PUBLICIDADE

Líbia rejeita mandado de prisão contra Khadafi

País diz que Tribunal de Haia é 'ferramenta ocidental'; rebeldes estão a 40 km da capital líbia.

Por BBC Brasil
Atualização:

A Líbia rejeitou nesta segunda-feira a decisão do Tribunal Penal Internacional (TPI) que havia emitido mais cedo um mandado de prisão contra o líder líbio Muamar Khadafi, acusado de crimes contra a humanidade. "A Líbia (...) não aceita as decisões do TPI, que é uma ferramenta do Ocidente para processar líderes do terceiro mundo" , disse o ministro da Justiça líbio, Mohammed Al-Qamoodi A medida foi elogiada por países ocidentais, entre eles, os Estados Unidos. "(A decisão) é outra indicação de que ele (Khadafi) perdeu sua legitimidade", disse o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney. Crimes O tribunal, com sede em Haia, na Holanda, diz que Khadafi cometeu os crimes ao ordenar ataques contra civis após uma revolta popular em meados de fevereiro. A corte também emitiu ordens de prisão contra dois dos principais assessores do líder líbio, o seu filho Saif Al-Islam e o chefe de inteligência Abdullah Al-Sanussi. O mandado foi solicitado pelo promotor-chefe do TPI, Luis Moreno-Ocampo, em maio. Ele disse ter provas de que Khadafi "ordenou pessoalmente ataques contra cidadãos líbios desarmados e estava por trás da prisão e tortura de opositores políticos". As autoridades líbias disseram previamente que não reconhecem o tribunal e que não estavam preocupadas com a eventual emissão de mandados de prisão. Combates Também nesta segunda-feira, os rebeldes seguiram avançando rumo à capital líbia, Trípoli. O correspondente da BBC Mark Doyle que acompanha os rebeldes, afirma que eles já estão a 40 km a sudoeste da cidade. Os combates com forças leais a Khadafi ocorrem entre as cidades de Bir Al-Ghanem e Bir Ayyad, com disparos de artilharia dos dois lados e nuvens de fumaça, disse Doyle. O repórter diz que os rebeldes parecem melhor armados nesta área do país do que em outras, com uniformes, rifles e lança-foguetes novos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.