PUBLICIDADE

O que Suécia, Hungria e Austrália podem ensinar à China para conter a queda da população? Entenda

Com 850 mil nascimentos a menos do que mortes no ano passado, a China se juntou a um conjunto cada vez maior de nações com populações reduzidas causadas por anos de queda na fertilidade

Por Andrew Jacobs e Francesca Paris

THE NEW YORK TIMES - A população da China começou a diminuir, um ponto de virada demográfico para o país que tem implicações globais. Com 850 mil nascimentos a menos do que mortes no ano passado, pelo menos de acordo com o relatório oficial do país, a China se juntou a um conjunto cada vez maior de nações com populações reduzidas causadas por anos de queda na fertilidade e, muitas vezes, pouca migração líquida ou até mesmo negativa.

PUBLICIDADE

Mesmo os países que não começaram a perder população, como França e o Reino Unido, vêm enfrentando o declínio demográfico há anos, à medida que a expectativa de vida aumenta e as mulheres têm menos filhos. Embora muitos países como Suécia, Austrália e Hungria tenham apostado em políticas públicas pra conter esse fenômeno, a história sugere que, quando um país ultrapassa o limite do crescimento negativo da população, há pouco que seu governo possa fazer para reverter esse quadro.

“Para países com migração líquida negativa, como a China, mais pessoas requerem mais bebês.”A boa notícia é que o governo chinês está totalmente ciente do problema”, disse Yong Cai, sociólogo da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, especializado em demografia chinesa. “A má notícia é que, empiricamente falando, há muito pouco que eles possam fazer a respeito.”

Isso se deve ao fato de que o manual para aumentar as taxas de natalidade nacionais é bastante limitado. A maioria das iniciativas que incentivam as famílias a ter mais filhos é cara e os resultados costumam ser limitados. As opções incluem incentivos em dinheiro para ter bebês, políticas generosas de licença parental e creches gratuitas ou subsidiadas.

Casal chinês com bebê em Pequim: taxas de natalidade preocupam o governo  Foto: Ng Han Guan/ AP

Veja os exemplos de países que tentaram aumentar taxa de natalidade:

Austrália

Há duas décadas, a Austrália experimentou um programa de “bônus para bebês” que pagava o equivalente a quase US$ 6.000 por criança em seu auge.

Na época em que a campanha começou, em 2004, a taxa de fertilidade do país era de cerca de 1,8 filho por mulher (na maioria dos países desenvolvidos, uma taxa de fertilidade de 2,1 é o mínimo necessário para que a população permaneça estável sem imigração).

Publicidade

Em 2008, a taxa havia aumentado para cerca de 2, mas em 2020, seis anos após o término do programa, ela estava em 1,6 - mais baixa do que quando os pagamentos em dinheiro foram introduzidos pela primeira vez.

De acordo com uma estimativa, a iniciativa levou a um aumento de 24.000 nascimentos. A Dra. Liz Allen, demógrafa da Australian National University, disse que o programa foi amplamente ineficaz e que a licença paternidade e a creche financiadas pelo governo teriam sido um uso mais eficaz do dinheiro do contribuinte.

“A intervenção do governo para aumentar as taxas de fertilidade é mais bem focada na abordagem dos problemas que impedem as pessoas de ter o tamanho de família que desejam”, disse ela. Os especialistas dizem que as iniciativas mais eficazes abordam o bem-estar social, a política de emprego e outras questões econômicas subjacentes.

Moradores de Pequim brincam com os filhos durante o inverno Foto: Gilles Sabrie/The New York Times

Suécia

A Suécia é frequentemente citada como modelo para o aumento das taxas de fertilidade, graças a um salto impulsionado pelo governo em sua taxa de natalidade. Depois de introduzir nove meses de licença parental na década de 1970 e implementar um “prêmio de velocidade” em 1980 (que incentivava as mães a terem vários filhos dentro de um determinado período), a Suécia viu a fertilidade aumentar de cerca de 1,6 no início da década para um pico um pouco acima da taxa de reposição em 1990. (Desde então, o país aumentou sua licença parental para 16 meses, uma das mais altas do mundo).

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

No entanto, após esse aumento, a taxa de natalidade da Suécia caiu durante os anos 90. Nos últimos 50 anos, sua taxa de fertilidade flutuou significativamente, aumentando mais ou menos junto com os booms econômicos.

E, embora o país ainda tenha uma das taxas de fertilidade mais altas entre as economias mais avançadas, na última década, ela seguiu uma trajetória semelhante à da maioria das nações desenvolvidas: queda.Pesquisas recentes sugerem uma razão pela qual os picos de fertilidade da Suécia foram apenas temporários: As famílias correram para ter filhos que já estavam planejando ter.

Stuart Gietel-Basten, demógrafo da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong, disse que os incentivos financeiros raramente aumentam o número total de crianças nascidas, mas, em vez disso, incentivam as famílias a aproveitar benefícios que podem não durar. Os picos, acrescentou ele, podem ter consequências imprevistas.

Publicidade

“Quando você tem 50.000 crianças nascidas em um ano, 100.000 no ano seguinte e 50.000 no ano seguinte, isso é muito ruim para o planejamento e a educação”, disse ele.

Em 2023, a China teve apenas 850 mil nascimentos Foto: Gilles Sabriz /The New York Times

Hungria

Poucos países adotaram políticas pronatalistas com tanto vigor quanto a Hungria, cujo líder populista de direita, Viktor Orban, está dedicando 5% do PIB do país para aumentar a taxa de natalidade. O governo incentiva a procriação por meio de empréstimos generosos que se tornam presentes no nascimento de vários filhos, perdão de impostos para mães que têm três filhos e tratamentos de fertilidade gratuitos.

Na época em que esses esforços começaram sob o comando do Sr. Orban, em 2010, a taxa de fertilidade da Hungria era de pouco mais de 1,2, uma das mais baixas da Europa. Na década de 2010, essa taxa subiu para cerca de 1,6 - uma melhoria modesta a um alto custo.

O problema da China

Embora agora tenham permissão para isso, muitos jovens chineses não estão interessados em ter famílias grandes. Um número muito maior de jovens chineses está se matriculando no ensino superior, casando-se mais tarde e tendo filhos mais tarde. Criados em lares com um único filho, alguns passaram a ver famílias pequenas como normais.

Mas o maior impedimento para ter um segundo ou terceiro filho é financeiro, de acordo com Lauren A. Johnston, economista da Universidade de Sydney que estuda a demografia chinesa. Ela disse que muitos pais citam o alto custo de moradia e educação como o principal obstáculo para ter mais filhos.

“As pessoas não têm dinheiro para comprar espaço para si mesmas, muito menos para duas crianças”, disse ela.

Publicidade

O governo da China poderia aliviar a carga sobre as famílias jovens por meio de subsídios para moradia, licença parental estendida e maior financiamento para educação e pensões, segundo especialistas.

Ainda não se sabe até onde a China irá para conter seu declínio populacional, que foi iniciado quando a taxa de fertilidade do país começou a despencar décadas atrás. Essa queda começou mesmo antes das políticas de planejamento familiar do país, que limitaram a maioria das famílias a um único filho, introduzidas em 1979.

A taxa de fertilidade do país aumentou ligeiramente por volta dessa época, mas caiu desde então, de acordo com dados das Nações Unidas: de cerca de 1,7 filhos por mulher, no mesmo nível da Austrália e do Reino Unido, para cerca de 1,2, uma das mais baixas do mundo.

Essa queda recente pode ser resultado de dados não confiáveis da China ou de um efeito técnico de atrasos na gravidez, mas provavelmente também reflete uma combinação de várias pressões que aumentaram no país ao longo do tempo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.