Primeiro-ministro polonês Donald Tusk diz que Europa está em ‘época de pré-guerra’

Em entrevista a jornais europeus, Tusk citou guerra entre Rússia e Ucrânia e disse que o continente deve ser ‘independente e autossuficiente’ na área da defesa

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

O primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, advertiu, em entrevista à imprensa europeia, que o continente está em “uma época de pré-guerra”, no âmbito do conflito entre Rússia e Ucrânia.

PUBLICIDADE

“Não quero assustar ninguém, mas a guerra já não é um conceito do passado. É uma realidade e começou há mais de dois anos” com a invasão da Ucrânia, disse Tusk em uma entrevista com uma aliança de jornais europeus.

Nas últimas semanas, a Rússia intensificou os bombardeios contra a Ucrânia, vizinha oriental da Polônia. Um de seus mísseis violou brevemente o espaço aéreo do país no dia 24 de março, fazendo com que a Força Aérea polonesa fosse colocada em alerta. A Polônia é país-membro da Otan e da União Europeia (UE).

Em dezembro houve outro incidente semelhante, quando um míssil russo entrou no espaço aéreo polonês e saiu poucos minutos depois, rumo à Ucrânia. Em novembro de 2022, um míssil ucraniano caiu sobre a cidade polonesa de Przewodow, perto da fronteira com a Ucrânia, matando dois civis.

“O mais preocupante agora é que literalmente qualquer cenário é possível. Não vivíamos uma situação assim desde 1945″, argumentou o primeiro-ministro polonês.

“Sei que soa assustador, sobretudo para as pessoas da geração mais jovem, mas temos que nos acostumar mentalmente a uma nova era. Estamos em uma época de pré-guerra. Não estou exagerando”, acrescentou.

“Se a Ucrânia perder (a guerra), ninguém na Europa poderá se sentir seguro”, advertiu Tusk, que foi presidente do Conselho Europeu (2014-2019), uma das principais instituições da UE.

Publicidade

Donald Tusk, primeiro-ministro polonês, alertou que Europa tem 'longo caminho a percorrer' no tema da defesa, em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia.  Foto: Wojtek Radwanski/AFP

O premiê polonês também afirmou na entrevista que a Europa “tem um longo caminho a percorrer” no tema da defesa e que deve ser “independente e autossuficiente” nessa área.

A Polônia é um dos principais aliados de Kiev na União Europeia desde o início da invasão russa, em fevereiro de 2022. Neste mês, Alemanha, França e Polônia, durante o encontro do chamado Triângulo de Weimar, prometeram adquirir mais armas para Kiev no mercado global, além de aumentar a produção de equipamentos militares, inclusive por meio da cooperação com aliados na Ucrânia. / AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.