PUBLICIDADE

Sharon "sentencia" à morte líderes do Hamas

Por Agencia Estado
Atualização:

Os líderes do Hamas estão "sentenciados" à morte e não terão um momento de descanso, garantiu hoje o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, depois de uma fracassada tentativa por parte de Israel de assassinar vários dirigentes da milícia com uma bomba de 250 quilos lançada por um avião sobre um edifício de apartamentos na Cidade de Gaza. "Estão marcados para morrer", disse Sharon em declarações publicadas pelo jornal Yediot Ahronot. "Não lhes daremos um minuto de descanso. Continuaremos nossa busca, pois eles têm apenas um objetivo: a destruição de Israel". O Hamas, por sua vez, ameaçou tomar represálias "sem precedentes" e advertiu que Israel "abriu as portas do inferno" com seu ataque contra o fundador da milícia, o xeque Ahmed Yassin, que sofreu lesões leves. Hoje, Yassin afirmou que o seu movimento dará uma "lição inesquecível" a Israel. "Vamos continuar a resistir e daremos ao inimigo uma lição inesquecível, Israel vai pagar muito caro pelo que fez", declarou Yassin perante centenas de palestinos que foram a sua casa felicitá-lo por ter escapado à tentativa de eliminação. O fundador do Hamas, de 68 anos, acrescentou que a resposta a esta tentativa de assassinato caberá à ala militar do seu movimento, as Brigadas Ezzedine Al-Qassam. "As Brigadas decidirão quando e onde, isso é a eles que cabe", disse Yassine. O ataque contra o líder aconteceu logo após o primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas, apresentar a Yasser Arafat seu pedido de renúncia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.