Líder da Estônia remove monumentos soviéticos, e Rússia a coloca em lista de procurados

O nome da primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, apareceu na lista do Ministério do Interior russo de pessoas procuradas por acusações criminais não especificadas

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

TALLINN -A primeira-ministra da Estónia foi colocada em uma lista de procurados na Rússia devido aos seus esforços para remover monumentos da era soviética no país báltico, segundo informações fornecidas por autoridades russas nesta terça-feira, 13, em meio a tensões entre a Rússia e o Ocidente durante a guerra que Moscou trava com a Ucrânia.

PUBLICIDADE

O nome da primeira-ministra, Kaja Kallas, apareceu na lista do Ministério do Interior russo de pessoas procuradas por acusações criminais não especificadas. O relato foi feito agora pelo meio de comunicação independente russo Mediazona, mas o nome da líder está nessa lista há meses.

Autoridades russas disseram que Kallas foi colocada na lista por causa de seus esforços para remover monumentos da Segunda Guerra Mundial. Kallas apontou a medida como a “tática familiar de intimidação” de Moscou.

A primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, participa de uma reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas, Bélgica  Foto: Olivier Matthys / EFE

“A Rússia pode acreditar que a emissão de um mandado de prisão fictício silenciará a Estónia”, disse ela. “Recuso-me a ser silenciada – continuarei a apoiar abertamente a Ucrânia e a defender o fortalecimento das defesas europeias.”

A Estónia e outros países que são membros da Otan, como Letónia e Lituânia, demoliram monumentos que são amplamente vistos como um legado indesejado da ocupação soviética desses países.

Desde a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, há quase dois anos, numerosos monumentos aos soldados do Exército Vermelho também foram derrubados na Polónia e na República Checa. Moscou denunciou essas medidas como uma profanação da memória dos soldados soviéticos que morreram enquanto lutavam contra a Alemanha nazista.

Governo estoniano promoveu a remoção de monumentos soviéticos  Foto: AP / AP

Apoio dos países bálticos a Kiev

A invasão da Ucrânia trouxe a guerra de volta ao coração da Europa e, com ela, um temor enraizado há séculos na região: o expansionismo russo. Quando Vladimir Putin tornou claros seus objetivos nas estepes ucranianas, em fevereiro de 2022, um sinal de alerta acendeu nas capitais do Báltico e da Escandinávia.

Publicidade

Quase dois anos depois, ações de espionagem, intimidação e sabotagem no Norte da Europa aumentaram a preocupação de ex-repúblicas soviéticas como Lituânia, Letônia e Estônia e países escandinavos como Finlândia, Suécia e Noruega, que agora se preparam para conter a Rússia no campo militar e diplomático.

De acordo com uma série de documentos que foram revelados por um consórcio de jornalistas de veículos da Lituânia, Polônia, Alemanha, Letônia, Estônia e Reino Unido em abril, o Kremlin desenhou, a partir de 2021, um plano para influenciar diretamente os países bálticos, com o objetivo de afastá-los do Ocidente. Essas metas consistiam no enfraquecimento das instituições democráticas nesses países e na expansão da influência cultural russa na região.

“A Estónia e eu continuamos firmes na nossa política: apoiar a Ucrânia, reforçar a defesa europeia e lutar contra a propaganda russa”, disse Kallas, apontando para o histórico da sua família de enfrentar a repressão soviética. “Isso me atinge perto de casa: minha avó e minha mãe já foram deportadas para a Sibéria, e foi a KGB quem emitiu os mandados de prisão fabricados.”

A primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, participa de uma reunião com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, em Tallinn, Estônia  Foto: AP / AP

É a primeira vez que o Ministério do Interior russo coloca a autoridade principal de um país estrangeiro na lista de procurados. Mas já havia outras autoridades internacionais, como o secretário de Estado da Estónia, Taimar Peterkop, e o ministro da Cultura da Lituânia, Simonas Kairys, juntamente com dezenas de funcionários e legisladores da Letónia, Lituânia e Polónia.

Remoção de monumentos

PUBLICIDADE

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, confirmou que Kallas e Peterkop estavam na lista devido ao seu envolvimento na remoção de monumentos. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que foi uma resposta à ação de Kallas e outros que “tomaram medidas hostis em relação à memória histórica e ao nosso país”.

A Mediazona, que baixou e estudou mais de 96 mil itens no banco de dados, disse que a lista também inclui dezenas de autoridades ucranianas e cidadãos estrangeiros acusados de lutar ao lado das forças armadas ucranianas.

O presidente russo, Vladimir Putin, apontou que livrar a Ucrânia de grupos neonazistas de extrema direita é um dos objetivos centrais da guerra, mas não ofereceu nenhuma prova para apoiar suas repetidas afirmações de que tais grupos têm uma voz decisiva na definição das políticas da Ucrânia. .

Publicidade

A inclusão de Kallas também poderá marcar uma tentativa de Moscou de contrariar o mandado de detenção emitido no ano passado contra Putin pelo Tribunal Penal Internacional, devido à alegada deportação de crianças ucranianas para a Rússia.

Embora signifique pouco em termos práticos, uma vez que os contatos entre Moscou e o Ocidente foram congelados durante o conflito, a divulgação da lista ocorre em um momento em que os membros europeus da Otan estão preocupados com a maneira com que as eleições americanas irão afetar a aliança militar.

Trump

Durante um comício de campanha na segunda-feira, 12, o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, possível candidato republicano à Casa Branca, afirmou que poderia permitir que a Rússia atacasse um país da Otan caso as nações não chegassem à meta de exigência da Otan de gastar 2% do PIB com o setor de defesa.

Essa declaração contrastou fortemente com a promessa do presidente dos EUA, Joe Biden, de “defender cada centímetro do território da Otan” em caso de ataque, como estabelece a aliança entre todos os membros.

A declaração de Trump chocou muitos na Europa, atraindo a promessa da Polónia, França e Alemanha de reforçar a segurança e o poder de defesa da Europa./com AP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.