PUBLICIDADE

Startup brasileira Decora é vendida por US$ 100 milhões

Empresa, que trabalha com visualização 3D e realidade aumentada para auxiliar comércio eletrônico, foi adquirida pela americana CreativeDrive

Por Bruno Capelas
Atualização:
Os sócios da startup catarinense Decora: 3D e realidade aumentada Foto: Decora

A startup catarinense Decora, especializada em criar imagens virtuais de produtos de decoração para varejistas online, anunciou ontem que foi adquirida integralmente pela empresa americana de criação de conteúdo CreativeDrive. Segundo Gustavo do Valle, presidente executivo e cofundador da empresa, os valores da transação podem chegar a ultrapassar US$ 100 milhões – os números dependem de metas a serem batidas pela startup após a aquisição, diz o executivo ao Estado.

PUBLICIDADE

Com 120 funcionários sediados em Florianópolis (SC), a startup usa computação gráfica para ajudar lojas online a mostrarem seus produtos para os clientes, tentando vencer a resistência dos consumidores. "A partir da foto de um sofá, por exemplo, fazemos uma versão virtual dele, em 3D”, explica o cofundador da Decora. “Com isso, rapidamente conseguimos simular como ele vai ficar em uma sala grande ou pequena, ajudando o usuário a entender o produto.” 

História. Fundada em 2012 por Valle e Pedro Orione, então estudantes de administração da Universidade Estadual de Santa Catarina (Udesc), a Decora nasceu como uma plataforma que conectava profissionais de decoração a usuários. “Nós queríamos começar logo para falhar logo e aprender rápido”, conta do Valle. “Conseguimos alguns contratos, mas percebemos que o maior problema dos varejistas era conseguir exibir seus produtos.” 

Depois de dois anos, com o retorno do mercado e também a crise econômica, a empresa decidiu mudar seu modelo de negócios para a atual proposta. Desde seu início, a startup utilizou apenas recursos de seus próprios sócios e não captou aportes com fundos de investimentos – uma prática pouco usual no mercado de tecnologia, conhecida como “bootstraping”. 

Hoje, além das imagens em 3D, a empresa também trabalha com serviços de realidade aumentada e realidade virtual. Com a aquisição pela CreativeDrive, a meta da startup catarinense é entrar nos segmentos de moda, beleza e acessórios automotivos. “São áreas próximas e que têm muito potencial para crescermos”, afirmou do Valle, que tem 26 anos. Após a aquisição, o presidente executivo deve permanecer à frente da empresa, bem como os outros sócios da Decora, mantendo suas operações em Florianópolis. 

A capital catarinense é hoje um dos principais ecossistemas de startups do País: segundo dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), Florianópolis fica só atrás de São Paulo no número de empresas, à frente de cidades como Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Entre os casos de sucesso da região, há também a Resultados Digitais, empresa especializada em marketing digital que tem mais de 500 funcionários. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.