Snap demite 20% dos funcionários depois de fracasso de crescimento

Empresa dona do app Snapchat viu a receita diminuir ao longo do primeiro semestre de 2022

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A crise econômica nas empresas de tecnologia continua mostrando sinais. A Snap, dona da rede social Snapchat, anunciou que vai cortar aproximadamente 20% do seu quadro total de funcionários, composto por mais de 6 mil pessoas. De acordo com a empresa, a decisão faz parte de um plano interno de reestruturação, motivado pelo seu crescimento abaixo do esperado no início do ano, o que pode acarretar em perdas significativas na atual configuração.

O presidente da Snap, Evan Spiegel, disse que os cortes eram inevitáveis. “Estamos reestruturando nossos negócios para focar em três prioridades estratégicas: crescimento de usuários, aumento de receitas e realidade aumentada”, afirma.

PUBLICIDADE

Em um documento submetido à Security Exchange Commission (SEC), equivalente à Comissão de Valores Mobiliários, a Snap afirmou que as demissões podem “poupar” cerca de US$ 500 milhões por ano aos caixas da empresa.

Além dos cortes, a companhia também suspendeu produções próprias que estavam no radar para serem lançadas nos próximos meses. Alguns produtos, como games, uma câmera drone e um app secundário baseado na localização dos usuários.

Estamos reestruturando nossos negócios para focar em três prioridades estratégicas: crescimento de usuários, aumento de receitas e realidade aumentada”

Evan Spiegel, presidente da Snap

“Infelizmente, dada a nossa atual taxa de crescimento de receita mais baixa, ficou claro que devemos reduzir nossa estrutura de custos para evitar perdas contínuas significativas”, escreveu Spiegel, em nota. “Embora tenhamos construído reservas de capital substanciais e feito grandes esforços para evitar reduções no tamanho de nossa equipe, reduzindo gastos em outras áreas, agora devemos enfrentar as consequências de nosso menor crescimento de receita e nos adaptar ao ambiente de mercado”./COM DOW JONES NEWSWIRE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.