PUBLICIDADE

Cresce na Europa o medo de que Otan enfrente outra invasão russa — mas desta vez, sem apoio dos EUA

Com possibilidade de retorno de Trump, países temem que Casa Branca abandone apoio aliança e, agora, planejam como enfrentar a Rússia sozinhas

Por Lara Jakes e Christina Anderson

THE NEW YORK TIMES — O presidente russo Vladimir Putin certa vez proclamou a dissolução do império soviético como “a maior catástrofe geopolítica do século 20″. Naquela época, em 2005, poucos esperavam que ele fizesse qualquer coisa sobre isso.

PUBLICIDADE

Mas então veio a ocupação russa da Abcásia e da Ossétia do Sul pela Geórgia em 2008, o seu apoio a separatistas ucranianos e a anexação da Crimeia em 2014 e, de forma mais retumbante, a invasão em grande escala da Ucrânia em 2022.

Agora, com a ascensão do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que no passado prometeu deixar a Otan e recentemente ameaçou nunca voltar com a ajuda aos participantes da aliança, crescem as preocupações entre países da Europa de que Putin poderia invadir um país da Otan na próxima data e que esses países poderiam ter que enfrentar as forças russas sem o apoio norte-americano.

Isso poderia acontecer em apenas cinco anos após o fim da guerra na Ucrânia, de acordo com alguns oficiais e especialistas que acreditam que seria tempo suficiente para a Rússia reconstruir e rearmar seus exércitos.

“Nós meio que sempre suspeitamos que isso é a única ameaça existencial que temos”, disse o major-general Veiko-Vello Palm, comandante da principal divisão de combate terrestre do Exército da Estônia, sobre uma possível invasão russa.

“Os últimos anos também deixaram muito claro que a Otan, como aliança militar, muitos países não estão prontos para realizar operações em larga escala — o que significa, em linguagem simples, muitos militares da Otan não estão prontos para lutar com a Rússia”, disse Palm durante uma entrevista em dezembro. “Então, não é muito reconfortante.”

Membros da 17ª Brigada de Tanques da Ucrânia na região de Donetsk, na Ucrânia. Com ascensão de Trump, Otan estão planejando como lutar contra a Rússia sozinhos.  Foto: Finbarr O'Reilly/The New York Times

A ansiedade sobre o que os especialistas descrevem como ambições imperiais de Putin tem sido parte da psique dos Estados que fazem fronteira com a Rússia ou estão desconfortavelmente perto. “Eu acho que para a Estônia, foi em 1991″ quando os alarmes de seu país começou a soar, Palm disse ironicamente, referindo-se ao ano que a Estônia declarou independência da desintegrada União Soviética.

Publicidade

Assim como Putin menosprezou os avisos do governo Biden de que estava planejando invadir a Ucrânia, Moscou rejeitou as preocupações de que a Rússia está planejando atacar a Otan. O chefe do serviço de inteligência estrangeiro russo, Sergei Naryshkin, disse em uma entrevista na semana passada à agência de notícias estatal RIA Novosti que essas preocupações fazem parte de uma campanha de desinformação ocidental para provocar o descontentamento contra Moscou.

A preocupação da Europa foi ainda mais alimentada nos últimos meses pela militarização da economia de Putin e um grande aumento de gastos em suas forças armadas e na indústria de armamentos, enquanto, ao mesmo tempo, republicanos no Congresso dos Estados Unidos tentam limitar a ajuda à Ucrânia.

“Se alguém pensa que isso é só sobre a Ucrânia, eles estão fundamentalmente errado”, alertou o presidente ucraniano Volodmir Zelenski no Fórum Econômico Mundial este mês. “Possíveis direções e até mesmo um cronograma de uma nova agressão russa além da Ucrânia tornam-se cada vez mais e mais óbvios”.

A Otan afirma que está preparada para defender as fronteiras de todos os 31 membros que, coletivamente, aumentaram os gastos em defesa nacional em cerca de U$S 190 bilhões desde 2014, quando a Rússia invadiu pela primeira vez a Ucrânia. Mas esse foi o início da reconstrução daquilo que se tornou uma rede militar vazia em toda a Europa nas décadas que se seguiram ao fim da Guerra Fria, um processo que ainda poderá levar anos, dizem analistas.

Otan diz que está pronta para defender seus 31 membros, que aumentaram os gastos em defesa nacional em cerca de U$S 190 bi desde 2014. Na foto, veículo de tropas russas em Mariupol. Foto: REUTERS/Alexander Ermochenko/Arquivo

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Esse “dividendo de paz”, como a mudança foi chamada, desviou trilhões de dólares de orçamentos militares para aumentar os gastos com cuidados de saúde, educação e habitação. A indústria de defesa da Europa também diminuiu à medida que a demanda por tanques de batalha, caças e submarinos despencou.

Em 2006, preocupados por estarem despreparadas para um conflito, os principais líderes de defesa de cada nação da Otan concordaram em gastar pelo menos 2% da sua produção interna anual em suas forças armadas. Mas isso não era um requisito, e quando os gastos militares bateram o ponto mais baixo em 2014, apenas três dos 28 membros da Otan naquele momento cumpriram o valor de referência. Assim como no último ano apenas 11 países atingiram o limite de 2%, embora um diplomata ocidental tenha dito na semana passada que cerca de 20 Estados-membros deverão alcançá-lo este ano.

A aliança irá testar sua prontidão em um exercício militar de um mês — com 90 mil soldados — que começou na semana passada, naquele que as autoridades consideram o maior exercício da Otan desde o fim da Guerra Fria. O fato de o exercício ser um teste de como as forças da aliança responderiam a uma invasão russa abalou os nervos nos estados fronteiriços, especialmente nos Bálticos e nos Nórdicos.

Publicidade

“Eu não estou falando que tudo dará errado amanhã, mas nós temos que perceber que não está garantido que estejamos em paz”, disse no dia 18 de janeiro o almirante Rob Bauer da Holanda, presidente do Comitê Militar da Otan.

Observando os planos da Otan para responder às suas duas principais ameaças, ele acrescentou: “É por isso que estamos nos preparando para um conflito com a Rússia”, bem como o que a Otan considera sua outra grande ameaça: terrorismo.

O exercício da Otan, chamado de Steadfast Defender 2024, é apenas uma das razões pelas quais os aliados estão se aproximando de um “pico febril” de preocupação de que a Rússia poderia invadir cedo ou tarde, de acordo com Christopher Skaluba, diretor da Iniciativa de Segurança Transatlântica no Conselho do Atlântico em Washington.

Ele disse que a resiliência russa face à contraofensiva ucraniana equipada pelo Ocidente no ano passado mostrou que Putin estava “permanecendo no longo prazo” e poderia redirecionar a sua economia e população para reconstituir as forças armadas dentro de três a cinco anos. “Só porque tudo foi destruído na Ucrânia não significa que eles ficarão fora do jogo por uma década ou mais”, disse Skaluba.

E a perspectiva da volta de Trump à Casa Branca forçou europeus a enfrentar a possibilidade de que o apoio dos Estados Unidos à Ucrânia, ou até mesmo sua liderança na Otan, poderia ser drasticamente reduzida já no próximo ano, disse Skaluba.

Volta de Trump acende medo em europeus de Ucrânia ficar sem ajuda dos EUA na guerra. Na foto, secretário-geral da Otan Jens Stoltenberg (E) com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken. Foto: EFE/EPA/JIM LO SCALZO

Em conjunto, “isto está sobrecarregando as preocupações mais amplas sobre a Rússia”, disse Skaluba. “É apenas esta combinação única de fatores que se combina para fazer com que este medo de longa data sobre a reconstituição russa, ou um ataque russo à Otan, se torne um pouco mais tenso do que tem sido nos últimos dois anos.”

As preocupações tornaram-se mais óbvias nas últimas semanas.

Publicidade

Em uma entrevista no dia 21 de janeiro, o principal comandante militar da Noruega, general Eirik Kristoffersen, alertou que “nós estamos com pouco tempo” para construir defesas contra uma Rússia imprevisível. “Há uma janela agora que talvez dure um, dois, talvez três anos, em que teremos que investir ainda mais em uma defesa segura”, declarou Kristoffersen.

No mesmo dia, o presidente Sauli Niinistö da Finlândia tentou acalmar as preocupações suscitadas por relatos de que um cenário do Steadfast Defender testaria a forma como a Otan responderia a uma invasão russa da Finlândia. “Nenhum dos jogos de guerra disputados ao longo de décadas foi jogado em termos reais, e eu não reagiria de forma exagerada aqui”, disse Niinistö em um programa de rádio nacional.

Nesse mês, o principal comandante militar da Suécia, general Micael Byden, e seu ministro de Defesa Civil, Carl-Oskar Bohlin, alertaram cada um que “a Suécia deveria estar preparada para a guerra”. “Deixe-me dizer isso com o poder do cargo” e “com clareza sem adornos: pode haver guerra na Suécia”, disse Bohlin em uma conferência de segurança.

Os alertas provocaram uma onda de críticas do partido da oposição sueca e de especialistas, que chamaram as declarações de hiperbólicas e alarmistas.

“Suecos estão se questionando o que o governo sabe que eles não sabem”, disse Magdalena Andersson, líder oposição socialdemocrata, em um artigo de opinião. “Assustar a população não tornará a Suécia mais segura”.

No entanto, a Suécia está se preparando para entrar na Otan, após adesão da Finlândia no último ano, uma vez que ambos os países deixaram de lado anos de não-alinhamento militar devido ao nervosismo em relação às agressões russas. E mesmo ao descrever a comoção como “exagerada”, o primeiro-ministro da Suécia Ulf Kristersson deixou claro que a Rússia continua sendo uma grande ameaça.

“Não há nada que sugere que a guerra está batendo na nossa porta agora, mas é claro que o risco de guerra cresceu significativamente”, disse o premiê em uma entrevista de rádio.

Publicidade

O governo da Estônia não deixou de perceber que a massa de terra que a Rússia conquistou nos primeiros dias da invasão na Ucrânia em fevereiro de 2022 — antes de ser empurrada de volta para os atuais fronts no leste da Ucrânia — é aproximadamente do tamanho dos Estados Bálticos.

“A ambição deles é restaurar o seu poder”, disse o coronel Mati Tikerpuu, comandante da 2ª Brigada de Infantaria da Estónia, que está baseada a cerca de 30 quilômetros da fronteira russa.

“Não pensamos que esta questão seja se” a Rússia tentará ou não invadir, disse o Coronel Tikerpuu no mês passado a partir do seu quartel-general de comando na Base Militar de Taara. Para muitos estonianos, disse ele, “é apenas uma questão de quando”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.