PUBLICIDADE

Você é uma pessoa matinal? Talvez deva agradecer aos genes de Neanderthal

Um novo estudo sugere que preferir acordar mais cedo e fazer suas atividades ao longo do dia são uma herança genética desses hominídeos

Por Carl Zimmer
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE - Os neanderthais eram pessoas matinais, sugere um novo estudo. E alguns humanos de hoje que gostam de acordar cedo podem creditar os genes que herdaram de seus ancestrais neanderthais.

Um novo método de análise de genoma detectou sinais genéticos de neandertal em humanos, detalhando o cruzamento entre as duas espécies. A técnica usada será útil em outros estudos evolucionários com base em DNA antigos ou raros. Foto: Procy Ab-Fotolia/Divulgação

PUBLICIDADE

O novo estudo comparou o DNA de seres humanos vivos com o material genético recuperado de fósseis de Neanderthal. Descobriu-se que os neanderthais carregavam algumas das mesmas variantes genéticas relacionadas ao relógio das pessoas que se dizem matinais.

Desde a década de 1990, estudos do DNA neanderthal expuseram a história entrelaçada de nossa espécie. Há cerca de 700.000 anos, nossas linhagens se separaram, provavelmente na África. Enquanto os ancestrais dos humanos modernos permaneceram em grande parte na África, a linhagem de Neanderthal migrou para a Eurásia.

Há cerca de 400.000 anos, a população se dividiu em duas. Os hominídeos que se espalharam para o oeste se tornaram neanderthais. Seus primos do leste evoluíram para um grupo conhecido como Denisovans.

Os dois grupos viveram por centenas de milhares de anos, caçando e coletando plantas, antes de desaparecerem do registro fóssil há cerca de 40.000 anos. Até então, os humanos modernos haviam se expandido para fora da África, às vezes cruzando com neanderthais e denisovanos.

E hoje, fragmentos de seu DNA podem ser encontrados na maioria dos seres humanos vivos.

Pesquisas realizadas nos últimos anos por John Capra, geneticista da Universidade da Califórnia, em São Francisco, e outros cientistas sugeriram que alguns desses genes transmitiam uma vantagem de sobrevivência. Os genes imunológicos herdados dos neanderthais e denisovanos, por exemplo, podem tê-los protegido de novos patógenos que não haviam encontrado na África.

Publicidade

Capra e seus colegas ficaram intrigados ao descobrir que alguns dos genes dos Neanderthais e Denisovans que se tornaram mais comuns ao longo das gerações estavam relacionados ao sono. Em seu novo estudo, publicado na revista Genome Biology and Evolution, eles investigaram como esses genes podem ter influenciado os ritmos diários dos hominídeos extintos.

Dentro das células de todas as espécies de animais, centenas de proteínas reagem umas com as outras ao longo do dia, aumentando e diminuindo em um ciclo de 24 horas. Elas não apenas controlam quando dormimos e acordamos, mas também influenciam nosso apetite e metabolismo.

Para explorar os ritmos circadianos dos neanderthais e denisovanos, Capra e seus colegas analisaram 246 genes que ajudam a controlar o relógio biológico. Eles compararam as versões dos genes dos hominídeos extintos com as versões dos humanos modernos.

Os pesquisadores encontraram mais de 1.000 mutações que eram exclusivas apenas dos seres humanos vivos ou dos neanderthais e denisovanos. Sua análise revelou que muitas dessas mutações provavelmente tiveram efeitos importantes sobre como o relógio biológico funcionava. Os pesquisadores previram, por exemplo, que algumas proteínas do relógio biológico que são abundantes em nossas células eram muito mais escassas nas células dos Neanderthais e Denisovans.

PUBLICIDADE

Em seguida, os cientistas analisaram o pequeno número de variantes do relógio biológico que algumas pessoas vivas herdaram dos neanderthais e denisovanos. Para verificar os efeitos dessas variantes nas pessoas, eles examinaram o UK Biobank, um banco de dados britânico que contém os genomas de meio milhão de voluntários.

Juntamente com seu DNA, os voluntários forneceram respostas a uma longa lista de perguntas relacionadas à saúde, inclusive se eram madrugadores ou noturnos. Para a surpresa de Capra, quase todas as variantes antigas do relógio biológico aumentaram as chances de os voluntários serem pessoas matutinas.

“Esse foi realmente o momento mais empolgante do estudo, quando vimos isso”, disse Capra.

Publicidade

A geografia pode explicar por que os antigos hominídeos eram madrugadores. Os primeiros humanos viviam na África, bem perto do equador, onde a duração dos dias e das noites permanece praticamente a mesma ao longo do ano. Mas os neanderthais e os denisovanos se mudaram para latitudes mais altas, onde o dia se tornava mais longo no verão e mais curto no inverno. Ao longo de centenas de milhares de anos, seus relógios circadianos podem ter se adaptado ao novo ambiente.

Quando os humanos modernos se expandiram para fora da África, eles também enfrentaram o mesmo desafio de se adaptar a latitudes mais altas. Depois de cruzarem com os neanderthais e os denisovanos, alguns de seus descendentes herdaram genes de relógios corporais mais adequados a seus novos lares.

Todas essas conclusões, no entanto, resultam de um banco de dados limitado à população britânica. Capra está começando a analisar outros bancos de dados de voluntários com outras ascendências. Se os vínculos se mantiverem, Capra espera que os relógios corporais antigos possam inspirar algumas ideias sobre como podemos nos adaptar ao mundo moderno, onde os ritmos circadianos são interrompidos por turnos noturnos e smartphones brilhantes. Essas interrupções não apenas dificultam uma boa noite de sono, mas também podem aumentar o risco de câncer, obesidade e uma série de outros distúrbios.

Michael Dannemann, geneticista evolucionário da Universidade de Tartu, na Estônia, que não participou do novo estudo, disse que uma maneira de testar as variantes de Capra seria projetar várias células humanas em laboratório para que seus genes fossem mais parecidos com os dos neanderthais e denisovanos. Em seguida, os cientistas poderiam cultivar grupos de células e observá-las em seus ciclos diários.

“Esse passo adiante não apenas avança nosso conhecimento de como o DNA de Neanderthal influencia os humanos atuais”, disse ele, “mas também oferece um caminho para expandir nossa compreensão da própria biologia de Neanderthal”.

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.