Israel ataca Faixa de Gaza e deixa pelo menos 10 mortos, incluindo líder palestino da Jihad Islâmica

Ataques foram feitos após prisão de líder na Cisjordânia e aumentam escalada de violência no território

Foto do author Redação
Por Redação
Correção:

TEL AVIV – Israel iniciou uma série de ataques à Faixa de Gaza nesta sexta-feira, 5, que resultou em pelo menos 10 mortos e cerca de 55 pessoas feridas, segundo o Ministério da Saúde de Gaza. Entre os mortos, está um comandante sênior de um grupo militante palestino, Taysir al-Jabari – o que aumenta a escalada de violência no território pela primeira vez desde o conflito de 11 dias no ano passado. Al-Jabari faz parte da Jihad Islâmica, o segundo maior grupo militante de Gaza.

PUBLICIDADE

Israel disse que estava mirando o grupo militante da Jihad Islâmica em resposta a uma “ameaça iminente”. Em retaliação aos ataques desta sexta, militantes palestinos lançaram uma enxurrada de foguetes horas depois. A Jihad Islâmica alegou ter disparado 100 foguetes.

O Exército israelense disse que a operação, apelidada de “Amanhecer”, não terminou. O Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, disse que entre os mortos está uma criança de 4 anos.

Incêndio na Faixa de Gaza durante ataques aéreos de Israel nesta sexta-feira, 5. Pelo menos uma dezena de pessoas foram mortas Foto: Anas Baba / AFP

Reuniões em áreas de até 80 quilômetros da Faixa de Gaza foram proibidas, e moradores de regiões próximas à fronteira foram instruídos a permanecer perto de abrigos antiaéreos. As travessias pela região também já haviam sido proibidas dias antes por Israel, para prevenir as retaliações.

Os militantes do Hamas que ocupam Gaza e o governo de Israel travaram quatro guerras e várias batalhas menores nos últimos 15 anos a um custo impressionante para os 2 milhões de residentes palestinos do território. A última aconteceu em maio de 2021. Desde então, a tensão se deslocou para a Cisjordânia ocupada.

Tanto Israel quanto o Hamas, o grupo militante que domina Gaza, haviam sinalizado que buscavam evitar outra guerra em larga escala sobre o enclave, que está sob um bloqueio israelense e egípcio desde 2007. Mas a violência nesta sexta-feira atraiu avisos de retaliação de grupos militantes palestinos e levantou a possibilidade de um conflito prolongado.

Os ataques aéreos se seguiram a quase uma semana de crescentes tensões entre Israel e a Jihad Islâmica, que muitas vezes age independentemente do Hamas.

Publicidade

Segundo o governo israelense, a Jihad Islâmica estava pronta para responder a prisão desta semana com um ataque de vingança, e que tinha como alvo o Al-Jabari e outros. “Israel não permitirá que as organizações terroristas estabeleçam a agenda na Faixa de Gaza e ameacem os cidadãos do Estado de Israel”, disse o primeiro-ministro de Israel, Yair Lapid, logo após o ataque.

Após os ataques aéreos desta sexta-feira, a Jihad Islâmica disse que responderia com força, e cidades no sul de Israel abriram abrigos antibombas em antecipação ao disparo de foguetes de Gaza. “O inimigo iniciou uma guerra contra nosso povo e todos nós precisamos nos defender e ao nosso povo”, disse um comunicado da Jihad Islâmica.

Horas depois, militantes palestinos dispararam dezenas de foguetes no espaço aéreo israelense, e a Jihad Islâmica reivindicou a responsabilidade. Não houve relatos imediatos de danos ou baixas.

Não está claro se o Hamas se juntaria à Jihad Islâmica na retaliação. No passado, o Hamas normalmente ficava à margem enquanto a Jihad Islâmica entrava em conflito com Israel. “Enquanto lamentamos o líder al-Jabari e os justos mártires, afirmamos que as questões estão abertas a todas as direções, pedindo o fim da agressão sionista contra nosso povo”, disse Ismail Haniyeh, chefe do gabinete político do Hamas, em um comunicado. /NYT, ASSOCIATED PRESS

Correções

Uma versão anterior deste texto afirmava que o terrorista Baha Abu al-Ata, ex-líder da Jihad Islâmica, foi preso por Israel. Na verdade, Baha Abu al-Ata foi morto em 2019 por ataques aéreos israelenses lançados em retaliação a atentados terroristas promovidos pelo grupo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.