PUBLICIDADE

Girafas podem ter o pescoço comprido para lutarem, não apenas para se alimentarem

Teorias evolutivas dizem que girafas desenvolveram sua altura para comer melhor, mas seus ancestrais podem ter ganhado a vantagem através de batalhas de cabeçadas

Por Jack Tamisiea
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE - Desde os dias de Charles Darwin, os longos pescoços das girafas têm sido um exemplo clássico de evolução. A teoria diz que, como os ancestrais das girafas competiam por comida, aqueles com pescoços mais longos foram capazes de alcançar folhas mais altas, conseguindo uma vantagem - ou pescoço - sobre animais menores.

Mas um parente pré-histórico bizarro da girafa revela que, além de se alimentar, a luta pode ter impulsionado a evolução precoce do pescoço. Em um estudo publicado na Science, uma equipe de paleontólogos descreveu o Discokeryx xiezhi, um ancestral da girafa, como tendo uma proteção semelhante a um capacete e vértebras volumosas no pescoço. O Discokeryx se adaptou para absorver e provocar colisões de quebrar o crânio para conquistar companheiros e derrotar rivais.

Construção artística de competições entre machos de girafóides, incluindo Discokeryx xiezhi, em primeiro plano, e a girafa moderna.  Foto: Wang Yu and Guo Xaiocong via The New York Times

PUBLICIDADE

“Isso mostra que a evolução da girafa não é apenas alongar o pescoço”, disse Jin Meng, paleontólogo do Museu Americano de História Natural e coautor do novo estudo. “O Discokeryx vai em uma direção totalmente diferente.”

Meng e seus colegas descobriram os fósseis em um afloramento de rocha no noroeste da China chamado Bacia de Junggar. Cerca de 17 milhões de anos atrás, essa área era uma extensão de savanas e florestas que abrigavam uma variedade de grandes mamíferos, como os amebelodontes, rinocerontes de chifres curtos e cães ursos corpulentos.

Enquanto explorava este leito de ossos em 1996, Meng tropeçou em um pedaço de crânio. Ele poderia dizer que era uma caixa craniana de mamífero, mas o topo estava achatado como uma prensa de ferro. Sem mais nada do esqueleto do animal, Meng e seus colegas se referiram a ele como a “fera estranha”.

Nos últimos anos, mais material fossilizado - como dentes e fragmentos de mandíbula - começaram a surgir na Bacia de Junggar, ajudando a identificar a fera. De acordo com Meng, tanto os dentes da criatura quanto a estrutura do ouvido interno lembravam as girafas modernas. Eles determinaram que o Discokeryx foi um dos primeiros Giraffidae, um grupo ancestral de mamíferos ungulados que deram origem às girafas. O Discokeryx provavelmente se assemelhava a um ocapi, um primo da floresta das girafas modernas.

Seu pescoço era longo, mas nada parecido com o de uma girafa moderna, e os pesquisadores ainda precisam identificar como as características anatômicas do animal se conectam com suas contrapartes hoje. Ainda assim, o Discokeryx se distinguiu por seu crânio bizarro. De acordo com Shi-Qi Wang, paleontólogo da Academia Chinesa de Ciências e outro autor do estudo, o osso em forma de pires que cobre a cabeça do animal provavelmente estava revestido de queratina. À medida que a queratina crescia, camadas mais velhas eram empurradas para fora, formando uma cúpula espessa. Isso fez com que o Discokeryx parecesse estar usando um capacete de bicicleta mal ajustado.

Publicidade

Sua tampa óssea estava ancorada em vértebras densas no pescoço do animal. Quando chegou a hora de bater cabeças, as vértebras se fecharam em uma coluna perpendicular à cúpula da cabeça, formando literalmente um aríete.

A cabeçada é uma forma antiga e difundida de resolução de conflitos. Dinossauros como o Paquicefalossauro tinham crânios robustos, e bater cabeças continua sendo comum em carneiros selvagens, camaleões e até baleias.

Mas os pesquisadores sugeriram que o Discokeryx era excepcionalmente adepto do combate de cabeças. A equipe escaneou e reconstruiu o crânio e o pescoço do Discokeryx em três dimensões. Eles então compararam com os modernos batedores de cabeça: bois almiscarados, ovelhas da montanha argali e ovelhas azuis do Himalaia. Usando modelos de computador, eles deduziram que o crânio do Discokeryx absorveu mais golpes e amorteceu melhor seu cérebro do que seus equivalentes modernos. Eles poderiam ter morrido sem isso - a equipe estimou que as colisões entre os Discokeryxes eram provavelmente duas vezes mais fortes que entre bois almiscarados, que se chocam a quase 40 km/h.

Uma reconstrução do crânio e vértebras de Discokeryx. Foto: Wang et al., Science via The New York Times

A série de articulações do pescoço interligadas ainda não foi descoberta em nenhum outro vertebrado, vivo ou morto, dando ao Discokeryx o equipamento de bater cabeça mais otimizado já descoberto, de acordo com os pesquisadores. “Este animal é um exemplo extremo do uso de cabeçadas como ferramenta de luta”, disse Meng.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Embora a biomecânica do novo fóssil seja interessante, o fato de eles se chocarem não é particularmente surpreendente, disse Nikos Solounias, paleontólogo do Instituto de Tecnologia de Nova York que estuda a evolução das girafas e não esteve envolvido no novo estudo. Praticamente todos os mamíferos ungulados modernos usam suas cabeças para brigar, incluindo as girafas modernas. Mas seu estilo de combate violento difere de como o Discokeryx duelava. As girafas “batem de lado com a cabeça e o pescoço”, em vez de baterem de frente, colidindo umas com as outras com seus ossudos ossicones semelhantes a chifres, disse Solounias.

Embora pareça que alguns dos primeiros parentes das girafas, como o Discokeryx, tenham sido construídos mais para lutar do que para se alimentar, eles ainda tinham uma dieta especializada. Embora não tenham conseguido chegar às copas das árvores, análises químicas dos dentes do Discokeryx revelaram que a girafa ancestral ocupava um nicho ecológico distinto.

Wang acredita que a propensão das girafas ancestrais para a luta acabou ajudando a alimentação em direção ao céu.

Publicidade

“À medida que os machos usavam seus pescoços para lutas cada vez mais ferozes e seus pescoços se tornavam cada vez mais longos, eles finalmente podiam alcançar as folhas mais altas”, ele disse. /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.