Ações europeias têm mínima de fechamento em 2 semanas por indicadores e Chipre

As ações europeias recuaram para a mínima de duas semanas no fechamento desta quinta-feira, com investidores tirando mais dinheiro dos mercados devido a dados fracos da Alemanha e o persistente nervosismo sobre o Chipre, onde dois dos maiores bancos do país enfrentam o risco de colapso.

Reuters

21 de março de 2013 | 15h24

O índice das principais ações europeias FTSEurofirst 300 encerrou em queda de 0,70 por cento, a 1.190 pontos, o nível mais baixo de encerramento desde o último dia 7. O índice, que atingiu máxima de 4 anos e meio na semana passada, caminha para sua maior queda semanal desde novembro.

O Banco Central Europeu (BCE) deu ao Chipre até a próxima segunda-feira para que o país chegue a um acordo sobre um resgate ou enfrenta a perda de fundos emergenciais para seus bancos.

O ultimato é anunciado no momento em que líderes do país se esforçam para criar um plano alternativo a fim de levantar a contribuição de 5,8 bilhões de euros exigida pela União Europeia em troca de um resgate de 10 bilhões de euros, sem recorrer à tributação sobre depósitos.

"Há a percepção de que a situação na Europa continua a piorar. Os números do PMI da Alemanha foram bastante chocantes e o Chipre se move agora da economia para a política", avaliou o corretor sênior de ações na Redmayne-Bentley David Scott.

"Se o BCE retirar sua liquidez, será outro momento ruim para toda a região. O Chipre é pequeno, mas investidores estão preocupados com o efeito de contágio", completou.

Os investidores, já nervosos com a situação no Chipre, reagiram negativamente à pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) sobre o setor privado da Alemanha, divulgada nesta quinta-feira.

A expansão do setor privado do país perdeu força em março, com um crescimento mais lento em serviços compensando uma contração na indústria, sugerindo que a maior economia da Europa registrará um crescimento fraco neste trimestre.

Em LONDRES, o índice Financial Times caiu 0,69 por cento, a 6.388 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX recuou 0,87 por cento, para 7.932 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 cedeu 1,43 por cento, a 3.774 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve queda de 0,50 por cento, para 15.935 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 retrocedeu 0,77 por cento, a 8.351 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 perdeu 0,28 por cento, para 6.095 pontos.

(Reportagem de Atul Prakash)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUROPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.