PUBLICIDADE

Iêmen condena 13 pessoas à morte por homossexualidade

Julgamento foi realizado em Ibb, província controlada pelos rebeldes houthis, cujos ataques recorrentes a navios no Mar Vermelho e no Golfo de Áden perturbam o tráfego marítimo mundial

Foto do author Redação
Por Redação

Um tribunal no Iêmen condenou à morte 13 pessoas acusadas de “homossexualidade”, disse uma fonte judicial à AFP nesta terça-feira, 6.

O julgamento foi realizado em Ibb, uma província controlada pelos rebeldes houthis, cujos ataques recorrentes a navios no Mar Vermelho e no Golfo de Áden perturbam o tráfego marítimo mundial.

PUBLICIDADE

Das 16 pessoas no banco dos réus, três receberam penas de prisão, relatou a mesma fonte, que não revelou sua identidade por não estar autorizada a falar com a imprensa. Recentemente, outras 35 pessoas foram detidas em Ibb por razões parecidas, acrescentou essa fonte.

Em vídeos apresentados à AFP, cuja autenticidade não pôde ser verificada de forma independente, vê-se um juiz em um tribunal, enumerando as acusações que pesam contra os acusados, incluindo homossexualidade, “atentado ao pudor”, “incitação à libertinagem” e “difusão de imagens contrárias aos bons costumes”, antes de condená-los a uma execução em público. O veredito ainda pode ser objeto de recurso.

Homem passa por pinturas de figuras militares e políticas de movimentos xiitas apoiados pelo Irã, no Iêmen. Condenação por homossexualidade ocorreu em Ibb, província controlada pelos rebeldes houthis. Foto: EFE/EPA/YAHYA ARHAB

Os rebeldes houthis nem sempre executam a pena. De acordo com um relatório publicado em 2022 pelo Observatório Euro-mediterrâneo dos Direitos Humanos, das 350 condenações à morte proferidas em zonas rebeldes desde que os houthis tomaram a capital em 2014, 11 foram aplicadas.

Originários da minoria zaidi, um braço do Islã xiita, os houthis impuseram rígidas regras sociais e religiosas nas regiões em seu poder, especialmente às mulheres. Eles controlam as regiões mais populosas do Iêmen, após quase uma década de guerra contra o governo./AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.