PUBLICIDADE

Maduro chega a Brasília para reunião com Lula nesta segunda-feira

Presidente da Venezuela não vinha ao País desde 2015, no governo Dilma; Brasil cortou relações com o país vizinho durante a gestão Bolsonaro

Foto do author Redação
Por Redação

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chegou na noite deste domingo, 28, a Brasília. Ele deve se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta segunda-feira, 29, e participa da cúpula dos países sul-americanos, a Unasul, na terça-feira, 30, na capital.

PUBLICIDADE

Maduro não vinha ao Brasil desde 2015, ainda no governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Sob Jair Bolsonaro (PL), as relações do Brasil com a Venezuela chegaram a ser cortadas, com o fechamento da embaixada brasileira em Caracas e o diálogo firmado com a oposição, por meio de enviados de Juan Guaidó.

A presença de Maduro no Brasil não era permitida desde agosto de 2019, quando uma portaria editada pelo então presidente Jair Bolsonaro proibia o ingresso no país do líder venezuelano e de outras autoridades do vizinho latino-americano.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chega ao Brasil para se encontrar com Lula Foto: Twitter/@NicolasMaduro

Após a posse de Lula, o governo reabriu a embaixada brasileira e restabeleceu o contato diplomático com o país vizinho.

Maduro chegou a Brasília em um avião da empresa estatal venezuelana Conviasa, acompanhado da esposa, Cilia Flores, e foi recebido no aeroporto pela secretária de América Latina e Caribe, Gisela Padovan, e pelo embaixador venezuelano no Brasil, Manuel Vicente Vadell.

Na terça-feira, Maduro participa da reunião com líderes dos 12 países da América do Sul realizada em Brasília e proposta pelo presidente Lula.

Publicidade

A ideia é que os líderes da região discutam em conjunto medidas de integração, infraestrutura e cooperação em áreas como saúde, educação, proteção do meio ambiente, segurança alimentar e combate ao crime organizado nas fronteiras, sem colocar em pauta ideologias ou regimes políticos.

Até o último dia do governo Bolsonaro, a diplomacia brasileira reconhecia o dirigente opositor Juan Guaidó como “presidente interino” da Venezuela.

No início de março, por iniciativa de Lula, uma pequena delegação liderada pelo assessor especial da Presidência Celso Amorim foi a Caracas para o primeiro encontro de alto nível do governo com Maduro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.