PUBLICIDADE

México: dois candidatos a prefeito da mesma cidade são mortos a tiros com horas de diferença

Armando Pérez Luna, do conservador Partido da Ação Nacional, e Miguel Ángel Zavala, do partido governista Morena, foram encontrados mortos em seus carros

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Dois candidatos a prefeito da cidade de Maravatio, no México, foram mortos a tiros com poucas horas de diferença no início desta semana. Especialistas alertam que as eleições nacionais de 2 de junho podem ser as mais violentas já registradas no país.

PUBLICIDADE

Os promotores estaduais disseram nesta terça-feira, 27, que Armando Pérez Luna foi encontrado morto a tiros em seu carro em Maravatío, pouco antes da meia-noite. Ele era o candidato a prefeito pelo conservador Partido da Ação Nacional (PAN). Horas antes, autoridades do partido governista Morena confirmaram que seu candidato a prefeito, o ginecologista Miguel Ángel Zavala, foi encontrado morto a tiros na segunda-feira, 26, em seu carro.

As campanhas ainda não começaram. Elas começam formalmente na sexta-feira.

“Isso ilustra o nível extremamente sério de violência e falta de segurança que prevalece antes das eleições mais importantes da história mexicana”, escreveu o líder da Ação Nacional, Marko Cortés, nas redes sociais.

Prefeito: “assustou a todos nós”

O prefeito de Maravatío, Jaime Hinojosa Campa, disse que não foi informado sobre as ameaças contra os candidatos a prefeito, mas que “tudo aponta para” que o crime organizado esteja por trás dos assassinatos. Ele disse que as autoridades estavam trabalhando em protocolos de segurança para os candidatos restantes, que estavam compreensivelmente assustados. “O que aconteceu ontem assustou a todos nós”, disse ele.

O controle cada vez maior dos cartéis de drogas no México tem sido descrito como uma ameaça. Durante as últimas eleições nacionais em 2021, cerca de três dúzias de candidatos foram mortos. Na terça-feira, essa cidade agrícola, onde a maioria dos homens usa botas e grandes fivelas de cintos, estava em um estado de choque cauteloso após os assassinatos do dia anterior. Dezenas de policiais estaduais estavam visíveis ao redor da prefeitura.

Falando sobre o médico Miguel Ángel Zavala, um dos candidatos assassinados, a moradora e dona de casa Maravatio, Carmen Luna, disse que o crime foi chocante e incompreensível. “Do modo que vejo, não há explicação para matar uma pessoa... pode ter sido uma luta de poder entre eles.”

Publicidade

Luna era uma das pacientes de Zavala e ela descartou qualquer motivo pessoal potencial para seu assassinato. “Ele era um dos melhores” médicos da cidade, disse ela. “Ele cuidou de mim e foi muito bom. Ele era muito amigável”.

Embora ela não vote há anos - “se é um ou o outro, tudo permanece igual” - Luna disse que os assassinatos deixaram as pessoas “com raiva e sentindo-se impotentes, porque se o governo não faz nada, você não pode fazer nada”.

Funeral do candidato a prefeito de Maravatio, Armando Pérez Luna, do conservador Partido da Ação Nacional; ele e o candidato Miguel Ángel Zavala, do partido governista Morena, foram assassinados com horas de diferença.  Foto: Fernando Llano/AP

“Ato covarde e repreensível”

O comité estadual do partido Morena afirmou em um comunicado que o assassinato de Zavala foi “um ato covarde e repreensível”. O chefe do partido Morena em Michoacán, Juan Pablo Celis, disse que Zavala anunciou a sua intenção de concorrer, mas ainda não havia sido designado como candidato do partido.

Outro aspirante a prefeito de Morena foi morto no ano passado.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A aposentada Catalina Padilla estava ocupada embalando pacotes de caridade no banco de alimentos da Igreja Católica local. Ela disse que a cidade havia começado a ficar violenta por volta de 2019. “Antes, nós podíamos sair à noite, mas agora, se não houver motivo para sair, você não sai”, disse Padilla. Ela disse que Dagoberto García, o líder local do Morena, era o outro aspirante a prefeito que inicialmente desapareceu em outubro passado, até que seu corpo baleado e em decomposição foi encontrado em uma área rural em novembro.

“Pode ser que não queiram ninguém do Morena”, disse ela, sugerindo que matar Pérez, do conservador PAN, talvez fosse uma forma de fazer parecer que as mortes não foram direcionadas a um partido. O Estado de Michoacán foi particularmente atingido por guerras territoriais de gangues, com o cartel Jalisco New Generation lutando contra uma gangue local, os Viagras, pelo controle.

“O ano mais violento na nossa base de dados”

O grupo de vigilância Civic Data disse em um relatório de janeiro sobre violência política que “2023 foi o ano mais violento na nossa base de dados. E tudo sugere que 2024 será pior.” As eleições para prefeito, estaduais e federais são cada vez mais sincronizadas no mesmo dia da eleição. “É provável que as maiores eleições da história também sofram os maiores ataques do crime organizado”, disse o Civic Data.

Publicidade

Michoacán teve o quinto maior número de ataques a políticos e funcionários do governo em 2023, atrás do Estado de Guerrero, ao sul, e de Guanajuato, ao norte. Zacatecas e Veracruz também tiveram número maior de ataques.

O Civic Data disse que cinco pessoas que pretendiam concorrer a cargos públicos foram mortas no México em janeiro. Em um relatório publicado neste mês, a Integralia Consultants escreveu que “o crime organizado intervirá como nunca antes nas eleições locais de 2024″ porque mais gabinetes de prefeitos estão em jogo, mais cartéis estão envolvidos em guerras territoriais e os cartéis expandiram o seu modelo de negócio muito além das drogas.

“Não ocupavam cargos, estavam apenas começando”

Os cartéis ganham grande parte do seu dinheiro extorquindo pagamentos de proteção de empresas locais e até de governos locais. É por isso que as eleições para prefeito são mais importantes para eles do que as eleições nacionais - e muitas vezes se tornam violentas.

A violência tem um efeito inibidor sobre a democracia ao nível mais local. O morador de Maravatío Marcos Bautista disse que Zavala e Pérez eram políticos recém-chegados, figuras locais respeitadas que faziam sua primeira incursão na política em um país cansado de políticos de carreira.

“Eles não ocupavam cargos antes, estavam apenas começando e estão acabando com eles”, disse Bautista, observando que os únicos políticos que restariam seriam aqueles dispostos a apoiar os criminosos. “Quem vai nos governar?”

“Sinto que votar não vai resolver nada”, disse Miguel Ángel Negrete, outro residente, acrescentando que os assassinatos “retiram os seus direitos... fazem com você tenha medo que essas pessoas possam vir às cabines de votação”. / AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.