PUBLICIDADE

O mundo hoje

Clay Shirky explica como as revoluções no Oriente Médio e na Espanha nasceram em nova paisagem de mídia, criada por celulares e redes sociais

PUBLICIDADE

Por Alexandre Matias
Atualização:

Clay Shirky explica como as revoluções no Oriente Médio e na Espanha nasceram em nova paisagem de mídia, criada por celulares e redes sociais

 

PUBLICIDADE

LOGIN | Clay Shirky, escritor e pesquisador da NYU

Quando entrevistei Clay Shirky pela primeira vez, em novembro de 2009, em Nova York, ele estava começando a ser reconhecido como um dos principais pensadores da cultura digital, graças ao seu Here Comes Everybody (2008, ainda não publicado no Brasil) e terminava a pesquisa que se tornaria seu livro do ano passado, Cognitive Surplus (lançado no Brasil com o título de A Cultura da Participação, leia abaixo). Na época, ele festejava a condição do Brasil como um dos primeiros países a abraçar a cultura digital como regra – e como a natureza coletiva e desregrada do País conversava com o tema principal de seu livro, o crowdsourcing, que permite que multidões produzam algo coletivamente sem que necessariamente se conheçam pessoalmente.

Três anos depois, Shirky visita o País mais uma vez num cenário global bem diferente. Ao mesmo tempo em que o Brasil cresce para se tornar um dos principais agentes políticos do mundo – e sua população cada vez mais submerge no mundo digital graças às redes sociais e celulares –, pipocam pelo planeta levantes e revoltas populares que têm a internet como principal ferramenta. E meu novo papo com ele inevitavelmente girou ao redor destes dois temas.

O que une os acontecimentos recentes nos países árabes e na Espanha em termos do impacto das tecnologias digitais na atual paisagem política?Bem, se você olhar para Tunísia e Egito já dá para traçar um padrão em que três mudanças só ocorreram graças à nova paisagem de mídia. Um: ela permite que as pessoas sincronizem suas visões de mundo rapidamente. No Egito há o movimento kifaya, que significa “basta”. Nele, emboras várias pessoas divergissem sobre muitos assuntos, todos concordavam que já tinham tido o suficiente de Mubarak. Esse movimento começou em 2004, anos antes do levante de 25 de janeiro deste ano. Foi ele que permitiu que pessoas pudessem perceber que achavam ruim a vida sob aquele governo, que outras pessoas também haviam percebido isso, mas, mais importante, que todo mundo sabia que todos achavam que a vida estava ruim. É quando há essa sincronização. E quando a população está sincronizada, é hora de partir para a ação.

A segunda mudança foi a coordenação, e Egito e Espanha ilustram, que é a habilidade das pessoas se organizarem para fazer um ato contra o governo sem usar qualquer tipo de mídia financiada pelo Estado. É uma mudança formidável e fácil ser percebida.

E a terceira mudança é a documentação, o que para mim é a mais surpreendente. Acontece que, até o Kadafi, até o mais maluco de todos os tiranos no atual cenário político, não gosta de assassinar seus próprios cidadãos à luz do dia. Mesmo quando ele estava sob a maior pressão militar possível, ele ainda fazia seus guarda-costas revistarem todas as pessoas que saíam do país em busca de celulares ou câmeras, pois não queria que nenhuma prova vazasse para fora de suas fronteiras.

Publicidade

Na China, quase ninguém conhece a foto icônica do sujeito parando sozinho os três tanques na Praça da Paz Celestial. O governo conseguiu manter, de forma bem sucedida, aquela imagem fora da consciência pública. Hoje, é quase impossível que haja um massacre daquelas proporções em qualquer lugar do mundo e que ele não seja documentado por câmeras de celular e enviado para o mundo imediatamente ou em poucos dias.

São essas três mudanças – sincronização, coordenação e documentação – que estão em ação em qualquer um desses novos movimentos políticos que vemos ao redor do mundo.

E como essas três mudanças vão mudar a forma de fazer política em um futuro próximo?O que vemos no Oriente Médio é algo que chamo de “o dilema dos ditadores”: você não pode ser uma economia moderna se as pessoas não tiverem celulares em seus bolsos! E se você dá para todos uma câmera que permite transmitir fotos e vídeos, você também não pode impor um blecaute de comunicações em seu país. Ao desconectar todos os telefones, você também está desconectando toda a atividade econômica. No curto prazo, o que vamos ver é que os governos ditatoriais tendem a se tornar ainda mais ditatoriais.

Mas esse movimento de sincronização também ocorre entre países, não?Sim, o fato de estes movimentos terem se espalhado pelo mundo faz parecer que há algo no ar. Há manifestantes em Wisconsin, no meio-oeste americano, levantando cartazes com referência a Cairo. Os EUA são conhecidos por não prestarem atenção no resto do mundo, por isso quando um evento que acontece fora de suas fronteiras penetra na consciência dos americanos, isso é uma grande coisa. E aí gente em Wisconsin começa a pensar no Cairo, as pessoas na Espanha começam a se ver como parte de um movimento político transmediterrâneo, que os conecta com os árabes… Surge a possibilidade de esse movimento espalhar-se globalmente, da mesma forma sincronizada que aconteceu em 1968. E, mais uma vez, isso aterroriza os governos da China, de Mianmar e da Coreia do Norte. Eu poderia tentar adivinhar que há dois cenários possíveis: em um há um resultado modestamente positivo para uma dúzia de países no Oriente Médio, e em outro temos a sincronização mundial de fervor antiautoritário, mas eu não faço ideia do que iremos ver.

 

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Outro movimento global que vem acontecendo é o que coloca a natureza livre da internet em jogo, no debate sobre a neutralidade de rede.O mais curioso é que a maior parte dos negócios se beneficiaria disso, pelo mesmo motivo que se beneficia quando as companhias telefônicas não cobram comissão pelas vendas que são feitas pelo telefone. O mundo dos negócios precisa que os meios de comunicação sejam abertos para que ele funcione – foi assim com os correios e com o sistema telefônico. Só dois tipos de negócio querem destruir a neutralidade de rede: empresas de telecomunicação e de conteúdo.

É bem provável que nós, nos Estados Unidos, percamos a neutralidade de rede pois as empresas de conteúdo conseguem pressionar o Congresso. Mas eu não acho que iremos ver a neutralidade de rede cair no resto do mundo.

Não acho que isso irá acontecer, por exemplo, na Coreia do Sul. Acho que eles reconhecem que sua economia precisa manter-se aberta e se eles forem taxar cada menor negócio e transação de consumo isso não será bom para sua economia. Eu espero que os países que já estão discutindo a questão da neutralidade de rede de forma mais incisiva optem pelo modelo aberto, mas não posso subestimar o fato de que ela pode ser sequestrada por interesses de negócios que se sentem ameaçados por uma nova competição.

Publicidade

Você não acha que a indústria de conteúdo norte-americana já está sendo ameaçada pela produção de conteúdo de outros países? Filmes da Índia, desenhos animados do Japão…Com certeza. Isso já está acontecendo. E esse momento acontece através do vídeo. Minha filha, por exemplo, foi para uma festa de aniversário em que a diversão eram danças de Bollywood! A ideia de Bollywood já é comum o suficiente na cultura norte-americana para fazer parte de festas de aniversário infantis. Os EUA estão muito acostumados a ser um exportador de indústria cultural e não perceber o que acontece no resto do mundo e acho que isso está mudando. E um dos fatores dessa mudança é o YouTube, que não respeita barreira geográficas. Vamos começar a ver a mesma coisa que aconteceu com a música nos anos 90 – que começou a importar a pureza de artistas tão diferentes quanto Sun Ra ou Buena Vista Social Club ao mesmo tempo em que havia o polo oposto, com a cultura do remix. Acho que vamos ver isso acontecer isso em vídeo. Uma mudança que já dá para notar é que geração de hoje é culturalmente menos insular que a geração de seus pais. Isso mudará a cultura americana, nos tornará mais permeáveis como consumidores e produtores.

Nesse sentido, qual é o papel do Brasil enquanto grande exportador de conteúdo?Eu acho que vai ser cada vez mais difícil acontecer um novo tipo de imperialismo cultural, como o dos EUA no século 20, que tinha a ver com nossa postura de “líderes do mundo livre” em um ambiente bipolar. Isso tornou muito fácil para a cultura norte-americana se espalhar a ponto de podermos falar em imperialismo cultural.

Mas agora estamos num mundo multipolar, em que instituições não-estatais têm um impacto maior na geografia do que governos. Um mundo em que os indivíduos podem participar mais.

Um dos meus ex-alunos fez um trabalho sobre a cena de funk carioca no Rio de Janeiro e sempre me falava da enorme encruzilhada de remixes e tradições que se misturava nessas músicas. Assim, acho que a posição do Brasil como exportador de cultura é mais a de se tornar um ecossistema mais do a que um simples transmissor, como os EUA do século passado.

E qual é a maior contribuição do Brasil para o mundo nessa paisagem digital?Vocês podem abraçar a cultura aberta e ser uma economia em crescimento ao mesmo tempo. O que os estúdios de Hollywood, os canais de TV e as gravadoras querem fazer as pessoas acreditarem de forma muito desesperada é que se não houver uma indústria cultural que controle rigidamente esse mercado duas coisas acontecerão: não haverá cultura e isso será ruim para o crescimento econômico. E o que eu acho que o Brasil está mostrando para o resto do mundo é que não só dá para ser uma cultura aberta e uma economia em ascensão como as duas coisas podem ajudar-se entre si.

TEMPO LIVRENo começo da Revolução Industrial, as pessoas desperdiçavam o pouco excedente cognitivo que tinham, o tempo livre de todos os cidadãos escolarizados do mundo somados, bebendo gim. No século 20, sentamos na frente da televisão quase como uma obrigação, dia após dia, Agora, com internet, Wikipedia e Linux, ainda temos tempo para editar fotos engraçadinhas, Clay Shirky explica em seu A Cultura da Participação (ed. Zahar. R$ 39,90). / RAFAEL CABRAL —-Leia mais:Link no Papel – 06/06/2011

 

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.