PUBLICIDADE

Governo de SP lança 2ª edição de concurso para startups

Chamado de Pitch Gov.SP, programa convida empresas em estágio inicial a proporem soluções para problemas da administração pública; primeira edição, realizada em 2015, resultou em convênios com 10 empresas

Por Carolina Ingizza
Atualização:
O Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, no evento de lançamento do edital da segundaedição do Pitch GovSP. Foto: Alexandre Carvalho

Nesta sexta-feira, 15, o Governo do Estado de São Paulo anuncia a segunda edição do Pitch Gov.SP, um concurso para selecionar startups que possam resolver problemas da administração pública. O processo é realizado em parceria com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Empresas interessadas deverão submeter suas candidaturas no site do programa até 15 de outubro. No total, serão escolhidas 16 startups por um comitê -- composto por investidores, empreendedores e membros da gestão pública --, que colocarão seus projetos em teste.

PUBLICIDADE

A primeira edição da competição, feita em 2015, resultou na assinatura de convênios entre o governo e dez startups. Dentre os ganhadores da primeira edição, está o Poupinha, robô virtual de mensagens desenvolvido pela startup Nama. O robô tira dúvidas da população sobre o Poupatempo, entre elas quais documentos levar para os procedimentos e a melhor data para o agendamento. Com uma média de 13 mil pessoas atendidas por dia, o robô já agendou, em oito meses de operação, mais de 1,2 milhão de procedimentos. “Nós não sabíamos que precisávamos do Poupinha, mas agora não conseguimos viver sem ele”, brinca Karla Bertocco, subsecretária de ‎Parcerias e Inovação na Secretaria de Governo do Estado.

Outra parceria realizada no primeiro Pitch Gov SP foi com a GetNinjas, uma das principais plataformas online de contratação de serviços online, com mais de 120 mil profissionais cadastrados. Com acesso gratuito ao sistema, os alunos formados nos cursos de moda, beleza e construção civil do Fundo Social de Sociedade estão oferecendo seus serviços e ingressando no mercado de trabalho. Na área de educação, o principal fruto foi a parceria entre o Centro Paula Souza e o aplicativo ClassApp, que permite que as escolas mantenham os pais regularmente informados sobre o desempenho dos filhos no colégio. Hoje, o app tem mais de 5 mil usuários ativos.

Na nova edição, as empresas de inovação poderão se inscrever para solucionar problemas das áreas de Estatística e Análise de Dados, Finanças Públicas, Habitação, Saneamento e Energia, Transparência, Transportes, Educação e Saúde. Os problemas apresentados são diversos e variam entre questões sobre como melhorar as atividades de reforço e recuperação nas escolas ou até mesmo sobre como diminuir o número de abstenções em consultas ou procedimentos agendados nos postos de saúde.

Segundo Karla, o sucesso da primeira edição do Pitch fez as outras áreas do governo decidirem por aderir ao projeto. “Problemas continuam existindo, nós temos desafios para todos os tipos, gostos e perfis de startup. Então não havia razão para não fazer uma segunda edição”, diz ela.

Para Rafael Ribeiro, diretor executivo da ABStartups, o governo ainda não entende completamente o ecossistema brasileiro de startups e as empresas inovadoras não têm o costume de procurar o governo como um possível cliente. “Na educação, por exemplo, 80% das escolas são públicas, então uma startup desse nicho que não fizer uma parceria com o governo dificilmente vai se expandir nacionalmente”, diz Ribeiro.

*É estagiária, sob supervisão da editora Claudia Tozetto

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.