Concurso de rádio canadense oferece tratamento de fertilidade a casais

Promoção de rádio de Ottawa premiará casal que, em cem palavras, convencer juízes de concurso que merecem tratamento.

BBC Brasil, BBC

10 Outubro 2011 | 14h42

Uma emissora de rádio de Ottawa, no Canadá, lançou uma promoção na qual dará um tratamento de fertilidade no valor de US$ 35 mil (mais de R$ 61 mil) para o casal vencedor.

O concurso "Win a Baby" (ou "Ganhe um Bebê", em tradução livre) está sendo realizado pela rádio Hot 89.9 e foi organizado pelo programa matinal da emissora para premiar três casais que serão anunciados no dia 11 de outubro.

Os concorrentes precisam convencer os ouvintes e um painel de juízes, do qual também fazem parte especialistas em fertilidade, que merecem o prêmio. Tudo em apenas cem palavras.

"É uma realidade difícil para muitos de nossos ouvintes e queremos dar a eles a oportunidade de realizar o sonho de ser pais", informa o anúncio da promoção da rádio.

Cartazes da promoção foram espalhados pela cidade de Ottawa mostrando imagens de bebês com frases como "ela pode ser sua" ou então "você é minha mamãe?".

Ottawa fica na província de Ontário, onde os tratamentos de fertilidade não são financiados pelo governo.

Com o concurso, a rádio Hot 89.9 já recebeu 400 inscrições, incluindo de casais do mesmo sexo, mulheres solteiras e pacientes com câncer.

A rádio ficou famosa por seus concursos inusitados e já ofereceu uma noiva russa e implantes de silicone.

Críticas

O concurso foi criticado por ativistas. Beverly Hanck, diretora da Associação Canadense para Conscientização sobre Infertilidade, afirmou que a competição é de mau gosto.

"A rádio está claramente se aproveitando de pessoas vulneráveis que estão desesperadas para ter uma família. Alguém já parou para pensar em como vão se sentir as centenas de pacientes que não vão ganhar?", questiona Hanck.

O apresentador do programa que está fazendo o concurso, Jeff Mauler, admite que os concorrentes que não ganharem vão ficar mal, mas acrescenta que "pelo menos podemos ter aberto um canal de diálogo com suas famílias e amigos, para conseguir que os apoiem e ajudem a pagar o tratamento".

Mauler também afirma que o concurso estimulou um debate sobre os tratamentos de fertilidade e sobre o oferecimento destes tratamentos de forma gratuita na rede pública de saúde.

O apresentador nega que o programa esteja se aproveitando de pessoas vulneráveis.

"Queremos ajudar. Somos a emissora número um, não precisamos de mais ouvintes", disse Mauler à BBC.

"A maioria do nosso público é de mulheres. E os temas que interessam a elas são o trabalho, a casa e os filhos. Além disso, vimos que em nosso escritório havia muitas pessoas com problemas de fertilidade."

"Então pensamos que se um em cada seis de nossos ouvintes tem este problema, podemos pagar a eles um tratamento de fertilidade", acrescentou.

E, Mauler ainda afirma que "se estivéssemos sorteando um bebê, até eu veria um problema". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.