Duplicação na Régis atinge 6,5 km na Serra do Cafezal

As obras de duplicação da Rodovia Régis Bittencourt (BR-116) atingem 6,5 quilômetros da Serra do Cafezal, entre os municípios de Juquitiba e Miracatu, em direção ao Vale do Ribeira. As máquinas abrem caminho para a nova pista entre o km 344 e o km 349 da estrada, no trecho central da serra. A concessionária obteve licença ambiental para duplicar os 19 km com pista simples - o principal gargalo da rodovia entre São Paulo e Curitiba.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

17 de junho de 2013 | 17h40

Os outros 12,5 km serão duplicados em segmentos, assim que o trecho inicial estiver concluído, o que deve ocorrer no primeiro semestre de 2014. À medida que as obras forem concluídas, a nova pista será liberada ao tráfego.

A duplicação está sendo feita fora da pista existente para reduzir a interferência no trânsito. Além dos serviços de terraplenagem, revestimento de encostas e pavimentação, está prevista a construção de nove viadutos nesse trecho inicial. A nova pista no trecho da serra terá três faixas de rolamento no sentido São Paulo - as duas existentes terão sentido único para Curitiba. No total, serão construídos sete quilômetros, com túneis, pontes e viadutos. Os quatro túneis vão somar quase dois quilômetros.

Com a duplicação na Serra do Cafezal, os 404 km entre São Paulo e Curitiba terão pista dupla. O trecho da serra é recordista em acidentes no Estado de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Régis Bittencourtduplicação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.