‘Partygate’: Scotland Yard impõe 20 multas por festas no gabinete de Boris Johnson

Polícia de Londres não divulgou nomes ou condutas dos multados pelas violações de lockdown durante a pandemia

PUBLICIDADE

Por Redação
Atualização:
2 min de leitura

LONDRES - A Scotland Yard anunciou nesta terça-feira, 29, que impôs 20 multas no âmbito da investigação sobre as festas realizadas em Downing Street, com a participação do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante o lockdown - no caso que ficou conhecido como ‘Partygate’.

“Hoje começaremos a enviar 20 avisos de multa por violações das normas contra a covid-19″, afirmou a Scotland Yard em um comunicado, sem especificar as pessoas afetadas pela multa.

Boris Johnson, que em janeiro parecia em perigo de perder o cargo, superou a crise momentaneamente, no contexto da invasão russa à Ucrânia. Mas as conclusões do relatório da polícia, que considera que delitos foram cometidos, podem provocar a reabertura do caso, em particular se for revelado que Johnson é objeto de multa.

A Scotland Yard investigou uma dezena de reuniões em 2020 e 2021, e acredita que o primeiro-ministro compareceu a algumas delas.

As revelações dos eventos, em alguns casos festivos, em gabinetes do Executivo durante a pandemia, quando os britânicos deveriam reduzir drasticamente as interações sociais para combater a propagação da covid-19, abalaram o governo.

Continua após a publicidade

Johnson, cuja popularidade desabou após o escândalo, fez um ‘mea culpa’ aos deputados, mas descartou a possibilidade de renunciar, para aguardar as conclusões da investigação policial.

Manifestante protesta contra o Partido Conservador e contra Boris Johnson após revelação do 'Partygate' em dezembro de 2021. Foto: AP Photo/Matt Dunham

A Scotland Yard não identificou as pessoas multadas e nem os atos atribuídos para evitar a identificação dos autores da infração. No entanto, a polícia não concluiu a investigação sobre o caso e prometeu fazer “todo o possível” para avançar rapidamente./ AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.