Israel acusa Hamas de romper acordo de cessar-fogo e anuncia retomada dos combates em Gaza

Durante a trégua de uma semana, o grupo terrorista libertou mais de 100 reféns, a maioria deles israelenses, em troca de 240 palestinos libertados das prisões em Israel.

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

As Forças Armadas de Israel informaram que a pausa nos combates entre elas e o Hamas havia terminado, poucos minutos depois das 7h da manhã desta sexta-feira, 1, no horário local, quando a pausa deveria terminar. Segundo Israel, eles retomaram as operações de combate na Faixa de Gaza e culparam o grupo terrorista pela quebra do cessar-fogo.

Os militares de Israel disseram que o Hamas “violou a pausa operacional e, além disso, disparou contra o território israelense”. O Washington Post não pôde verificar imediatamente essa afirmação. Embora nenhum dos lados tenha descartado a possibilidade de prorrogar a pausa, não houve nenhum anúncio de prorrogação antes desse prazo.

Palestinos visitam casas destruídas nos bombardeios israelenses em Al-Zahra, nos arredores da Cidade de Gaza, na quinta-feira, 30 de novembro de 2023 Foto: Adel Hana/AP

PUBLICIDADE

As Forças de Defesa de Israel informaram que seu sistema de defesa aérea interceptou um lançamento de Gaza sobre o território israelense, próximo à fronteira de Gaza, cerca de uma hora antes do fim da pausa nos combates.

A interrupção dos combates começou há uma semana, em 24 de novembro. Inicialmente, durou quatro dias e, depois, foi prorrogada por vários dias com a ajuda do Catar e do Egito, também mediador.

Durante a trégua de uma semana, o Hamas e outros terroristas em Gaza libertaram mais de 100 reféns, a maioria deles israelenses, em troca de 240 palestinos libertados das prisões em Israel.

Foto divulgada pelo exército israelense mostra o ex-refém franco-israelense, Eitan Yahalomi, de 12 anos, reunido com sua mãe após sua libertação da Faixa de Gaza pelo Hamas, em Tel Aviv, em novembro de 2023  Foto: Exército de Israel via AFP

Praticamente todos os libertados eram mulheres e crianças, mas o fato de que poucos reféns desse tipo permaneciam em Gaza complicou a obtenção de um acordo para uma nova extensão.

Esperava-se que o Hamas, um grupo terrorista que governa Gaza há 16 anos, também estabelecesse um preço mais alto para os reféns restantes, especialmente os soldados israelenses. Cerca de 140 reféns permanecem em Gaza, sendo que mais de 100 foram libertados como parte da trégua.

Publicidade

O Catar e o Egito, que desempenharam um papel fundamental como mediadores, tentaram prolongar a trégua por mais dois dias./AP e W.POST

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.