PUBLICIDADE

Maior primata da história pode ter sido extinto pela boca; entenda o que aconteceu com esse gigante

Fósseis revelam que o Gigantopithecus foi condenado por um ambiente em transformação e uma dieta restrita - o que liga sinais de alerta para um descendente dele

Por Jack Tamisiea

THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE - Com quase a mesma altura de uma cesta de basquete e o mesmo peso de um urso pardo, o Gigantopithecus blacki foi o maior macaco que já existiu. Por mais de um milhão de anos, durante o Pleistoceno, o Gigantopithecus vagou pelo sul da China. Mas quando os humanos antigos chegaram à região, o Gigantopithecus havia desaparecido.

Para determinar por que esses prodigiosos primatas morreram, uma equipe de cientistas analisou recentemente pistas preservadas em dentes de Gigantopithecus e sedimentos de cavernas.

As descobertas, publicadas no início de janeiro na revista Nature, revelam que esses macacos de quase três metros de altura provavelmente foram condenados por uma dieta especializada e pela incapacidade de se adaptar a um ambiente em constante mudança.

Reconstrução artística do Gigantopithecus blacki, um macaco que tinha três metros de altura e foi extinto entre 295 mil e 215 mil anos atrás Foto: Garcia/Joannes-Boyau, Southern Cross University via The New York Times

PUBLICIDADE

Os paleontólogos descobriram o Gigantopithecus pela primeira vez em meados da década de 1930 em um boticário de Hong Kong, onde os molares excepcionalmente grandes do macaco estavam sendo vendidos como “dentes de dragão”. O animal foi batizado em homenagem a Davidson Black, o cientista canadense que estudou o ancestral humano primitivo conhecido como homem de Pequim. Nas décadas seguintes, os cientistas descobriram cerca de 2 mil dentes de Gigantopithecus e um punhado de fósseis de mandíbulas em cavernas no sul da China.

A escassez de ossos fossilizados dificulta a reconstrução do Gigantopithecus; os paleoartistas retratam o macaco ancião como sendo parecido com um orangotango (o parente vivo mais próximo) cruzado com um gorila de costas prateadas, mas maior. No entanto, os dentes do grande macaco, que estão envoltos em uma espessa camada de esmalte, preservam uma grande quantidade de pistas sobre como esses enigmáticos primatas viviam e, possivelmente, por que morreram.

Yingqi Zhang, paleontólogo do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia, em Pequim, e um dos autores do novo artigo, estudou os fósseis de Gigantopithecus por mais de uma década. Para determinar o que os levou à extinção, Zhang precisava determinar exatamente quando o Gigantopithecus desapareceu. Ele se uniu a Kira Westaway, geocronologista da Universidade Macquarie, na Austrália.

“Estabelecer exatamente quando o Gigantopithecus sai do registro fóssil requer uma datação precisa - caso contrário, você estará procurando pistas da extinção dele nos lugares errados”, disse a Westaway.

Publicidade

A equipe coletou e datou material de 22 cavernas no sul da China. Para ajustar as idades dos fósseis e dos sedimentos das cavernas, os pesquisadores aplicaram seis técnicas de datação.

Eles também analisaram isótopos e pólen nas amostras para recriar como era o ambiente da região na época em que o Gigantopithecus desapareceu. Por fim, eles compararam os padrões de desgaste dos dentes grandes com os dentes fossilizados do Pongo weidenreichi, um orangotango extinto que viveu ao lado do Gigantopithecus.

O Gigantopithecus, segundo eles, foi extinto entre 295 mil e 215 mil anos atrás. Essas datas são muito mais recentes do que as estimativas anteriores e coincidem com um período dinâmico de mudanças ambientais.

As amostras de pólen revelaram que, antes dessa janela de extinção, o ambiente local era dominado por árvores sempre verdes que criavam florestas de dossel fechado. O Gigantopithecus parecia estar bem adaptado a esses ambientes. A análise de isótopos nos dentes do Gigantopithecus desse período revelou que os macacos estavam comendo plantas fibrosas, frutas e flores.

Equipe coletou e datou material de 22 cavernas no sul da China, algumas das quais eram difíceis de escalar para obter amostras e fazer escavações Foto: Kira Westaway/Macquarie University

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A partir de cerca de 600 mil anos atrás, o clima da região começou a mudar com as estações do ano, quando as florestas densas deram lugar a um mosaico de florestas abertas e pastagens. Isso levou a “períodos secos em que era difícil encontrar frutas”, disse Westaway.

Ao contrário dos antigos orangotangos, que se adaptaram comendo uma dieta diversificada de brotos, nozes, sementes e até insetos, o Gigantopithecus passou a usar alternativas menos nutritivas, como cascas e galhos. Os dentes desse período mostram sinais de estresse crônico.

À medida que o ambiente se tornava desfavorável, o tamanho do Gigantopithecus começou a trabalhar contra ele. Ao contrário dos orangotangos ágeis, que podiam percorrer distâncias maiores através das copas das árvores e em ambientes abertos para se alimentar, os Gigantopithecus terrestres provavelmente ficavam restritos a trechos cada vez menores de floresta.

Publicidade

De acordo com Sergio Almécija, paleoantropólogo do Museu Americano de História Natural, que não participou da nova pesquisa, o desaparecimento do Gigantopithecus revela que até mesmo os maiores animais são vulneráveis a se tornarem muito especializados.

“Esses macacos se tornaram tão especializados em viver em um ambiente específico que, quando esse ambiente muda, eles desaparecem”, disse ele.

Os orangotangos modernos estão enfrentando um destino semelhante ao de seus parentes gigantes. Enquanto os ancestrais conseguiram se adaptar a um ambiente em constante mudança, esses especialistas arbóreos estão ameaçados pelo desmatamento. “As florestas deles estão ficando cada vez menores e, a cada ano, temos cada vez menos orangotangos”, disse Almécija.

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.