Em breve, TikTok pode ter 'joguinhos' dentro do app

Empresa chinesa está testando inserir games na plataforma para usuários no Vietnã, em busca de aumentar o tempo de uso do app por dia

PUBLICIDADE

Por Agências
Atualização:
Com vídeos curtos, TikTok é a plataforma que acontecem dancinhas e outras "tendências" entre usuários Foto: Olivier Douliery/AFP

O TikTok está realizando testes no Vietnã para que os usuários possam jogar em seu aplicativo de vídeo curto, em uma iniciativa que faz parte de planos da companhia para ingressar no mercado de videogames, disseram quatro pessoas familiarizadas com o assunto.

PUBLICIDADE

A apresentação de jogos na plataforma de vídeos do TikTok aumentaria a receita de publicidade, bem como a quantidade de tempo que os usuários passam no aplicativo, que tem mais de 1 bilhão de usuários ativos mensais.

O TikTok, controlado pela chinesa ByteDance, também planeja lançar games de maneira mais ampla no sudeste asiático, disseram as fontes. Esse movimento pode ocorrer já no terceiro trimestre, disseram duas delas.

Um representante do TikTok disse que a empresa testou trazer jogos mais simples baseados em HTML5 para seu aplicativo por meio de parcerias com desenvolvedores terceiros e estúdios como Zynga. A empresa, porém, não se manifestou eventual interesse em aposta mais forte no mercado de videogames.

Nos Estados Unidos, apenas alguns jogos parecem ter sido lançados, incluindo o "Disco Loco 3D", da Zynga, um jogo de desafio de música e dança, e "Garden of Good", onde os jogadores cultivam vegetais para acionar doações do TikTok para a organização sem fins lucrativos Feeding America.

De acordo com duas fontes, o TikTok planeja se basear principalmente no conjunto de jogos da ByteDance. Os usuários do Douyin, a versão chinesa do TikTok, podem jogar na plataforma desde 2019.

Embora a empresa comece com minigames, as ambições vão além disso, disse uma das pessoas que tiveram conhecimento direto do assunto.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.