‘Aqui não é lugar para política’: Google demite mais funcionários contrários a acordo com Israel

Total de desligados passa dos 50; CEO lembra contratados de que eles operam em um ambiente corporativo

PUBLICIDADE

Por Gerrit De Vynck (The Washington Post ) e Caroline O' Donovan (The Washington Post )
Atualização:

O Google demitiu cerca de 20 trabalhadores que, segundo a companhia, participaram de protestos contra o acordo de computação em nuvem da empresa com o governo de Israel. Agora, passam de 50 os cortes de trabalhadores demitidos na última semana por causa do tema, segundo o grupo ativista que representa os trabalhadores.

Um porta-voz do Google confirmou que havia demitido mais trabalhadores depois de continuar sua investigação sobre os protestos de 16 de abril, que incluíram manifestações nos escritórios do Google na cidade de Nova York e em Sunnyvale, Califórnia.

Sundar Pichai, CEO do Google, tenta manter funcionários longe de debates políticos no âmbito da empresa  Foto: Carlos Barria/Reuters

PUBLICIDADE

As demissões ocorreram dias depois que o CEO Sundar Pichai disse aos funcionários em comunicado interno que eles não deveriam usar a empresa como uma “plataforma pessoal” ou “lutar por questões inconvenientes ou debater política”.

“A corporação está tentando reprimir a dissidência, silenciar seus funcionários e reafirmar seu poder sobre eles”, diz Jane Chung, porta-voz da No Tech for Apartheid, um grupo que protesta contra os contratos do Google e da Amazon com o governo israelense desde 2021.

Os protestos no Google fazem parte de uma onda de oposição ao governo dos EUA e às empresas que trabalham com o governo e as forças armadas israelenses. Manifestantes pró-Palestina foram presos nos últimos dias nas universidades de Yale e Columbia, gerando acusações de exageros por parte dos funcionários das universidades e inspirando outra onda de manifestações em outras faculdades dos EUA. No dia anterior às manifestações no Google, ativistas bloquearam rodovias, pontes e entradas de aeroportos nos Estados Unidos para protestar contra a guerra em Gaza.

No Google, a situação se transformou em uma briga pública entre os gestores do Google e os funcionários demitidos. O Google afirma que cada funcionário demitido perturbou ativamente seus escritórios, enquanto os trabalhadores contestam as afirmações, dizendo que alguns dos demitidos nem sequer entraram no escritório da empresa no dia das manifestações coordenadas contra a empresa.

No passado, o Google já demitiu funcionários que criticaram publicamente a empresa, mas nunca demitiu tantas pessoas de uma só vez. Durante anos, o Google teve a reputação de ser a empresa mais livre e aberta entre as grandes empresas de tecnologia em termos de cultura de escritório e colaboração. A empresa celebrava uma cultura interna na qual os funcionários sabiam no que as outras equipes estavam trabalhando e eram incentivados a questionar as decisões dos líderes.

Publicidade

Em seu comunicado aos funcionários, Pichai disse que a abertura da empresa era um ponto forte, mas que se aplicava a tópicos de trabalho, não a política.

“Temos uma cultura de discussão vibrante e aberta que nos permite criar produtos incríveis e transformar grandes ideias em ação”, disse ele texto. “Mas, em última análise, somos um local de trabalho e nossas políticas e expectativas são claras: isto é um negócio.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.