Policiais atiram 96 vezes em 41 segundos contra homem negro em abordagem nos EUA; veja vídeo

Dexter Reed, de 26 anos, foi parado por cinco agentes à paisana em Chicago, no dia 21 de março, que não se identificaram como autoridades; policiais alegaram que ele iniciou o tiroteio

PUBLICIDADE

Por Corey Williams (Associated Press)
Atualização:

ASSOCIATED PRESS — Policiais à paisana de Chicago, nos Estados Unidos, dispararam 96 vezes, em 41 segundos, contra um homem negro durante uma abordagem de trânsito, de acordo com imagens da câmera corporal do agente divulgadas pelas polícia na terça-feira, 9, sobre um caso que ocorreu em 21 de março. Os policiais afirmam que o motorista atirou primeiro.

PUBLICIDADE

A divulgação do vídeo levou a uma nova onda de críticas à abordagem policial nos EUA, e também a pedidos pelo fim da chamada Unidade Tática na cidade de Chicago — um grupo de policiais que circula em bairros mais violentos à paisana, para flagrar crimes e impedir a ação de bandidos, mas que se notabilizou por abordagens violentas nos últimos anos.

Cinco policiais de uma unidade tática que estavam em um carro policial não identificado no mês passado cercaram uma SUV dirigida por Dexter Reed, supostamente porque ele não estava usando cinto de segurança. Os policiais pedem várias vezes para Dexter descer do carro, e ele não o faz. O vídeo mostra o homem de 26 anos baixando brevemente a janela e depois levantando-a, recusando-se a sair do veículo, enquanto mais policiais se aproximam, gritam e sacam armas.

O Escritório Civil de Responsabilidade Policial disse que uma “evidência preliminar” mostra que Reed atirou primeiro, ferindo um agente na vizinhança de Humboldt Park, no oeste de Chicago. Quatro policiais, então, abrem fogo, atirando 96 vezes. Os tiros continuaram mesmo depois que “Reed saiu de seu veículo e caiu no chão”, disse o escritório ao publicar as imagens da câmera corporal usada pelos agentes.

O vídeo, divulgado apenas nesta semana, fornece uma perspectiva mais clara do que a polícia havia declarado no mês passado. O superintendente Larry Snelling inicialmente disse que o tiroteio do dia 21 de março começou com uma blitz policial e descreveu como uma “troca de tiros”.

Membros da família de Reed questionaram o relato das autoridades, buscando por respostas dos motivos dele ter sido parado pela polícia. Andrew Stroth, um advogado da família, disse que a mãe, a irmã e o tio de Reed viram o vídeo e ficaram perturbardos. Ele disse que se lembram do jovem como um talentoso jogador de basquete, com ambições de ser locutor esportivo.

Foto de 2019 fornecida pela família mostra Dexter Reed, no centro, com sua mãe Nicole e irmã Porscha. Ele morreu no dia 21 de março depois que policiais atiraram contra ele em uma blitz de trânsito. Foto: Porscha Banks via AP

“Eu realmente não consigo explicar a dor que eu e minha família estamos passando, mas só espero que tenha pessoas por aí que entendam que ele era um filho, um irmão, um tio, ele tinha entes queridos,” A irmã de Reed, Porscha Banks, disse aos repórteres. “Ele era alguém muito importante.”

Publicidade

Stroth chamou de inconstitucional a abordagem policial à paisana, porque os oficiais não anunciaram que eram policiais. Ele disse que a família deseja uma investigação policial rápida e que o departamento cumpra melhor um plano de reforma supervisionado pelo tribunal. Nada vai trazer Dexter de volta, mas certamente devem ser feitos esforços para garantir que isso não aconteça com outra família”, disse ele.

Tiroteiro como ‘a guerra do Vietnã’

Na terça-feira, o porta-voz da polícia, Thomas Ahern, disse que o departamento estava colaborando com a investigação. “Nós não podemos tomar uma decisão sobre esse tiroteio até que todos os fatos sejam conhecidos e que a investigação seja concluída”, disse. As imagens divulgadas são das câmedras de vários policiais, incluindo a do policial que foi atingido. Mas não há gravações claras de Reed atirando. Uma arma foi posteriormente recolhida no carro dele.

A unidade tática chega ao local com vários policiais gritando comandos para Reed primeiro abaixar a janela e depois abrir a porta. Os tiros começam. A gravação de um homem que ligou para o serviço de emergência mostra ele descrevendo o caso como “um tiroteiro como se eles estivessem na Guerra do Vietnã”.

Reed sai do veículo e cai no chão, ficando de bruços com a cabeça perto da roda traseira do passageiro e usando apenas um calçado. O sangue escorre para uma sarjeta próxima. Imagens do carro mostram dezenas de buracos de bala. O outro sapato fica do lado de fora da porta do motorista.

”Não se mexa! Não se mexa!” os policiais gritam para Reed, levantando as mãos com sangue em busca de uma arma, mas sem encontrar algum. Eles o algemam enquanto ele permanece de bruços e imóvel.

“Eu não sei onde a arma está”, disse um policial. Eles posteriormente usam uma lanterna para procurar dentro do veóculo e encontram a arma no banco do passageiro. “Ele começou a atirar em nós”, outro oficial diz. Depois, mais policiais e uma ambulância chegam ao local. “Todos nós estávamos atirando”, diz um policial repetidamente.

Investigações em curso

O prefeito de Chicago, Brandon Johnson, prometeu uma investigação completa , dizendo que a divulgação do vídeo na terça-feira faz parte de esforços para serem mais transparentes. “As tentativas de reter ou atrasar informações são erros do passado”, disse ele em entrevista coletiva com o Escritório Civil de Responsabilidade Policial e o gabinete do procurador do estado do condado de Cook.

Publicidade

“Como prefeito e como pai, criando uma família, incluindo dois meninos negros no West Side de Chicago, estou pessoalmente arrasado ao ver mais um jovem negro perder a vida durante uma interação com a polícia.”

Cercada por familiares e advogados, a mãe de Reed, Nicole Banks, fala com a imprensa após a divulgação do vídeo da abordagem policial que matou seu filho.  Foto: Ashlee Rezin/Chicago Sun-Times via AP

Johnson ainda declarou que a a cidade não tolera tiroteios contra policiais e observou que o oficial ferido, também negro, sofreu uma lesão no pulso, mas poderia ter sido muito pior. Se a bala tivesse ido alguns centímetros em outra direção, Johnson disse que ele estaria “falando sobre a morte de outro homem negro”.

Os cinco agentes foram submetidos a uma licença administrativa de 30 dias durante as investigações. A procuradora do Estado, Kim Foxx, disse que seu escritório determinará se o uso da força pelos policiais foi justificado ou se exigia acusações criminais. “Deixe-me garantir que nossa busca por justiça será implacável, guiada pelos fatos, fundamentada em evidências e na lei”, disse ela.

O escritório do legista do condado de Cook classificou a morte de Reed como homicídio e relatou que ele morreu de “múltiplos” ferimentos a tiros. O Escritório Civil de Responsabilidade Policial foi criado em 2016 depois que a cidade foi forçada a divulgar um vídeo da câmera do painel de um carro de polícia mostrando o então policial Jason Van Dyke atirando em Laquan McDonald, de 17 anos, contradizendo o relato dos policiais de que o adolescente havia avançado contra a polícia com uma faca. Suas responsabilidades incluem investigações de tiroteios pela polícia.

O departamento de polícia está sob um decreto de consentimento desde 2019, emitido após o Departamento de Justiça dos Estados Unidos encontrar uma longa história de preconceito racial e uso excessivo de força após a morte de McDonald. A equipe de monitoramento independente encarregada da conformidade do departamento repetidamente constatou que ele está ficando para trás nos prazos e objetivos específicos e, no ano passado, pediu a Snelling, como superintendente entrante, para “abordar os desafios que têm atrasado desproporcionalmente o progresso”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.