EUA investigaram alegações de ligações de aliados do presidente do México com cartéis

Uma investigação avaliou as acusações de possíveis ligações entre traficantes de drogas e confidentes próximos do presidente mexicano Andrés Manuel López-Obrador, enquanto ele governava o país

PUBLICIDADE

Por Alan Feuer e Natalie Kitroeff
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Autoridades policiais americanas passaram anos investigando alegações de que aliados do presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, se encontraram e receberam milhões de dólares de cartéis de drogas após ele assumir o cargo, de acordo com registros dos EUA e três pessoas familiarizadas com o assunto.

PUBLICIDADE

A investigação, que não havia sido relatada anteriormente, descobriu informações que apontavam para possíveis vínculos entre poderosos operadores de cartel e assessores mexicanos e autoridades próximas ao presidente enquanto ele governava o país.

Mas os Estados Unidos nunca abriram uma investigação formal contra o López Obrador, e as autoridades envolvidas acabaram arquivando a investigação. Eles concluíram que o governo dos EUA tinha pouco apetite para perseguir alegações contra o líder de um dos principais aliados da América, disseram as três pessoas familiarizadas com o caso, que não tinham autorização para falar publicamente.

O presidente Andres Manuel Lopez Obrador, do México, durante uma coletiva de imprensa no Palácio Nacional, na Cidade do México, em 6 de junho de 2023.  Foto: Alejandro Cegarra / NYT

O López Obrador chamou as alegações de “completamente falsas”, respondendo a perguntas do The New York Times na quinta-feira. Ele disse que a notícia da investigação não afetaria “de forma alguma” a relação do México com os Estados Unidos, mas disse esperar uma resposta do governo dos EUA.

“Isso diminui a confiança que o governo mexicano tem nos Estados Unidos?”, disse o López Obrador em uma coletiva de imprensa regular, acrescentando: “O tempo dirá”.

Os cartéis de drogas há muito tempo infiltraram o estado mexicano, desde os níveis mais baixos até os escalões mais altos do governo. Eles subornam a polícia, manipulam prefeitos, cooptam autoridades seniores e dominam grandes áreas do país.

Mas enquanto os esforços recentes dos oficiais dos EUA identificaram possíveis vínculos entre os cartéis e os associados de López Obrador, eles não encontraram conexões diretas entre o presidente e as organizações criminosas.

Publicidade

“Não há investigação sobre o Presidente López Obrador”, disse um porta-voz do Departamento de Justiça. “O Departamento de Justiça tem a responsabilidade de revisar qualquer alegação.”

Muitas das informações coletadas por autoridades americanas vieram de informantes cujos relatos podem ser difíceis de corroborar e às vezes acabam sendo incorretos. Os investigadores obtiveram as informações enquanto investigavam as atividades de cartéis de drogas, e não estava claro o quanto do que os informantes lhes disseram foi confirmado de forma independente.

Por exemplo, registros mostram que os investigadores foram informados por um informante que um dos mais próximos confidentes de López Obrador se encontrou com Ismael Zambada García, um dos principais líderes do cartel de drogas de Sinaloa, antes de sua vitória na eleição presidencial de 2018.

Uma fonte diferente lhes disse que após o presidente ser eleito, um fundador do notoriamente violento cartel Zetas pagou US$ 4 milhões a dois aliados de López Obrador na esperança de ser libertado da prisão.

Da esquerda para a direita: O presidente Joe Biden e o presidente Andrés Manuel López Obrador do México no Palácio Nacional na Cidade do México, na segunda-feira, 9 de janeiro de 2023.  Foto: Doug Mills / NYT

Os investigadores obtiveram informações de uma terceira fonte sugerindo que os cartéis de drogas estavam de posse de vídeos dos filhos do presidente pegando dinheiro das drogas, mostram registros.

López Obrador negou todas as alegações feitas pelos informantes.

Os policiais americanos também rastrearam independentemente pagamentos de pessoas que acreditavam ser operadores de cartel para intermediários de López Obrador, disseram duas das pessoas familiarizadas com a investigação.

Publicidade

Pelo menos um desses pagamentos, disseram eles, foi feito por volta do mesmo tempo em que López Obrador viajou para o estado de Sinaloa em 2020 e se encontrou com a mãe do chefe do narcotráfico Joaquín Guzmán Loera, mais conhecido como El Chapo e atualmente cumprindo prisão perpétua em uma prisão federal americana.

Há mais de uma década, uma investigação separada liderada pela Administração de Repressão a Drogas descobriu alegações de que traficantes haviam doado milhões à fracassada campanha presidencial de López Obrador em 2006. Essa investigação, detalhada por três veículos de imprensa no mês passado, foi encerrada sem que fossem feitas acusações.

Para os Estados Unidos, processar criminalmente altos funcionários estrangeiros é uma empreitada rara e complicada. Construir um caso legal contra e López Obrador seria particularmente desafiador. A última vez que os Estados Unidos apresentaram acusações criminais contra um alto funcionário mexicano, acabou retirando-as depois que sua prisão causou uma ruptura diplomática com o México.

A administração Biden tem um enorme interesse em administrar sua relação com López Obrador, visto como indispensável para conter um aumento na migração que se tornou um dos problemas mais contenciosos na política americana. É uma grande preocupação para os eleitores na corrida para a eleição presidencial deste outono.

Em uma foto divulgada pela polícia dos EUA, Joaquín Guzmán Loera, o chefão do tráfico mexicano conhecido como El Chapo, sob custódia federal em Long Island, em 19 de janeiro de 2017. Foto: Política dos EUA / NYT

O México também é um importante parceiro comercial americano e o colaborador mais importante nos esforços dos EUA para impedir a entrada de drogas ilícitas como fentanil pela fronteira sul.

As agências policiais dos EUA têm jurisdição para investigar e apresentar acusações contra autoridades de outros países se puderem mostrar uma conexão com narcóticos que cruzam a fronteira para os Estados Unidos.

Embora seja incomum para agentes americanos perseguir altos funcionários estrangeiros, não é inédito: o julgamento por drogas de Juan Orlando Hernández, ex-presidente de Honduras, começou nesta semana no Tribunal Distrital Federal de Manhattan.

Publicidade

Os promotores federais em Nova York também obtiveram uma condenação por corrupção no ano passado contra Genaro García Luna, ex-secretário de Segurança Pública do México, persuadindo um júri de que ele havia recebido milhões de dólares em subornos de cartéis violentos que ele deveria estar perseguindo.

Embora os esforços para examinar os aliados de López Obrador não estejam mais ativos, a revelação de que as autoridades policiais dos EUA estavam examinando silenciosamente alegações de corrupção contra eles poderia, por si só, ser prejudicial.

Os relatos da mídia do mês passado, incluindo um da ProPublica, sobre uma investigação dos EUA sobre doações de campanha de 2006 — para uma eleição que ele não ganhou — provocaram uma tempestade no México.

O López Obrador denunciou publicamente as reportagens, insinuando que elas visavam influenciar a eleição presidencial do país em junho, na qual sua protegida, a ex-prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, lidera a corrida para substituí-lo. Ele sugeriu que os relatórios poderiam complicar as negociações sobre migração e fentanil com o governo dos EUA, e disse que considerou não receber o conselheiro de segurança interna do presidente Biden para uma reunião planejada na capital mexicana.

Andres Manuel Lopez Obrador, presidente do México, durante um comício em apoio à proposta de reforma eleitoral na Cidade do México, em 27 de novembro de 2022.  Foto: Luis Antonio Rojas / NYT

“Como vamos nos sentar à mesa para falar sobre a luta contra as drogas se eles, ou uma de suas instituições, estão vazando informações e me prejudicando?”, disse López Obrador em uma coletiva de imprensa regular dias após a publicação dos relatórios.

Após o presidente Biden ligar para López Obrador, acalmando as tensões, o ministro das Relações Exteriores do México disse que o conselheiro de segurança interna dos EUA disse ao México “que este é um assunto encerrado para eles”.

A administração Biden tem tratado López Obrador com grande cuidado, evitando críticas públicas em favor de enviar repetidamente altos funcionários a Cidade do México para se reunir com ele e pressionar por uma fiscalização migratória sustentada em particular.

Publicidade

A decisão de deixar a investigação recente em estado de latência, disseram as pessoas familiarizadas com ela, foi causada em grande parte pelo colapso de um caso de corrupção separado e altamente contencioso. Nos últimos meses da administração Trump em 2020, autoridades americanas apresentaram acusações contra o general Salvador Cienfuegos Zepeda, que serviu como secretário de Defesa do México de 2012 a 2018.

Em uma acusação federal, divulgada em Nova York após uma investigação de vários anos chamada “Operação Padrino”, promotores acusaram o general Cienfuegos de usar os poderes de seu cargo para ajudar um grupo criminoso violento chamado cartel H-2 a conduzir suas operações de tráfico de drogas.

Sua prisão no aeroporto de Los Angeles provocou um furor dentro do governo mexicano, especialmente entre os líderes das Forças Armadas do país, que assumiram maiores responsabilidades e poder sob López Obrador.

O Secretário de Defesa do México, Gen. Salvador Cienfuegos Zepeda, na Cidade do México, em 14 de setembro de 2016.  Foto: Rebecca Blackwell / AP

O presidente disse que as acusações eram “fabricadas” e sua administração divulgou mais de 700 páginas de comunicações interceptadas por agentes americanos que supostamente mostravam atividade criminosa, mas foram apresentadas como inconclusivas.

A Administração de Repressão a Drogas, que já tinha uma história irregular como protagonista de uma guerra às drogas vista como sangrenta e fútil, sofreu um grande golpe em sua relação com o governo mexicano.

Poucas semanas após a prisão, o Departamento de Justiça dos EUA, sob forte pressão do López Obrador, voltou atrás e arquivou a acusação, enviando o general Cienfuegos de volta ao México.

O episódio não apenas prejudicou acordos de segurança de longa data entre os dois países, mas também deixou uma profunda impressão nos policiais ao norte da fronteira, muitos dos quais viram o caso fracassado como uma lição sobre empreender esforços semelhantes contra outros altos funcionários mexicanos.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.