PUBLICIDADE

Xi Jinping alertou Putin contra o uso de armas nucleares na Ucrânia, diz jornal

Líder chinês fez alerta durante a visita feita a Moscou e deixou claro preocupações da China com a guerra, afirma reportagem do Financial Times

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O líder chinês Xi Jinping alertou pessoalmente o presidente russo Vladimir Putin contra o uso de armas nucleares na Ucrânia, de acordo com reportagem do jornal nipo-britânico Financial Times. O alerta de Xi aconteceu durante a visita feita a Moscou em março e indicou as preocupações da China com a Rússia na guerra na Ucrânia, apesar da relação próxima que possuem.

PUBLICIDADE

Segundo autoridades chinesas e ocidentais ouvidas pelo FT, desde então a China assumiu o crédito por convencer Putin a desistir das ameaças veladas de usar armas nucleares contra a Ucrânia. Um assessor do alto escalão do governo chinês afirmou ao jornal que essa dissuasão tem sido fundamental para a campanha da China de reparar seus laços com a Europa.

A invasão da Rússia na Ucrânia em 2022 fragilizou a relação da China com as nações do continente europeu devido à relutância chinesa de adotar a posição do Ocidente e as sanções contra a Rússia.

Encontro dos líderes chinês, Xi Jinping, e russo, Vladimir Putin, em março deste ano em Moscou. Xi teria alertado Putin em encontro contra o uso de armas nucleares na guerra Foto: Grigory Sysoyev/Sputnik/via AP

Publicamente, a China sempre se opôs ao uso de armas nucleares na Ucrânia. Mas muitos dos apoiadores de Kiev duvidaram do compromisso de Pequim, dada a aproximação recente com Moscou e um plano de paz que, na visão do governo ucraniano, privilegia os interesses russos. Antes da guerra, Xi e Putin afirmaram ter uma “parceria sem limites”.

A advertência de Xi, no entanto, aumentou a crença de Kiev e dos países aliados da Otan de que a China reitera suas posições públicas em reuniões privadas. Dado o nível de dependência atual que a Rússia possui de Pequim, as consequências de descumprir o alerta podem ser ameaçadoras para a economia do país. “Os chineses estão recebendo o crédito por enviar a mensagem em todos os níveis”, disse um alto funcionário do governo dos EUA ao Financial Times.

Josep Borrell, chefe de política externa da União Europeia, disse em março que a visita de Xi a Moscou “reduz o risco de guerra nuclear e eles [os chineses] deixaram isso muito, muito claro”.

O Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário do FT. Entretanto, segundo o jornal, um ex-funcionário do governo chinês confirmou que Xi disse pessoalmente a Putin para não usar armas nucleares, observando. A posição da China contra o uso dessa arma foi incluída em seu documento de posição sobre a paz na Ucrânia.

Publicidade

O Kremlin também não respondeu imediatamente a um pedido de comentário, disse o Financial Times.

Autoridades ouvidas pelo jornal ainda afirmaram que o presidente russo ficou desapontado após a visita de Xi por não ter obtido nenhuma vitória concreta, como financiamento em infraestrutura. A condenação do uso de armas nucleares no comunicado da visita foi em grande medida a pedido da China, acrescentaram.

Se a Rússia usasse armas nucleares na Ucrânia, a China seria fortemente prejudicada, avaliou uma autoridade ao FT. Pequim tem ajudado Moscou a lidar com as sanções econômicas que isolaram o país após a guerra na Ucrânia e recebido críticas do Ocidente por isso. No ano passado, o comércio bilateral entre os dois países atingiu um recorde de US$ 190 bilhões (R$ 922 bilhões, na cotação atual) e aumentou o uso do yuan, a moeda chinesa.

Pequim também se absteve de criticar a Rússia abertamente pela invasão e acusou o Ocidente de alimentar o conflito ao fornecer armas à Ucrânia.

Este ano, o governo chinês começou os esforços de paz no conflito e se reuniu com autoridades ocidentais, de Kiev e de Moscou para tratar o assunto, visto com ceticismo pela Otan. O sucesso ou fracasso das incursões chinesas na questão da Ucrânia pode ser crucial para a relação futura da China com o Ocidente e na competição hegemônica com os Estados Unidos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.