Ataque aéreo dos EUA mata líder de militância islâmica da Somália

O grupo militante islâmico somali al Shabaab confirmou neste sábado que seu líder Ahmed Godane morreu num ataque aéreo dos Estados Unidos esta semana e nomeado um novo líder, prometendo "grande aflição" aos seus inimigos.

REUTERS

06 Setembro 2014 | 17h43

As forças dos EUA atingiram o acampamento de Godane no centro-sul da Somália com mísseis Hellfire e bombas guiadas a laser na segunda-feira, mas o Pentágono não confirmou a morte até sexta-feira.

Em comunicado, a Al Shabaab, afiliado à Al Qaeda, anunciou como novo líder Sheikh Ahmad Omar Abu Ubaidah, e advertiu seus inimigos a "esperar uma grande aflição".

O Pentágono afirmou na sexta-feira que a morte de Godane foi uma "grande perda simbólica e operacional" para a Al Shabaab.

Desde que assumiu o posto em 2008, Godane tinha levantado drasticamente o status do grupo, por meio de atentados e ataques suicidas na Somália e em outros países da região.

O governo da Somália, com apoio de forças de paz africanas e inteligência ocidental, tem lutado para conter a influência da Al Shabaab e conduzir o grupo de áreas que continuou a controlar, apesar de serem expulsos de Mogadíscio em 2011.

(Reportagem de Feisal Omar e Abdi Sheikh)

Mais conteúdo sobre:
MUNDOSOMALIAMORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.