Protestos tomam as ruas dos EUA após vídeo mostrar policiais espancando homem brutalmente em Memphis

Tyre Nichols, um motorista negro de 29 anos, morreu no hospital após as agressões; cinco policiais, todos negros, são acusados de assassinato

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Quatro vídeos de um espancamento brutal feito por policiais contra um homem identificado como Tyre Nichols em Memphis, divulgado pelas autoridades nesta sexta-feira, 27, provocaram uma série de protestos nas principais cidades dos Estados Unidos. A divulgação acontece um dia depois que os policiais, todos negros, foram acusados de assassinar Nichols, um motorista de 29 anos também negro.

PUBLICIDADE

Nas imagens, os policiais espancam Nichols selvagemente durante três minutos com socos, chutes e cassetetes, enquanto gritam palavrões contra ele. O motorista morreu no dia 10 deste mês em um hospital da cidade, três dias depois de ter sido espancado e preso por suspeita de direção imprudente.

Após a divulgação, o presidente dos EUA, Joe Biden, declarou estar “indignado e profundamente dolorido”, enquanto pessoas de dezenas de cidades americanas começaram a organizar atos de protesto. A equipe jurídica da família Nichols comparou o ataque ao infame espancamento policial de 1991 do motorista Rodney King, de Los Angeles, e pediu que os protestos aconteçam de maneira pacífica.

Manifestantes se reúnem nesta sexta-feira, 27, em Memphis, Tennessee, após divulgação de vídeo que mostra policiais espancando Tyre Nichols. Morte resultou em acusações de assassinato e provocou indignação no último caso de brutalidade policial do país  Foto: Gerald Herbert / AP

Imagens de vídeo de câmeras instaladas no uniforme dos policiais mostram os agentes parando o motorista e tentando derrubá-lo usando um Taser e depois perseguindo-o enquanto ele corre. Após começar o espancamento, as imagens mostram Nichols chorando e gritando pela mãe enquanto é espancado. “Eu não fiz nada”, repete o homem durante as agressões. “Eu estou apenas tentando ir para casa”, diz em outro trecho do vídeo de uma hora.

Os cinco policiais envolvidos na agressão - Tadarrius Bean, Demetrius Haley, Desmond Mills Jr., Emmitt Martin III e Justin Smith - foram demitidos da corporação e levados sob custódia. Todos eles são acusados de assassinato em segundo grau, agressão agravada, sequestro agravado, má conduta oficial e repressão oficial. Quatro dos cinco policiais haviam pagado fiança e foram libertados da custódia na manhã desta sexta-feira, de acordo com registros judiciais e de prisão.

Os advogados da família e os pais do jovem saudaram a “celeridade” das medidas tomadas contra os agentes envolvidos no assassinato. O reverendo Al Sharpton, um afro-americano famoso na luta pelos direitos civis dos EUA, disse que conversou com a família de Nichols e planeja viajar para Memphis nos próximos dias. “O fato de esses policiais serem negros torna isso ainda mais chocante para nós”, disse ele em um comunicado.

A morte de Nichols lembra o espancamento do também afro-americano George Floyd, morto por um policial em maio de 2020 em um incidente cujas filmagens inflamaram os Estados Unidos. Marchas contra o racismo e a violência policial incendiaram o país sob o slogan “Black Lives Matter”.

Publicidade

Manifestações foram planejadas após a divulgação do vídeo nas cidades de Memphis, Boston, Chicago, Detroit, Nova York, Portland, Oregon e Washington. O prefeito de Nova York, Eric Adams, um ex-policial, disse que ele e outros prefeitos em todo o país foram informados pela Casa Branca do teor do vídeo antes dele ser divulgado. “Isso vai nos deixar com raiva”, disse.

O vídeo foi publicado por sites da imprensa americana e compartilhado nas redes sociais.

Em Memphis, os manifestantes gritavam: “Diga o nome dele! Tyre Nichols!” e várias dezenas de manifestantes bloquearam uma ponte muito movimentada na Interestadual 55, que é uma das duas principais conexões entre Arkansas e Tennessee sobre o Rio Mississippi.

‘Ele tinha hematomas por toda a parte’, diz a mãe

Em entrevista à CNN, a mãe de Nichols, RowVaughn Wells, afirmou que encontrou o filho morto no hospital. “Ele tinha hematomas por toda parte. Sua cabeça estava inchada como uma melancia”, disse.

PUBLICIDADE

Um dos advogados da família de Nichols, Ben Crump, deu detalhes do vídeo na sexta-feira antes de ser divulgado. Nichols “chama sua mãe três vezes. Suas últimas palavras são: “Mãe! Mãe! Mãe!’”, disse ela ao lado de Wells, que abaixou a cabeça animadamente.

A chefe da polícia de Memphis, Cerelyn Davis, disse que as imagens da prisão do homem de 29 anos são “iguais ou até piores” do que as do espancamento de Rodney King em 1991, que provocou dias de protestos em Los Angeles que deixaram dezenas de mortos.

Biden conversou com Wells e com o padrasto de Nichols para expressar as condolências, informou a Casa Branca. A Casa Branca também disse que altos funcionários instruíram prefeitos de mais de uma dúzia de cidades, incluindo Atlanta, Chicago e Filadélfia, se precisassem de assistência federal para os protestos.

Publicidade

O diretor do FBI, Christopher Wray, disse que estava “horrorizado” e o secretário de justiça dos EUA, Merrick Garland, anunciou que uma investigação federal havia sido aberta. /AFP, NYT, AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.