Justiça da Nicarágua condena filha da ex-presidente Chamorro

Ex-pré-candidata à Presidência da Nicarágua, jornalista Cristiana Chamorro foi condenada a 8 anos de prisão nesta terça

PUBLICIDADE

Por Redação
Atualização:
1 min de leitura

MANÁGUA - A jornalista Cristiana Chamorro, que foi pré-candidata à presidência da Nicarágua, foi condenada a 8 anos de prisão nesta terça-feira, 22, após ser declarada culpada por crimes atribuídos a ela pelo governo de Daniel Ortega.

Cristiana, de 68 anos, seguirá sob prisão domiciliar, regime no qual se encontra desde junho, informou o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos, que acompanha os processos contra opositores detidos.

Cristiana Chamorro em foto de maio de 2021; rival política do ditador Daniel Ortega foi condenada nesta terça, 22. Foto: Carlos Herrera/ REUTERS

Ela foi condenada por crimes de lavagem de dinheiro e apropriação indébita. As autoridades não revelaram detalhes sobre a sentença. Segundo o Ministério Público, os crimes teriam sido cometidos por meio da Fundação Violeta Barrios de Chamorro (FVBCH), ONG que tem o nome da ex-presidente da Nicarágua (1990-1997) e mãe de Cristiana, dedicada a promover a liberdade de imprensa e de expressão.

Também foi condenado a 9 anos de prisão, pelo mesmo caso, Pedro Joaquín Chamorro, irmão de Cristiana. Ele permanecerá na penitenciária da Direção de Assistência Judicial da Polícia, conhecida como El Chipote. Dois funcionários da fundação, fechada desde o ano passado, pegaram 13 anos de prisão. /AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.