EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

É escritor venezuelano e membro do Carnegie Endowment. Escreve quinzenalmente

Opinião|Como o ataque do Hamas expôs o antissemitismo e as falhas de Israel para evitar o terror

Logo após o massacre de 7 de outubro, as ruas de muitas cidades do mundo estavam cheias de pessoas protestando contra Israel e, surpreendentemente, apoiando os assassinos do Hamas

PUBLICIDADE

Foto do author Moisés Naim
Atualização:

Os terremotos são tragédias humanas e surpresas geológicas. Eles causam enorme sofrimento humano e perdas materiais maciças. Eles também revelam informações sem precedentes sobre os lugares mais profundos do planeta. Para os cientistas, um terremoto abre novas janelas a partir das quais eles podem observar o centro da Terra.

PUBLICIDADE

Em 7 de outubro do ano passado, houve um terremoto humano selvagem em Israel que, além de causar imensa dor, revelou muitas informações sobre o que muitos pensam, mas poucos dizem. Agora sabemos, por exemplo, que o antissemitismo é mais comum e internacional do que parecia. Ele sempre existiu, mas depois da 2ª Guerra e do amplo reconhecimento internacional do significado do Holocausto, as expressões e os comportamentos antissemitas costumavam ser repudiados ou, como sabemos agora, escondidos ou disfarçados.

Não é mais assim.

Em Tel Aviv, Israel, manifestantes protestam contra o governo israelense  Foto: Abir Sultan/EFE

Logo após o massacre de 7 de outubro, as ruas de muitas cidades do mundo estavam cheias de pessoas protestando contra Israel e, surpreendentemente, apoiando os assassinos do Hamas.

Assim, o governo israelense, em vez de ter o apoio da opinião pública mundial, também está enfrentando um repúdio maciço por parte de países, organizações e grupos que o abominam. Em grande parte, essa repulsa já existia, mas o terremoto a tornou claramente visível.

Publicidade

O terremoto também tornou visíveis as falhas militares e de inteligência de Israel. As forças armadas e os espiões de Israel já foram comumente citados por aliados e rivais como os melhores do mundo. Não são mais. Eles não previram o que aconteceu em 7 de outubro, foram lentos para montar uma contraofensiva para resgatar e proteger seus cidadãos e recuperar o controle do território invadido pelo Hamas ou resgatar reféns sequestrados por terroristas.

O bombardeio de Gaza, com suas imensas perdas humanas e materiais, obviamente contribui para a deterioração da reputação internacional dos militares e do governo de Israel.

Nos dias que se seguem a um terremoto, geralmente há tremores mais fracos, mas também reveladores.

Por exemplo, o massacre revelou como funcionam algumas das universidades mais prestigiadas do mundo. Em uma interpelação perante o Congresso dos EUA, os presidentes da Universidade de Harvard e da Universidade da Pensilvânia fizeram o possível para não responder se suas respectivas instituições tinham permissão para defender o extermínio de um determinado povo.

Ambos se recusaram a responder à pergunta. E ambos os líderes tiveram que renunciar diante das reações às suas declarações. Notavelmente, a saída da presidente de Harvard, Claudine Gay, também se deveu ao fato de seus inimigos políticos terem desvendado textos acadêmicos nos quais ela consta como autora e que incluem parágrafos copiados e usados sem dar crédito ao autor original.

Publicidade

Mas o terremoto não apenas disseminou novas informações sobre o processo medíocre que as universidades americanas de elite adotam para escolher seus líderes. Muito mais grave do que o constrangimento das autoridades universitárias foi o desempenho catastrófico de Bibi Netanyahu.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O primeiro-ministro israelense construiu toda uma imagem política como defensor da segurança de Israel: o mais radical dos falcões de guerra. O terremoto de 7 de outubro expôs o vazio desse posicionamento. Na realidade, enquanto o Hamas roubava cada dólar ou euro que chegava a ele das Nações Unidas, da União Europeia ou do Catar e os desviava para armar e treinar seus terroristas, Bibi Netanyahu estava concentrado em outra coisa: consolidar seu poder e enfraquecer os contrapesos institucionais que poderiam miná-lo.

Enquanto o Hamas construía uma impressionante rede de centenas de quilômetros sob Gaza para abrigar ou mobilizar seus militantes e armazenar seus suprimentos, Bibi Netanyahu dedicava suas energias à expansão dos assentamentos na Cisjordânia, de mãos dadas com as vozes mais extremistas e chauvinistas de sua coalizão.

O mais falcão dos falcões fez vista grossa aos avisos de seus serviços de segurança. Eles o alertaram de que o Hamas estava treinando ativamente suas tropas em exercícios não rotineiros. A indiferença de Netanyahu a esse chamado foi alimentada por seu desejo de manter Gaza e a Cisjordânia separadas, cada uma sob uma autoridade diferente. Para conseguir isso, ele precisava que Gaza permanecesse sob o domínio do Hamas. Sua responsabilidade política pelo ataque de 7 de outubro não está em dúvida.

O velho antissemitismo dissimulado é, portanto, fortalecido pelo terrorismo do Hamas e pelos erros de um governo israelense que vem perdendo seu caráter democrático. E essa, no fundo, é a mais profunda das verdades reveladas pelo terremoto de 7 de outubro: que ao se colocar sob o domínio de um governo que enfraquece as instituições, Israel coloca em risco não apenas sua democracia, mas também sua segurança.

Publicidade

Opinião por Moisés Naim

É escritor venezuelano e membro do Carnegie Endowmen

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.