Aécio diz que, se eleito, demitirá diretoria da Petrobras; Dilma nega caixa 2 na campanha

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, afirmou neste sábado que, se eleito,  pretende demitir toda a diretoria da Petrobras, alvo de denúncias de corrupção.

REUTERS

25 de outubro de 2014 | 02h19

“A remoção da diretoria da Petrobras é imediata. Vamos prestigiar funcionários de carreira e profissionalizá-la”, disse o tucano a jornalistas, após o último debate antes da votação de domingo, realizado na sexta-feira pela TV Globo.

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa disse, em um processo de delação premiada, que fez parte de um esquema de desvio de recursos públicos na Petrobras e que contratos assinados com empresas com a estatal era superfaturados e esse sobrepreço repassado a partidos políticos.

Edição da revista Veja desta semana, antecipada para esta sexta-feira, traz reportagem com o que seria declaração do doleiro Alberto Youssef, em depoimento de delação premiada à Polícia Federal, dizendo que tanto a presidente Dilma Rousseff, que busca a reeleição, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, saberiam do suposto esquema de corrupção na Petrobras.

“No meu governo vamos resgatar a meritocracia , da qualidade da gestão pública”, afirmou Aécio.

Durante o debate na TV Globo, Dilma afirmou que o conteúdo da matéria da Veja era mais um golpe eleitoral promovido por um veículo que faz campanha para os tucanos desde as eleições de 2002.

Aos jornalistas, Dilma garantiu que não há caixa 2 em sua campanha à reeleição. “Asseguro que não há dinheiro de caixa dois na minha campanha”, declarou a petista, em tom irritado. A presidente reiterou que todos os que cometeram irregularidades no seu governo pagarão.

Uma das propostas de governo de Dilma é transformar caixa 2 de campanha em crime eleitoral.

Aécio condenou ainda, classificando de vandalismo, pichações feitas à sede da Editora Abril, que publica a revista Veja, em São Paulo, na sexta-feira.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier e Maria Pia Palermo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.