Aplicativo para crianças vende NFTs de personagens infantis para pequenos usuários

Foto: SAEHAN PARC
Por Amanda Hess
Atualização:

A nova fronteira do entretenimento dos pequenos são personagens de desenhos animados da Internet que vendem tokens não fungíveis

Por Amanda Hess
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE - Quando Olympia Ohanian - filha da tenista Serena Williams e do empresário da internet Alexis Ohanian - era criança, seus pais lhe deram uma boneca de plástico. Então eles fizeram uma conta no Instagram para essa boneca.

A nova fronteira do entretenimento infantil é a Internet - personagens de desenhos animados nativos que vendem NFTs em aplicativos.
A nova fronteira do entretenimento infantil é a Internet - personagens de desenhos animados nativos que vendem NFTs em aplicativos. Foto: Saehan Parc/The New York Times

Qai Qai, o nome da boneca, surgiu na plataforma em 2018 em uma série de fotografias enigmáticas. Embora o feed da boneca se assemelhasse a fotografias de cenas de crime - Qai Qai podia ser jogada sem cerimônia em uma caixa ou largada em um trecho solitário de asfalto - também tinha uma qualidade deliciosamente nostálgica. As imagens incorporavam o lado sombrio cômico da devoção obsessiva de uma criança a um objeto amado: quando um novo brinquedo aparece, o objeto pode ser impiedosamente descartado. Cada foto da negligência casual de Qai Qai parecia infundida com o próprio espírito sem limites de Olympia.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

À medida que a boneca acumulou seguidores, no entanto, ela se adaptou às demandas de várias plataformas online. Logo ela se transformou em uma figura de desenho animado gerada por computador com olhos inocentes e um cacho de cabelo no topo da cabeça. Esta nova e aparentemente senciente Qai Qai poderia sincronizar os lábios com vídeos virais como uma estrela do TikTok e acenar de um brinquedo conversível da FAO Schwarz como uma mini influenciadora. Eventualmente, a boneca Qai Qai original desaparecia das mídias sociais, substituída por uma nova com o estilo da versão em desenho animado e disponível para compra na Amazon. Na semana passada, Qai Qai lançou sua primeira coleção de NFT.

Qai Qai faz parte de um movimento para arrastar o entretenimento infantil para o futuro digital. Ela foi animada pela empresa de tecnologia Invisible Universe, que desenvolve a propriedade intelectual de personagens de desenhos animados da Internet ligados a celebridades. (A Invisible Universe também criou o personagem de um ursinho de pelúcia para a famosa família D’Amelio do TikTok e transformou o cachorro de Jennifer Aniston, Clyde, em Clydeo, um desenho animado influenciador de comida.) E os NFTs de Qai Qai - ou tokens não fungíveis, ativos digitais únicos que deram origem a um mercado altamente especulativo cheio de truques - foram lançados no Zigazoo, um aplicativo para crianças de apenas 3 anos que se autodenomina “a maior rede social e plataforma NFT do mundo para crianças”.

Seu filho precisa de um NFT?

O Zigazoo diz que sim. A missão do aplicativo é “capacitar as crianças a moldar o próprio cenário e a infraestrutura dos NFTs e da Web3″, para ajudá-las a “se expressar através da arte e praticar habilidades essenciais de alfabetização financeira” e permitir que elas se tornem “cidadãos digitais de amanhã”. Como Rebecca Jennings relatou recentemente no Vox, os esforços para levar as crianças aos mundos das criptomoedas, NFTs e tecnologia blockchain estão sendo apresentados como “preparar futuros trabalhadores para empregos lucrativos em tecnologia”. O entretenimento infantil tradicional há muito procura extrair o máximo de dinheiro de seus pequenos consumidores, mas a linguagem astuta sugerindo que as crianças devem gastar dinheiro para ganhar dinheiro parece nova. Plataformas como o Zigazoo estão construindo uma bolha publicitária para as crianças e lançando-a como uma saída criativa, uma oportunidade educacional, até mesmo um dever cívico de participar.

NFT é um mercado rentável e, agora, as crianças estão sendo um novo alvo dos investidores.
NFT é um mercado rentável e, agora, as crianças estão sendo um novo alvo dos investidores. Foto: Saehan Parc/The New York Times

Recentemente, pratiquei minhas próprias habilidades essenciais de alfabetização financeira adquirindo um conjunto de imagens da Qai Qai dançando em um tutu. Primeiro eu tive que baixar o Zigazoo, que é uma espécie de TikTok júnior projetado para ser gerenciado por um cuidador adulto. Uma vez instalado, o aplicativo solicita vídeos construídos em torno de “desafios” anódinos, como “Você pode cantar em outro idioma?” e perguntas não muito pessoais, como “Quais são seus sapatos favoritos?” O conteúdo parece menos importante do que o design do aplicativo, que, como qualquer rede social adulta, incentiva os usuários a acumular seguidores, curtidas e se tornar famoso no Zigazoo. Na língua do Zigazoo, isso pode ser traduzido como “praticar habilidades essenciais de economia de atenção”.

A Common Sense Media, uma organização sem fins lucrativos que avalia a adequação à idade da mídia e da tecnologia, dá notas altas ao Zigazoo por sua falta de imagens de violência, drogas e “coisas sensuais”. Não há comentários no aplicativo, apenas mecanismos de reforço positivo, e cada vídeo é moderado por um ser humano. Mas, embora a análise da Common Sense afirme que o consumismo “não está presente” no aplicativo, ele está em toda parte. Toda vez que abria o Zigazoo, descobria que havia ganhado mais “Zigabucks”, a moeda do aplicativo da plataforma, por visitá-lo todos os dias. Além disso, fui constantemente solicitada a me preocupar com o último lançamento de NFT do Zigazoo: imagens com JJ, a estrela infantil dos desenhos animados da CoComelon.

A CoComelon é um canal do YouTube muito popular com vídeos gerados por computação grosseiramente renderizados e canções de ninar repetitivas, como A música do dentista e A música do macarrão. Embora não tenha nenhum valor discernível além de sua capacidade de hipnotizar crianças por longos períodos de tempo, conquistou o mundo; recentemente, a marca fez uma parceria com o governo saudita para construir uma vila física da CoComelon em Riad, talvez como parte de um esforço maior de relações públicas da Arábia Saudita para se tornar conhecida por algo além de torturar dissidentes. (Vamos chamar isso de “praticar habilidades geopolíticas essenciais”.)

De qualquer forma, as crianças amam: os NFTs do CoComelon foram vendidos antes que eu pudesse conseguir um, então esperei pelos NFTs da Qai Qai, observando o relógio de contagem regressiva no aplicativo Zigazoo para o meu momento de “investir”. Os NFTs da Qai Qai estavam sendo vendidos de US$ 5,99 a US$ 49,99 o pacote, e com mais dinheiro havia uma probabilidade maior de adquirir não apenas um NFT “comum”, mas um “raro” ou “lendário”, uma distinção que não foi explicada. (Embora cada NFT do Zigazoo esteja vinculado a um registro digital exclusivo no blockchain Flow, o aplicativo não deixou claro quantos desses registros ele estava atribuindo a cada imagem da Qai Qai, o que torna ainda mais difícil adivinhar o quão inútil isso pode ser no futuro.) Selecionei um pacote “raro” de colecionáveis da Qai Qai por US$ 19,99 e respondi “Somente para os pais!” a um problema de multiplicação em múltipla escolha para provar que eu era um adulto (embora eu conhecesse melhor minhas tabuadas quando criança) e, finalmente, fui recompensada com quatro imagens estáticas da Qai Qai e um vídeo repetido “raro” da Qai Qai executando a Dança do dedo do pé.

Meu NFT da Qai Qai vai muito bem. Como os muitos bebês dançantes da internet antes dela, ela é fofa, e comprar o ativo digital também apoia um projeto mais amplo: Serena Williams desenvolveu a Qai Qai para garantir que a geração de sua filha tenha acesso a bonecas negras, que a própria Williams não tinha quando criança. (Não tenho nada de bom a dizer sobre os NFTs do CoComelon.) As bonecas apresentam infinitas oportunidades para brincadeiras criativas, como exemplificado pelo começo macabro da Qai Qai. Sua primeira conta no Instagram exemplificou o poder generativo da internet, a capacidade de criar um projeto criativo estranho e compartilhá-lo com o mundo - não porque isso ajudará a lhe “ensinar” a investir em criptomoedas, mas apenas porque você sente vontade.

Nas explicações do aplicativo sobre “Por que as crianças deveriam ter NFTs?”, o Zigazoo lamenta que “muito da internet é sobre consumo”, mas afirma que “o futuro da internet é o que você pode criar”. No momento, porém, trata-se do que você pode comprar usando Zigabucks. /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro?Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade