Fintech Brex, criada por brasileiros nos EUA, confirma aporte de US$ 300 milhões

A empresa, que oferece cartão de crédito para startups, atingiu avaliação de mercado de US$ 12,3 bilhões

PUBLICIDADE

Por Redação Link
Atualização:

A fintech Brex, fundada por dois brasileiros no Vale do Silício, confirmou nesta terça-feira, 11, o recebimento de uma rodada de investimento de US$ 300 milhões – com o cheque, a avaliação de mercado da startup salta para US$ 12,3 bilhões. O aporte havia sido revelado inicialmente pelo site americano TechCrunch em outubro

A rodada foi liderada por Greenoaks Capital e TCV. Desde a sua fundação, em 2017, a Brex captou US$ 1,2 bilhões. 

Além do cheque, a fintech anunciou a contratação de Karandeep Anand, ex-Meta, como diretor de produto da empresa. 

Pedro Franceschi e Henrique Dubugras, fundadores da Brex Foto: Brex

PUBLICIDADE

Nos EUA, a Brex oferece cartão de crédito para startups locais. O diferencial do serviço é a agilidade: a empresa promete uma versão digital do cartão em até cinco minutos após o cadastro, e uma versão física em até cinco dias.

Além disso, ao contrário do que exigem os bancos, a Brex não pede garantias como ganhos e bens pessoais dos empreendedores para que eles tenham acesso ao cartão corporativo. Para avaliar os riscos, em vez de analisar o faturamento, a Brex avalia o histórico dos investidores, o fluxo de caixa e os padrões de gastos da startup. 

Agora, porém, a fintech está em um novo momento: os clientes da Brex estão crescendo, o que tem exigido a adaptação do serviço para atender também empresas de médio porte e grandes companhias – essa é a nova fronteira de crescimento da startup. 

O mercado de serviços financeiros voltados a startups está aquecido. Rival da Brex nos Estados Unidos, a Ramp anunciou uma nova rodada de US$ 300 milhões em agosto, que elevou sua avaliação de mercado para US$ 3,9 bilhões.

Publicidade

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.