Príncipe Harry acredita que doença do rei Charles III pode aproximar a sua família

Filho mais novo de Charles disse que pegou um avião imediatamente após ter conhecimento do diagnóstico

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

O príncipe Harry afirmou, nesta sexta-feira, 16, que a doença do seu pai, o rei Charles III, diagnosticado com câncer, poderá ajudar a unir novamente a família real britânica. 

O duque de Sussex, filho mais novo do rei Charles III, disse em uma entrevista ao Good Morning America, do canal americano ABC, que “pegou imediatamente um avião” para Londres assim que soube do diagnóstico, por meio do seu próprio pai. 

Príncipe Harryy disse que a doença do rei Charles III pode unir a família novamente  Foto: Toby Melville/Reuters

PUBLICIDADE

“Amo a minha família”, disse Harry, nas suas primeiras declarações públicas sobre o estado de saúde do rei de 75 anos.

Harry está no Canadá com sua esposa, a atriz Meghan Markle, para um treinamento de um ano antes dos Jogos Invictus, evento que ele organiza para veteranos militares feridos.

Questionado se a doença de Charles III poderia ajudar a reconciliar a família, Harry respondeu: “Sim, tenho certeza que sim”. O príncipe de 39 anos não quis dar detalhes sobre a saúde do pai. “Isso é entre mim e ele”, disse.

Em meio à aspereza com a família real, Harry renunciou às suas funções oficiais em 2020 e mudou-se para a Califórnia, onde mora com a esposa e dois filhos pequenos. A partir daí, ambos criticaram duramente a monarquia britânica em entrevistas e em uma série documental na Netflix. 

“Tenho outras viagens planejadas que me levarão ao Reino Unido, por isso verei a minha família o máximo que puder”, disse na entrevista à ABC nesta sexta-feira.

Publicidade

Também afirmou que considera se candidatar à cidadania americana, embora esta não esteja nas suas prioridades neste momento. 

O diagnóstico de Charles ocorreu 17 meses após seu reinado, que começou após a morte de sua mãe de 96 anos, a rainha Elizabeth II, em 8 de setembro de 2022. /AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.