PUBLICIDADE

IA do Google promete identificar golpes telefônicos em tempo real; veja como funciona

A ferramenta é uma das ações comandadas pela Gemini Nano, que faz parte do novo Android 15

Por Vinícius Harfush

Entre as novidades apresentadas pelo Google durante o Google I/O 2024, que aconteceu na tarde desta terça-feira, 14, está uma função que promete reduzir o número de golpes aplicados em chamadas telefônicas. A empresa demonstrou uma nova ferramenta ligada à inteligência artificial (IA) Gemini Nano, desenvolvida pelo Google para o sistema operacional Android.

A ferramenta identifica em tempo real falas que pedem ações durante uma ligação feita por número desconhecido. Segundo o vice-presidente de engenharia do Android, Dave Burke, o recurso ainda está em fase de testes e não tem data para ser lançado.

No palco do evento, Burke fez uma simulação utilizando a IA. Nela, o executivo recebe uma chamada onde a pessoa do outro lado da linha se passa por um funcionário do banco e afirma que o usuário teve movimentações suspeitas em sua conta e solicita transferência de dinheiro para uma outra conta.

Executivo e vice-presidente de engenharia do Android, Dave Burke apresentou o recurso em desenvolvimento no palco do Google I/O 2024 Foto: Google/Reprodução

Ao identificar por áudio o conteúdo da chamada, a IA envia um aviso em texto para o aparelho alertando para a possibilidade de golpe. “Bancos nunca irão pedir para que mova seu dinheiro para outra conta para ficar mais seguro”, diz o anúncio disparado no smartphone.

PUBLICIDADE

Burke ressalta que os valores perdidos com fraudes e golpes ultrapassou US$ 1 trilhão em todo o mundo. O vice-presidente de engenharia diz que a intenção da ferramenta é tornar o sistema operacional do Android um aliado no combate às fraudes virtuais.

O Google I/O 2024 também anunciou novidades envolvendo o Gemini, IA generativa do Google, para ferramentas de áudio e vídeo e buscas avançadas na plataforma, além de novidades em aplicativos como o Gmail e o Google Photos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.