Brasil dobra produção de medicamento contra Chagas

O Brasil vai mais do que dobrar a produção do medicamento contra a doença de Chagas, o Benzonidazol, segundo o Ministério da Saúde. A medida foi adotada a partir de novas demandas de organismos de cooperação internacional. A solicitação, discutida nesta semana, atenderá pacientes da Bolívia, Colômbia, Venezuela, Argentina, Paraguai e Uruguai. Está prevista a entrega de 3.425.000 comprimidos até 31 de dezembro. O país é o único fabricante mundial do produto.

EQUIPE AE, Agência Estado

19 Outubro 2011 | 17h34

"O Brasil vai atender toda a demanda da OPAs/OMS por medicamentos para Chagas. Queremos participar do esforço mundial em ampliar o acesso a saúde", anunciou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, durante a Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde, da Organização Mundial de Saúde (OMS). O evento ocorre no Rio de Janeiro até sexta-feira, 21.

O ministro Alexandre Padilha explicou que esta capacidade de atendimento foi resultado de uma articulação do Ministério da Saúde com os laboratórios produtores Lafepe e Nortec, juntamente com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A demanda sobre o produto cresceu 113% em relação à projeção inicialmente realizada pela Organização Panamericana de Saúde (Opas) e o Drugs for Neglected Deseases Initiative (DNDI). Passou de 1,5 milhão de comprimidos para 3,2 milhões - deste total, 1 milhão de comprimidos será para estoque estratégico.

A doença de Chagas é uma doença infecciosa febril causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, que se adquire por meio do contato direto com as fezes do inseto conhecido como "barbeiro". No Brasil, a transmissão vetorial (pelo inseto) domiciliar foi interrompida, mas predominam os casos crônicos. Estima-se que existam entre dois e três milhões de indivíduos infectados. A ocorrência de doença de Chagas aguda (DCA) no País tem sido observada principalmente em decorrência da transmissão oral, por meio de alimentos contaminados.

Mais conteúdo sobre:
saúde remédio Chagas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.