PUBLICIDADE

Em ‘Round 6: O Desafio’, as mortes são falsas, mas o dinheiro é real

Um novo reality show de competição baseado no violento sucesso coreano apresenta 456 jogadores disputando um prêmio de US$ 4,56 milhões.

Por Christopher Kuo

THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE - A jogadora 450, vestida com um agasalho verde e branco, avançou, correndo para alcançar a linha de chegada. De repente, a cabeça de um boneco gigantesco girou e ela congelou, mas já era tarde demais. Ela caiu no chão.

Em 'Round 6 - O Desafio', reality da Netflix, participantes competem nas mesmas provas da série coreana - com a vantagem de que a eliminação só manda para a casa e não para o cemitério Foto: Pete Dadds/Netflix

PUBLICIDADE

Aqueles que assistiram ao thriller de TV Round 6 se lembrarão do banho de sangue de “Batatinha Frita 1, 2, 3...”, no qual os jogadores tinham que correr por uma sala e parar de se mover toda vez que a cabeça de um boneco se virasse, ou seriam mortos a tiros.

Mas nessa versão do jogo, não era sangue que estava encharcando a camisa do Jogador 450 - era tinta preta de um saquinho embaixo de sua camiseta. Pouco tempo depois de cair no chão, a Jogadora 450 se levantava, decepcionada, mas ilesa.

Ela e 455 outros participantes estavam competindo por um prêmio de US$ 4,56 milhões como parte do Round 6: O Desafio, um reality show da Netflix que recria os jogos diabólicos do drama coreano de sucesso do streamer, incluindo o concurso de doces dalgona, o desafio da ponte de vidro e o jogo de bolinhas de gude. Quando a Netflix abriu sua chamada de elenco em 2022, mais de 80.000 pessoas se candidataram para participar.

À medida que seus números diminuem, os jogadores forjam alianças e quebram promessas, fazendo manobras maquiavélicas para evitar a eliminação e ganhar vantagem na busca pelo prêmio em dinheiro.

“Queríamos que o programa revelasse, assim como o drama revelou, um estudo da natureza humana sob pressão e do que as pessoas realmente são feitas”, disse John Hay, um dos produtores executivos do programa, em uma entrevista. O programa, filmado na Inglaterra, é coproduzido pela Garden e pelo Studio Lambert.

Carta marcada?

Ao contrário do drama original, os produtores desse programa dizem que não sabiam de antemão quem seria o vencedor. No início deste ano, alguns ex-jogadores disseram à Rolling Stone que os jogos eram manipulados, alegando que alguns jogadores eram pré-selecionados para avançar para as próximas rodadas.

Publicidade

Em uma declaração ao The New York Times, a Netflix negou que isso tenha acontecido. “Todas as eliminações da série foram aprovadas por nossos juízes independentes, que estavam no set o tempo todo para garantir a imparcialidade de todos os jogos”, disse um porta-voz.

Em uma entrevista, os produtores executivos disseram que compilaram uma enorme quantidade de filmagens de todos os participantes no início dos jogos, o que lhes permitiu editar o programa para se concentrar nos participantes que sobreviveram até as fases posteriores.

Para complementar os jogos, os produtores também introduziram uma série de “testes de caráter”: minidesafios nos quais os participantes são forçados a fazer escolhas difíceis. Logo no início, dois participantes recebem a opção de eliminar um jogador ou dar a outro jogador uma vantagem para o próximo jogo. Em um teste diferente, um homem recebe uma ligação telefônica e é informado de que tem dois minutos para convencer outro jogador a tirar o telefone dele e ser eliminado.

“O drama tem tudo a ver com as alianças e os grupos que as pessoas formam”, disse Stephen Lambert, produtor executivo. “Precisávamos encontrar maneiras de criar desafios para as pessoas que jogassem com seu senso de lealdade e confiança.”

Participante de 'Round 6 - O Desafio', reality da Netflix, participa da prova de dalgona. Foto: Netflix/Divulgação

Produção desafiadora

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A recriação dos jogos exigiu uma engenharia complexa e uma atenção científica aos detalhes. Para reencenar o jogo dalgona, no qual os participantes tinham que extrair parte de um doce sem quebrá-lo, os designers do programa passaram meses testando várias receitas de biscoitos para encontrar uma que acomodasse as alergias dos participantes sem ser muito mole ou muito quebradiça.

A reencenação de “Batatinha Frita 1, 2, 3...” também apresentou desafios. Para projetar a boneca, que tem mais de 3 metros de altura, os designers do programa solicitaram as dimensões exatas a Hwang Dong-hyuk, o diretor do drama original.

Em seguida, eles colocaram os desenhos na maior impressora 3D do Reino Unido e a deixaram funcionando por um mês para fabricar os componentes da boneca, disse o principal designer de produção, Mathieu Weekes. A tarefa mais difícil foi projetar uma cabeça enorme que pudesse girar com rapidez suficiente para eliminar os competidores sem sair voando do corpo da boneca no processo, disse Ben Norman, o principal designer de jogos. Quando o boneco ficou pronto, os participantes foram levados a um gigantesco hangar de dirigíveis em Cardington, ao norte de Londres, para jogar o jogo.

Publicidade

Ex-participantes disseram à Variety e à Rolling Stone no início deste ano que foram forçados a jogar o jogo em temperaturas frias, o que fez com que alguns jogadores recebessem atendimento médico, uma alegação que a Netflix confirmou.

“No dia das filmagens de ‘Batatinha Frita 1, 2, 3...’, um pequeno número de pessoas foi atendido devido a condições médicas leves causadas pela temperatura fria, e uma pessoa foi atendida devido a uma lesão no ombro”, disse um porta-voz da Netflix. “Não houve outros problemas médicos com os participantes durante o restante dos jogos.”

Em 'Round 6 - O Desafio', os participantes eliminados não morrem, mas perdem a chance de ganhar pouco mais de 4,5 milhões de dólares. Foto: Netflix/Divulgação

O porta-voz acrescentou que os médicos estavam no set o tempo todo e que “todas as medidas apropriadas de saúde e segurança foram tomadas durante o período de filmagem”.

Um dos participantes, Bryton Constantin, 23 anos, disse em uma entrevista que se lembra das pessoas reclamando do frio, mas não se lembra de nenhum participante que tenha sofrido lesões graves por causa dele.

“Não nos inscrevemos para uma viagem à praia no Havaí”, disse ele. “Nós nos inscrevemos no Round 6 para ganhar US$ 4,56 milhões”.

Um porta-voz da Netflix não quis dizer se algum participante foi ou não compensado por seu sofrimento físico ou outras experiências desagradáveis no programa.

Após as filmagens de “Batatinha Frita 1, 2, 3...”, o programa foi transferido para estúdios no leste de Londres, onde os participantes moravam em um quarto grande com beliches em estilo dormitório, semelhante aos alojamentos da série original. Quando entravam nos estúdios, os poucos sortudos que sobreviviam até o fim não saíam de lá por 18 dias.

Publicidade

“Ninguém gosta de sentar em uma sala com outras 200 pessoas e comer uma comida ruim todos os dias”, disse Constantin. “Mas você está lá lutando porque todos estão lá exatamente pelo mesmo motivo.”

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.