA na ONU, Nate Evans, após várias rodadas de consultas com os membros do Conselho, o texto será votado na próxima sexta-feira, 22, pela manhã.

A resolução enviaria um “forte sinal”, disse o chefe da diplomacia dos EUA, que até agora havia vetado outras iniciativas de trégua perante o Conselho de Segurança. O texto, visto pela AFP, enfatiza “a necessidade de um cessar-fogo imediato e duradouro para proteger os civis de todos os lados e permitir a entrega de ajuda humanitária” e a libertação dos reféns israelenses.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, embarca em um C-17 Globemaster ao partir para o Cairo, em Jeddah, em 21 de março de 2024. Foto: EVELYN HOCKSTEIN / AFP

O anúncio foi feito durante a viagem de Blinken pelo Oriente Médio para pressionar por uma trégua em Gaza, que começou na quarta-feira na Arábia Saudita, continuará na quinta-feira no Egito e o levará a Israel na sexta-feira.

Os mediadores internacionais - EUA, Qatar e Egito - estão tentando chegar a uma trégua, até agora sem sucesso. Um líder do Hamas em Beirute, Osama Hamdan, disse na quarta-feira que a resposta de Israel à última proposta do movimento islâmico é “globalmente negativa” e pode levar as negociações “a um impasse”.

Na semana passada, o Hamas propôs uma trégua de seis semanas e a libertação de 42 reféns israelenses em troca da libertação de 20 a 50 palestinos por refém. Ele também exige a retirada do exército israelense de Gaza e um maior fluxo de ajuda humanitária, disse Hamdan.

Publicidade

Blinken iniciou sua sexta viagem ao Oriente Médio desde o início da guerra. Na Arábia Saudita, Blinken discutiu a “necessidade urgente de proteger todos os civis em Gaza e de aumentar imediatamente a ajuda humanitária”, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller.

O chefe da diplomacia dos EUA disse que abordaria em suas reuniões “os esforços para alcançar um cessar-fogo imediato para garantir a libertação de todos os reféns”, bem como a intensificação da ajuda humanitária. Na Cidade de Gaza, o exército continuou sua operação contra o hospital Al Shifa, alegando estar perseguindo membros do Hamas.

O objetivo é “não permitir que esse lugar seja controlado” pelo grupo terrorista, disse o chefe de gabinete do exército israelense, Herzi Halevi, no local. Um total de 300 suspeitos foram presos, incluindo dezenas de líderes, segundo o exército.

ONGs e agências da ONU continuam alertando sobre o risco iminente de fome na Faixa de Gaza, especialmente no norte. Blinken reiterou na terça-feira que toda a população de Gaza sofre com “níveis severos de insegurança alimentar aguda”.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O Alto Comissário da ONU para Direitos Humanos, Volker Turk, disse que Israel está bloqueando a ajuda e que isso “pode ser equivalente ao uso da fome como método de guerra”. Atualmente, Israel impõe um cerco quase total ao enclave e monitora de perto toda a ajuda que chega, o que diminui o fluxo, principalmente do Egito. “Mais da metade da população vive abaixo do que chamamos de ‘nível crítico de fome’”, disse Philippe Lazzarini, chefe da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA).

A Arábia Saudita anunciou na quarta-feira que doará US$ 40 milhões para a agência, que vários países deixaram de financiar depois que Israel a acusou de empregar pessoas diretamente envolvidas no ataque de 7 de outubro. A guerra em Gaza também exacerbou as tensões na Cisjordânia ocupada, onde a Autoridade Palestina informou a morte de cinco pessoas em dois ataques israelenses em Jenin e no campo de refugiados de Nur Shams./AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.