PUBLICIDADE

Opinião|Somente Biden e o príncipe saudita podem mudar a direção do conflito entre israelenses e palestinos

Esta pode ser a última chance de adotar a solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino

colunista convidado

THE NEW YORK TIMES - Um dos desdobramentos mais inesperados da guerra entre Israel e Hamas é o surgimento de um poderoso alinhamento de interesses e incentivos para que Israel, os palestinos, os Estados Unidos e a Arábia Saudita apoiem um caminho para um Estado palestino que possa viver em paz ao lado de Israel.

PUBLICIDADE

Para começar, avançar em direção a um Estado palestino (uma vez que a guerra termine) é a chave para Israel se reconectar com importantes grupos eleitorais em todo o mundo, é a chave para um eventual caminho seguro para sair de Gaza e é o cimento para a aliança regional de que Israel precisa para se proteger.

Entendo por que muitas pessoas na sociedade israelense, ainda traumatizadas pelo ataque surpresa do Hamas em 7 de outubro, não querem ouvir falar de um Estado palestino, mesmo em uma forma desmilitarizada. Mas, para muitos israelenses, isso já era verdade há anos, antes da guerra de Gaza. Continuar ignorando o assunto agora seria um erro grave. Israel precisa moldá-lo, não ignorá-lo.

Se Israel destruir o Hamas e depois decidir ocupar permanentemente Gaza e a Cisjordânia, rejeitando qualquer forma de Estado palestino, Israel se tornará um pária global para a próxima geração, principalmente no mundo árabe. Isso forçará os aliados árabes de Israel a se distanciarem do Estado judeu.

E se Israel permanecer em conflito perpétuo com os palestinos, toda a arquitetura da estratégia americana para o Oriente Médio - especialmente os tratados de paz transversais que forjamos entre Israel e o Egito, a Jordânia e as nações do Golfo - ficará sob pressão, complicando nossa capacidade de operar na região e abrindo-a para uma influência muito maior da Rússia e da China.

Devido à morte de milhares de civis em Gaza, os EUA já estão tendo dificuldades para usar suas bases militares nos países árabes para combater a rede maligna do Irã de Hamas, Hezbollah, Houthis e milícias xiitas no Iraque.

E os sauditas precisam de um caminho para um Estado palestino a fim de normalizar os laços com Israel e, assim, obter apoio no Congresso dos EUA para algum tipo de novo pacto de segurança entre os EUA e a Arábia Saudita.

Publicidade

Joe Biden é o presidente dos Estados Unidos Foto: Kevin Lamarque/Reuters - 13/2/2024

Em resumo, hoje, mais do que nunca, os principais atores do Oriente Médio precisam de um movimento em direção a um Estado palestino desmilitarizado - principalmente os palestinos, para os quais este momento oferece uma oportunidade única de realizar o sonho de independência em sua terra natal em um Estado ao lado de Israel. Dizer que será incrivelmente difícil realizá-lo não dá conta das complexidades, mas os palestinos também precisam defini-lo e criar instituições melhores para realizá-lo por meio de uma Autoridade Palestina melhorada em Ramallah, na Cisjordânia - agora, hoje, com urgência.

Mas não tenho ilusões. Há dois atores principais que não querem que isso aconteça, sob nenhuma condição, e eles são muito poderosos: o Hamas, que se dedica a varrer Israel do mapa, como demonstrou em 7 de outubro; e Benjamin Netanyahu e seus parceiros de coalizão de extrema direita - alguns dos quais querem não apenas destruir o Hamas, mas também continuar ocupando a Cisjordânia e Gaza e expandindo os assentamentos judaicos em ambas.

Infelizmente, se aprendi alguma coisa desde que comecei esta coluna no New York Times em 1995, é que nem o Hamas nem Netanyahu jamais poderiam ser parceiros de qualquer tipo de Estado palestino ao lado de Israel, embora isso pudesse servir aos interesses dos povos israelense e palestino agora mais do que nunca. Vou explicar minha avaliação do Hamas e de Netanyahu com algumas cenas da história recente.

O primeiro é de 2002. Vinte e dois anos atrás, quando o 11 de setembro ainda lançava uma longa sombra sobre o mundo, fui à Arábia Saudita e entrevistei o príncipe herdeiro Abdullah bin Abdul Aziz. Antes de ir, escrevi uma coluna na voz do presidente George W. Bush pedindo aos líderes árabes que apresentassem uma iniciativa de paz construtiva: Oferecer a Israel paz total e normalização em troca de uma retirada israelense total da Cisjordânia, de Gaza e de Jerusalém Oriental para as linhas de 1967.

PUBLICIDADE

Depois de uma semana de turnê pela Arábia Saudita, Abdullah me convidou para ir à sua fazenda de cavalos nos arredores de Riad, juntamente com meu anfitrião, Adel al-Jubeir, na época porta-voz da embaixada saudita em Washington e, posteriormente, ministro das Relações Exteriores. Depois de um jantar com bufê de pratos árabes e com a presença de muitos príncipes e homens de negócios, por volta da meia-noite, Abdullah convidou Adel e eu para voltarmos ao seu escritório.

Comecei pedindo a Abdullah que considerasse minha ideia, então radical, de minha coluna, de fazer com que toda a Liga Árabe oferecesse a Israel paz total em troca da retirada total, para começar a se recuperar após o 11/9. Ele olhou para mim com um ar de espanto e disse: “Você invadiu minha mesa?”.

“Não”, disse eu, imaginando do que ele estava falando.

Publicidade

“O motivo da minha pergunta”, explicou ele, “é que essa é exatamente a ideia que eu tinha em mente - a retirada total de todos os territórios ocupados, de acordo com as resoluções da ONU, inclusive em Jerusalém, para a normalização total das relações. Esbocei um discurso nesse sentido. Minha ideia era apresentá-lo antes da cúpula árabe e tentar mobilizar todo o mundo árabe para apoiá-lo. O discurso foi escrito e está em minha mesa. Mas mudei de ideia quanto a apresentá-lo” após a recente repressão israelense na Cisjordânia pelo primeiro-ministro Ariel Sharon.

Conversamos sobre essa ideia até cerca de 3 horas da manhã, quando me levantei e disse algo como: “Sua Alteza, o senhor precisa tirar essa ideia da sua mesa e compartilhá-la publicamente”.

“Eu lhe digo”, disse o príncipe herdeiro, “se eu pegasse o telefone agora e pedisse a alguém para ler o discurso, você o encontraria praticamente idêntico ao que você está falando. Eu queria encontrar uma maneira de deixar claro para o povo israelense que os árabes não os rejeitam nem os desprezam. Mas o povo árabe rejeita o que sua liderança está fazendo agora com os palestinos, o que é desumano e opressivo. E pensei nisso como um possível sinal para o povo israelense”.

Ele concluiu: “Deixe-me dizer a você que o discurso está escrito e ainda está na minha gaveta”.

Então, eu contra-argumentei com a seguinte ideia: “Deixe-me escrever sua proposta como uma entrevista gravada”.

Com Adel traduzindo, Abdullah respondeu: “Não, você apenas diz que isso é algo em que estou pensando”.

Eu disse: “Não, acho que você deve dizer”.

Publicidade

Ele disse: “Não, você deve dizer.”

Eu disse: “Não, você deve dizer”.

Por fim, ele concordou em pensar sobre o assunto.

No meio da manhã do dia seguinte, Adel ligou para dizer: “Vá em frente”.

Eu sabia que isso estava sendo feito, em parte, para desviar a atenção do 11 de setembro, no qual 15 dos 19 sequestradores eram sauditas. Mas eu achava que isso poderia realmente mudar as coisas. Naquele domingo, publicamos as palavras de Abdullah em uma coluna com o título “Um sinal intrigante do príncipe herdeiro saudita”.

O mundo árabe e Israel ficaram em polvorosa com a notícia, e os líderes árabes rapidamente decidiram que esse seria o assunto da próxima reunião de cúpula da Liga Árabe em Beirute.

Em 27 e 28 de março, praticamente todos os líderes árabes se reuniram na capital libanesa. Trabalhando com base na proposta básica de Abdullah, eles acrescentaram várias outras condições sobre o direito de retorno dos refugiados e, em 28 de março, aprovaram o que ficou conhecido como a Iniciativa de Paz Árabe, oferecendo “relações normais” entre os estados árabes e Israel em troca da retirada israelense de todos os territórios de volta às linhas de 4 de junho de 1967.

Publicidade

Essa foi a primeira e continua sendo a única proposta de paz árabe abrangente para Israel aprovada pela Liga Árabe, incluindo até mesmo a Síria.

Sinceramente, pensei que esse poderia ser o início do fim do conflito. Mas ela nunca foi a lugar algum. Nem os israelenses nem o governo Bush realmente aproveitaram o momento. Como Israel não aproveitou o momento?

Bem, muito teve a ver com o que aconteceu em Israel na noite de 27 de março, logo após a abertura da cúpula da Liga Árabe. Vou deixar que a CNN conte a vocês as notícias daquela noite:

Netanya, Israel - Um homem-bomba matou pelo menos 19 pessoas e feriu 172 em um hotel popular à beira-mar na quarta-feira, início do feriado religioso judaico da Páscoa. Pelo menos 48 dos feridos foram descritos como “gravemente feridos”. O atentado ocorreu em uma sala de jantar lotada no Park Hotel, um resort costeiro, durante a tradicional refeição que marca o início da Páscoa. ... O grupo palestino Hamas, um grupo fundamentalista islâmico classificado como uma organização terrorista pelo Departamento de Estado dos EUA, reivindicou a responsabilidade pelo ataque.

Sim, foi assim que o Hamas recebeu a primeira iniciativa de paz pan-árabe que pedia a retirada total de Israel para as linhas de 1967 e a criação de um Estado palestino ao lado de Israel. Israel reagiu ao ataque terrorista do Hamas cercando Yasir Arafat em seu escritório em Ramallah, e a partir daí tudo foi por água abaixo.

O Hamas é um inimigo de longa data da reconciliação, o que o torna um inimigo do povo palestino tanto quanto de Israel

O Hamas é um inimigo de longa data da reconciliação, o que o torna, na minha opinião, um inimigo do povo palestino tanto quanto de Israel. O ataque que o Hamas lançou contra Israel em 7 de outubro não foi um grito de paz de uma organização que não tinha outras opções. Foi um adiantamento brutal para a destruição de Israel.

Um dos motivos pelos quais o Hamas é tão forte hoje é que Netanyahu fez tudo o que pôde na última década e meia para minar a Autoridade Palestina, que foi criada como parte dos acordos de Oslo, governa as áreas povoadas por palestinos na Cisjordânia e coopera com os serviços de segurança israelenses. Ao mesmo tempo, nos últimos anos, Netanyahu fortaleceu deliberadamente o Hamas, que controla Gaza desde que expulsou a Autoridade Palestina em 2007. Isso ocorre porque ele e o Hamas compartilham o mesmo objetivo: enfraquecer a Autoridade Palestina e impedir uma solução de dois Estados.

Publicidade

Aluf Benn, editor do Haaretz, conta a história toda em dois parágrafos em um ensaio recente na Foreign Affairs: Desde que Netanyahu retornou ao cargo em 2009, sua estratégia tem sido argumentar que Israel “poderia prosperar como um país de estilo ocidental - e até mesmo alcançar o mundo árabe em geral - enquanto deixava de lado os palestinos. A chave era dividir e conquistar. Na Cisjordânia, Netanyahu manteve a cooperação de segurança com a Autoridade Palestina, que se tornou a subcontratada de fato de Israel para o policiamento e os serviços sociais, e incentivou o Catar a financiar o governo do Hamas em Gaza”.

Benn então nos lembra de outra cena importante, em que Netanyahu disse à bancada parlamentar de seu partido em 2019 que essa era uma estratégia deliberada: “Quem se opõe a um Estado palestino”, disse Netanyahu, “deve apoiar a entrega de fundos a Gaza porque manter a separação entre a AP na Cisjordânia e o Hamas em Gaza impedirá o estabelecimento de um Estado palestino”.

Portanto, perdoe-me se eu tiver uma visão muito sombria das intenções de Netanyahu no que diz respeito a dois Estados também.

Benjamin Netanyahu é o primeiro-ministro de Israel Foto: Gil Cohen-Magen/Reuters - 5/2/2024

Infelizmente, quanto mais a guerra em Gaza se prolonga, mais as opiniões do Hamas e de Netanyahu estão infectando sociedades inteiras. Cada vez mais palestinos e seus apoiadores no Ocidente estão adotando a visão de que todo o território de Israel é um empreendimento colonial de colonos que deve ser destruído do rio ao mar, e cada vez mais israelenses se recusam a sequer contemplar qualquer Estado palestino em suas fronteiras.

É por isso que não fiquei surpreso outro dia ao ouvir o presidente Biden lamentar na Casa Branca que a conduta de Israel na Faixa de Gaza “tem sido exagerada” e que “isso tem que parar”. Ao ouvir Biden, porém, percebi que ele parecia mais um colunista do que um presidente - um observador, não alguém com o poder de mudar as coisas.

Não podemos permitir que essa atitude crie raízes. E há apenas dois líderes com o poder de redirecionar completamente essa história neste momento: O presidente Biden e o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman.

Para ambos, eu digo: Terminem o trabalho que seus antecessores começaram.

Publicidade

Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken (esq.), encontra-se com o príncipe saudita, Mohammed Bin Salman, em Riad, em 5 de fevereiro de 2024 Foto: Agência de Imprensa Saudita via Reuters

MBS, se quiser derrotar Netanyahu e o Hamas, você precisa continuar de onde seu tio Abdullah parou. Precisa declarar que está pronto para ir a Jerusalém, primeiro para rezar na Mesquita de Al Aqsa e depois para falar com o povo israelense no pódio do Knesset, a fim de dizer-lhes diretamente: Se vocês embarcarem em um caminho de dois Estados para dois povos, a Arábia Saudita normalizará as relações com Israel e reconhecerá Jerusalém Ocidental como sua capital - desde que Israel reconheça Jerusalém Oriental Árabe como a capital da Palestina. Você também pode prometer que a Arábia Saudita apoiará a reconstrução de Gaza.

Em 1979, o presidente Anwar el-Sadat, do Egito, tomou uma medida semelhante, que consagrou seu lugar na história como um dos maiores líderes do século 20. MBS, se você for corajoso ao ir a Jerusalém, a aliança de segurança entre os EUA e a Arábia Saudita deve ser facilmente aprovada pelo Congresso e se tornar a pedra fundamental de uma aliança regional contra o Irã e seu eixo de Estados falidos e agentes que estão sugando a vida do Iêmen, da Síria, do Iraque e do Líbano.

E Joe Biden precisa continuar de onde Bill Clinton parou.

Em 23 de dezembro de 2000, o presidente Clinton apresentou uma cesta de ideias chamada de “parâmetros Clinton”, detalhando como acabar com o conflito israelense-palestino. Eles se baseiam no princípio de dois Estados-nação para dois povos. Infelizmente, Clinton não chegou a ver o trabalho concluído e acrescentou na época: “Eu levei isso o mais longe que pude”.

Seu trabalho agora, Joe, é levar essas ideias adiante para forjar dois Estados para dois povos em uma única terra. Este é o seu momento de tomar medidas ousadas que sinalizarão para israelenses e palestinos, para o Oriente Médio e para o mundo: Os Estados Unidos estão levando a sério a solução de dois Estados. Como Netanyahu não negociará um Estado palestino, você pode reconhecer a Autoridade Palestina como um Estado unilateralmente.

A solução de dois Estados é talvez a única maneira de garantir de forma sustentável que ataques nunca mais aconteçam

Como o veterano do processo de paz israelense Gidi Grinstein, coautor de “(In)Sights: Peace Making in the Oslo Process Thirty Years and Counting”, acaba de escrever no The Times of Israel: “Transformar a AP em um Estado poderia transformar o colapso das relações entre israelenses e palestinos em um avanço rumo à coexistência pacífica.”

Portanto, deixe-me terminar onde comecei: Entendo perfeitamente por que os israelenses, que todos os dias são atacados pelo Hamas, Hezbollah e Houthis, não querem discutir uma solução de dois Estados com os palestinos neste momento. Mas imaginar esse futuro, se puder ser feito corretamente, não é uma recompensa pelo que o Hamas fez em 7 de outubro. É uma maneira (talvez a única) de garantir de forma sustentável que isso nunca mais aconteça.

Publicidade

E com Gaza envolvida em conflitos e a Cisjordânia em ebulição, sei que os palestinos não podem convocar uma convenção constitucional. Mas, na medida em que a Autoridade Palestina em Ramallah puder realizar reformas que aumentem visivelmente sua eficácia e credibilidade como parceira de paz, a recompensa poderá ser enorme. Quando as armas se calarem em Gaza, talvez estejamos diante da melhor oportunidade para uma solução de dois Estados desde o colapso de Oslo.

Também pode ser a última.

Opinião por Thomas Friedman

É ganhador do Pullitzer e colunista do NYT. Especialista em relações internacionais, escreveu 'De Beirute a Jerusalém'

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.