PUBLICIDADE

Projeto Kuiper: Como a Amazon pretende destronar a Starlink de Elon Musk

Duas maiores empresas do setor aeroespacial correm para ganhar terreno em um setor crítico para o futuro da internet no mundo

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

BLOOMBERG - Por uma ou duas horas angustiantes depois que a Amazon lançou seus primeiros satélites, parecia que a empresa poderia ter perdido um deles. Os dois protótipos entraram em órbita sobre o Oceano Atlântico às 14h24 (horário de Brasília) do dia 6 de outubro. Uma antena da Amazon na ilha de Mauritius, no Oceano Índico, fez contato com ambos, mas, durante uma transferência subsequente para outra estação, apenas um veículo fez o check-in. A Amazon escaneou o céu atrás do primeiro satélite em busca de um sinal do segundo, mas ouviu silêncio.

PUBLICIDADE

O incidente ameaçou acabar com o clima dos funcionários que se reuniram para comemorar o lançamento no Postdoc Brewing, não muito longe da operação espacial da Amazon na área de Seattle. A equipe havia passado anos construindo satélites do zero e suportado meses de atrasos no lançamento. Agora que eles estavam no ar, a Amazon precisava fazer contato para garantir que os painéis solares tivessem sido instalados. Caso contrário, as baterias se esgotariam e os satélites falhariam, o que seria um grande revés para a gigante do varejo e da computação em nuvem, que já era uma participante tardia na corrida para criar um negócio lucrativo de venda de acesso à Internet em órbita baixa da Terra.

Dentro do Centro de Operações de Missão da Amazon, uma sala de conferências repleta de grandes monitores de vídeo, computadores e caixas de bebidas energéticas, a chefe de operações de satélite Yonina DeKeyser e seus assistentes trabalhavam para juntar os fragmentos de dados que haviam coletado. Entre o terceiro e o quarto contatos, a equipe de orientação, navegação e controle tomou a decisão: o satélite desaparecido estava bem. As informações que chegavam só poderiam ter vindo de um par de espaçonaves saudáveis. Rajeev Badyal, o líder do projeto, gritou em triunfo.

Na cervejaria, um funcionário que olhava para o telefone interrompeu o barulho, erguendo os punhos cerrados enquanto gritava: “Estamos com energia positiva!” Seus colegas aplaudiram. Mais tarde, a equipe descobriria que algumas das antenas terrestres da Amazon estavam olhando para o lugar errado, confundindo o segundo satélite com o primeiro.

Os executivos da Amazon tendem a descrever seu empreendimento de satélite, o Projeto Kuiper, em termos filantrópicos, enfatizando seu potencial de conectar pessoas em áreas remotas ou empobrecidas com a educação e o comércio global. De forma menos altruísta, a Amazon também espera que o projeto de mais de US$ 10 bilhões possa transformá-la em uma gigante global das telecomunicações. A empresa planeja vender antenas de telhado para usuários individuais da internet, serviços de computação em nuvem e recuperação de dados para empresas e conectividade para empresas sem fio para conectar torres de celular remotas às suas redes, a partir de 2025.

Amazon criou subsdiária Projeto Kuiper para lançar satélites comerciais no espaço Foto: Amazon/Divulgação

O que é o Projeto Kuiper, da Amazon

O Projeto Kuiper está entre as maiores apostas da empresa sediada em Seattle, uma das poucas que sobreviveram a dois anos de uma iniciativa de corte de custos que eliminou muitos dos projetos especulativos iniciados no final do mandato de Jeff Bezos como CEO. É um empreendimento enorme em uma área que teve mais falências do que empresas bem-sucedidas. A banda larga já está amplamente disponível e, em muitos lugares onde não está, não está claro se as pessoas terão condições de pagar pela Internet espacial. Alguns observadores da Amazon veem o Projeto Kuiper como mais uma frente na rivalidade entre Bezos e o também bilionário Elon Musk, cuja SpaceX opera a constelação Starlink de satélites de Internet.

Empresário Jeff Bezos é o fundador da Amazon, companhia que abandonou em 2021 Foto: Gus Ruelas/Reuters - 6/9/2012

A Amazon está apostando que seu sistema é um avanço no estado da arte e pode oferecer a capacidade e as velocidades de internet para competir não apenas com a Starlink, que tem uma grande vantagem, mas também com as empresas de telecomunicações terrestres. No mínimo, a Amazon está criando uma alternativa ao serviço de Musk em um momento em que governos e empresas estão procurando maneiras de reduzir sua dependência do errático e controverso empresário.

Publicidade

Nos últimos dois meses, os engenheiros da Amazon submeteram seus primeiros satélites a uma bateria de testes. Eles fizeram uma chamada de vídeo, compraram um conjunto de foguetes de brinquedo na Amazon e testaram um sistema de lasers projetado para ampliar o alcance de cada satélite. Agora vem a parte realmente difícil. Para cumprir os termos de sua licença com os órgãos reguladores, a Amazon precisa construir - e encontrar uma carona para o espaço - o equivalente a dois satélites por dia, todos os dias, até julho de 2026.

“Construir dois satélites é muito difícil”, disse Badyal. “Construir mais de 3 mil é exponencialmente mais difícil.”

O Projeto Kuiper, batizado com o nome do cinturão de planetas anões, gelo e rocha além de Netuno, nasceu de um experimento mental, de acordo com Dave Limp, chefe de produtos eletrônicos de consumo da Amazon há muito tempo. Bezos pedia periodicamente aos executivos que ponderassem sobre obstáculos distantes que poderiam atrasar a empresa, um exercício que levou a Amazon a gastar bilhões em robôs de armazém e frotas de aeronaves, grandes plataformas e caminhões de entrega.

Se você quisesse crescer, teria que encontrar essas centenas de milhões de pessoas que atualmente não são clientes da Amazon. Qual é a restrição para levá-las até lá?

Dave Limp, chefe de produtos eletrônicos de consumo da Amazon

Há cerca de seis anos, os líderes da Amazon começaram a se concentrar na internet de banda larga. Sua variedade de negócios, incluindo sites de varejo, estúdios de cinema e software de negócios, dependem do acesso à Web. “Se você quisesse crescer, teria que encontrar essas centenas de milhões de pessoas que atualmente não são clientes da Amazon”, disse Limp em uma entrevista. “Bem, qual é a restrição para levá-las até lá?”

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Entre outras ideias, a Amazon explorou drones e balões de transmissão de Internet, abordagens experimentadas e abandonadas pelo Facebook, agora Meta Platforms Inc., e pelo Google, da Alphabet Inc. A Amazon decidiu fornecer a Internet a partir de satélites.

A ideia não era nova. Na década de 1990, não muito longe da garagem do subúrbio de Seattle onde Bezos fundou a Amazon, uma empresa chamada Teledesic se propôs a lançar uma constelação de centenas de satélites. Na época, a maioria dos satélites de comunicação ficava em uma órbita geoestacionária, que coincidia com a rotação da Terra, fixando cada nave no lugar a partir da perspectiva de alguém no solo. Esses satélites alimentam o sistema de posicionamento global, o rastreamento meteorológico e a navegação na Web durante o voo.

A Teledesic imaginou que os satélites em uma órbita muito mais baixa, domínio das estações espaciais, poderiam aproveitar a viagem mais curta até o solo para competir melhor com as empresas terrestres de telefonia e Internet. Apesar do apoio de Bill Gates, da Microsoft Corp., e do magnata da tecnologia sem fio Craig McCaw, a empresa fechou após a falência das empresas pontocom. Os foguetes eram caros, e o setor aeroespacial preferiu continuar fabricando satélites sob medida para os governos.

Publicidade

Cerca de uma década depois, Musk adotou a ideia e eliminou os intermediários. Sua empresa de foguetes, a Space Exploration Technologies Corp., estava reduzindo o custo de entrada em órbita e optou por construir satélites internamente. Musk contratou Badyal, o futuro chefe da Kuiper, para dar vida a isso.

Space X é a empresa aeroespacial criada por Elon Musk, que quer ver a Humanidade em Marte Foto: Mike Blake/Reuters

Badyal nasceu na Índia e passou a maior parte de sua infância no Kuwait, onde seu pai, arquiteto, estava trabalhando. Ele veio para os EUA para fazer faculdade, obtendo um mestrado em engenharia elétrica e de computação pela Oregon State University. Ele encontrou trabalho em um campus da Hewlett Packard nas proximidades, ajudando a projetar o cabeçote de impressão que transfere a tinta para a página em impressoras a jato de tinta. Mais tarde, trabalhou nos primeiros mouses ópticos, poupando as gerações futuras da tarefa de limpar uma bola de rastreamento suja, antes de ir para a Microsoft, onde ajudou a criar o malfadado player de música Zune da empresa.

Os rápidos avanços tecnológicos nos produtos eletrônicos de consumo possibilitaram que empresas de fora do setor aeroespacial construíssem satélites. Pessoas como Badyal, hábeis em lidar com mudanças rápidas de design e fabricação em massa, tinham as ferramentas certas para uma nova geração de satélites que poderiam ser construídos rapidamente e a baixo custo. Após ingressar no projeto Starlink em 2014, a Badyal se estabeleceu em Redmond, Washington. Os dois primeiros satélites foram lançados em um foguete da SpaceX quatro anos depois.

Em junho de 2018, Musk viajou para Seattle. Logo depois, Badyal e grande parte de sua equipe foram demitidos. Os colegas foram informados de que haviam sido demitidos. Badyal diz que ele e Musk simplesmente decidiram se separar. Musk colocou outro tenente no comando e ordenou que ele reduzisse o projeto ao mínimo necessário, em um esforço para colocar um sistema básico em operação o mais rápido possível. Hoje, a SpaceX diz que está construindo seis satélites por dia. Há mais de 5 mil em órbita, atendendo a mais de 2 milhões de clientes.

É uma máxima de Bezos que a Amazon só entra em novos campos quando tem experiência - ou pode adquiri-la rapidamente. A iniciativa de satélite da Amazon era um esboço de duas páginas quando Limp soube que a equipe fundadora da Starlink estava procurando trabalho. Ele ligou para Badyal em agosto de 2018.

Dois meses depois, Badyal e cinco colegas ex-alunos da Starlink estavam na Amazon, esboçando uma nova constelação em duas salas de conferência obscurecidas por uma cortina preta que os funcionários curiosos viam como um convite para entrar. “Era muito seguro”, disse Naveen Kachroo, um dos primeiros contratados. Quando o plano deles (3.236 satélites cruzando o globo a uma altitude entre 590 e 630 quilômetros) tornou-se público meses depois, Musk chamou Bezos de imitador no Twitter.

Os engenheiros da Amazon projetaram um terminal, o dispositivo que os clientes usarão algum dia para receber dados de satélites, que eles imaginavam poder fabricar por cerca de US$ 750. Bezos os mandou de volta à prancheta de desenho. Ele precisava ser ainda mais barato. O chefe de antenas da Amazon, Nima Mahanfar, e sua equipe combinaram algumas funções da antena, e a empresa diz que agora pode construir seu terminal principal, de 11 polegadas quadradas, por menos de US$ 400. Ele oferece velocidades de Internet de até 400 megabits por segundo, aproximadamente o dobro da velocidade média da banda larga nos lares dos EUA.

Publicidade

É preciso inovar em um ritmo muito mais rápido

Rajeev Badyal, engenheiro na Amazon

O Projeto Kuiper emprega mais de 1,6 mil pessoas, uma mistura de veteranos da eletrônica de consumo e especialistas aeroespaciais de carreira. DeKeyser, a chefe de operações de satélite, tem mestrado em engenharia aeronáutica e diz que acabar na Amazon teria sido algo inimaginável no início de sua carreira. A equipe é a rara organização dentro da Amazon dirigida principalmente por pessoas que vieram de outros lugares. O engenheiro-chefe de satélites Paul O’Brien, Kachroo e Mahanfar trabalharam no Zune da Microsoft.

“É preciso inovar em um ritmo muito mais rápido” do que na fabricação espacial tradicional, disse Badyal, um engenheiro de bigode e cabelos grisalhos, com uma voz grave e uma queda por coquetéis clássicos. Seu escritório na sede do Projeto Kuiper, em Redmond, em um prédio que já fabricou empilhadeiras, tem vista para um laboratório de pesquisa e desenvolvimento onde os engenheiros fabricam peças de alumínio personalizadas, montam placas de circuito e testam antenas em uma câmara cavernosa sem eco.

Há uma diferença real na filosofia de projeto entre a Kuiper e a Space X

Caleb Henry, da Quilty Space

Como funciona a tecnologia

Os satélites da Amazon combinam tecnologia de ponta - incluindo links ópticos de satélite, mais comumente chamados de lasers espaciais - com componentes simples e comprovados que limitam o custo ou o peso. “A Kuiper está projetando espaçonaves que são menos numerosas, maiores em tamanho e mais potentes” do que a primeira geração de veículos da SpaceX, disse Caleb Henry, que acompanha empresas espaciais do setor privado para a Quilty Space. “Há uma diferença real na filosofia de projeto entre os dois.”

Os satélites entrarão no espaço embalados dentro do nariz de um foguete e iniciarão sua primeira órbita em uma queda até que um sistema automatizado os reoriente em direção à Terra. A essa altura, os painéis solares, dobrados no lançamento, deverão ser implantados automaticamente, contando com uma tecnologia quase centenária: atuadores que aquecem um plugue de cera, que se expande para empurrar um parafuso que libera o conjunto.

Quando um cliente carrega um site, o terminal doméstico transmite um sinal para uma matriz circular de milhares de módulos de antena, que se parecem com pequenos Legos verdes de dois pontos. As antenas de gateway em forma de tigela encaminham a solicitação para as estações terrestres da Amazon, o canal para a Internet. Os dados de resposta são disparados de volta para cima e, em seguida, para baixo, para o terminal, a partir de um dos conjuntos de matrizes de peças de Lego.

Tudo isso acontece em milissegundos enquanto a nave acelera a 17.000 milhas por hora (27.359 kph). No momento em que o satélite desaparece de vista, outro deve estar sendo visto. Cada um tem seu próprio sistema de propulsão. Os amazonenses comparam a potência do propulsor a um bater de asas de libélula, que, disparado por horas no vácuo do espaço, pode superar a força da gravidade.

Em um determinado momento, a Amazon pretendia produzir os satélites por US$ 500 mil cada um e manter seu peso abaixo de 500 kg, de acordo com duas pessoas familiarizadas com o assunto. Não foi possível saber o tamanho e o peso dos próximos modelos de produção da Amazon. Com base nos veículos de lançamento da Amazon, a Quilty Space estima que os satélites Kuiper pesem entre 600 e 800 kg. Uma foto que a Amazon publicou de seus protótipos a caminho do lançamento mostrava cada um deles encerrado em uma caixa cúbica de aço com a altura aproximada de um ser humano.

Publicidade

Queremos atender empresas, governos, escolas, hospitais, operadoras de telefonia celular, portanto, não temos um único canal ou segmento no qual ganharemos dinheiro

Naveen Kachroo, chefe de desenvolvimento de negócios da Kuiper

Kachroo, agora chefe de desenvolvimento de negócios da Kuiper, diz que a Amazon venderá conectividade diretamente a usuários individuais da internet, bem como por meio de provedores de serviços sem fio e de banda larga, dependendo do país. A Amazon anunciou parcerias com a Verizon nos EUA, com a Vodafone na Europa e na África e com a NTT do Japão. Os testes do serviço começarão no segundo semestre do próximo ano, e a Amazon prevê a venda para dezenas de milhões de clientes.

“Queremos atender empresas, governos, escolas, hospitais, operadoras de telefonia celular, portanto, não temos um único canal ou segmento no qual ganharemos dinheiro”, disse Kachroo. A Amazon, que não divulgou preços, tem licenças até o momento para operar em mais de 15 países, incluindo Brasil, Canadá, França, México e Estados Unidos.

A empresa oferecerá a empresas e governos conectividade privada por meio de sua unidade Amazon Web Services e dará garantias de qualidade de serviço que a SpaceX ainda não ofereceu. A AWS, a maior vendedora de poder de computação e armazenamento de dados alugados, poderá nos próximos anos oferecer pacotes de produtos que incluem acesso à Internet, uma vantagem que os rivais de computação em nuvem da Amazon não conseguem igualar por conta própria.

A equipe da Kuiper tende a não mencionar a Starlink (outra atitude de Bezos: não fique obcecado com a concorrência), mas os analistas dizem que a Amazon tem a oportunidade de se destacar simplesmente por operar um negócio de satélites sem o drama pessoal de Musk ou seus envolvimentos comerciais. Outras empresas estão construindo o que o setor chama de megaconstelações, mas a Starlink é de longe a maior e mais capaz.

As autoridades de Taiwan, que buscam acesso de backup à Internet em caso de guerra com a China, estão cautelosas em confiar em Musk, que tem laços comerciais com Pequim, informou a Bloomberg. Na Ucrânia, a Starlink tem sido uma tábua de salvação após a invasão russa, mas no início deste ano descobriu-se que Musk recusou um pedido de Kiev para expandir a cobertura para permitir um avanço ucraniano. O homem mais rico do mundo pediu o fim do conflito em termos favoráveis à Rússia, e seu biógrafo publicou mensagens de texto entre Musk e o vice-primeiro-ministro da Ucrânia.

A Space X não é vista como a melhor parceira do setor

Lluc Palerm, analista da pesquisadora NSR

A SpaceX, que não respondeu aos pedidos de comentários, também evita os contratos de longo prazo e os acordos de exclusividade que os clientes comerciais tendem a buscar, disse Lluc Palerm, analista da pesquisadora NSR. “Eles não são vistos como o melhor parceiro do setor”.

Em uma entrevista, Julie Zoller, chefe de regulamentação da Kuiper, não especificou como a Amazon lidaria com os emaranhados políticos, dizendo que a empresa se submeteria ao Departamento de Estado. Zoller, que começou sua carreira instalando equipamentos de satélite em bases militares dos EUA, admitiu que a Amazon não prevê que o CEO Andy Jassy negocie termos de serviço por mensagem de texto. “Os clientes estão literalmente dizendo ‘Por que vocês não podem ser mais rápidos’”, disse Kachroo. “Eles adoram o fato de que há concorrência”.

Publicidade

Andy Jassy é o atual presidente executivo da Amazon, após saída do fundador Jeff Bezos do cargo Foto: Mike Blake/Reuters - 25/10/2016

Os executivos insistem que a Kuiper está dentro do cronograma, mas a empresa esperava ter seus protótipos no ar quase um ano antes. A prova está em órbita: gravados em um componente do corpo de alumínio de cada nave estão os nomes das pessoas que trabalham no projeto em agosto de 2022.

A primeira viagem da Amazon ao espaço - em um novo foguete construído por uma startup - explodiu na plataforma de lançamento. Seu segundo foguete, o novo Vulcan Centaur construído pela United Launch Alliance (ULA), a robusta empresa espacial dos EUA, deveria ter decolado neste verão antes de uma explosão durante os testes. Desesperada para fazer seus satélites voarem, a Amazon fretou um Atlas V, um foguete da ULA com 21 anos de idade, capaz de transportar cargas muito mais pesadas. O lançamento foi o equivalente, em termos de foguetes, à contratação de um ônibus urbano para levar duas pessoas ao cinema.

Agora a Amazon precisa levar o restante dos satélites até lá. O Projeto Kuiper é o maior pedido de lançamento comercial da história, que, além dos 47 lançamentos da ULA, inclui foguetes do ArianeGroup e da Blue Origin de Bezos. Mas apenas um desses foguetes - o Atlas, que a Amazon reservou para mais oito lançamentos - já voou. A Blue Origin nunca enviou uma espaçonave para a órbita, e o foguete que ela espera levar até lá está anos atrasado. (Limp, o antigo chefe de Badyal, deixou a Amazon este mês para dirigir a Blue Origin).

No início deste mês, a Amazon reservou três lançamentos com a SpaceX, um acordo incômodo necessário devido ao cronograma de lançamento apertado da Kuiper e à falta de alternativas. A Amazon afirma que vem discutindo com todos os principais fornecedores de lançamentos há anos. Também nega que a decisão tenha sido influenciada por uma ação judicial movida por um fundo de pensão, alegando que a Amazon não considerou o uso da SpaceX graças, em parte, à rivalidade entre Bezos e Musk, que aumentou os custos. A Amazon diz que as alegações não têm mérito.

Jeff Bezos fez o primeiro voo tripulado da Blue Origin em 2021 Foto: Isaiah J. Downing/Reuters

A ULA está expandindo uma fábrica no Alabama e reformando uma instalação em Cabo Canaveral, na Flórida, para empilhar rapidamente os satélites Kuiper em foguetes e transportá-los para a plataforma de lançamento. Os fornecedores de motores de foguete e equipamentos aviônicos estão aumentando a produção. “Tudo está no caminho certo para ser feito a tempo”, disse o CEO da ULA, Tory Bruno. “Desde que não tenhamos que mudar completamente o projeto, não teremos problemas.”

Seja como for que os satélites da Amazon cheguem ao espaço, a licença da Comissão Federal de Comunicações do Projeto Kuiper exige que 1.618 deles estejam lá até julho de 2026, e a outra metade três anos depois. A Amazon planeja construí-los em um local de fabricação dedicado em Kirkland, Washington, onde as equipes ainda estão instalando máquinas e fazendo trabalhos de utilidade pública. Portanto, os primeiros satélites da Amazon estão sendo montados na sede da Kuiper, que está sendo reconfigurada de uma instalação de pesquisa e desenvolvimento para uma linha de produção de colisão.

Este conteúdo foi produzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.