Em Roma, Lula pede que trabalho seja 'razão de ser' da economia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta segunda-feira, em Roma, a criação de um novo consenso, que tenha o homem e o trabalho como a "razão de ser da economia e não a especulação financeira". No primeiro dia de sua visita à Itália, ao ser recebido pelo presidente Giorgio Napolitano, Lula reafirmou a idéia de que a política deve se sobrepor à economia e conclamou os governantes a assumirem a resolução da crise. "Eu penso que, nesse momento, os governantes precisam entender que nós precisamos ouvir menos analistas de mercado e mais analistas dos problemas sociais, analistas de desenvolvimento e analistas que conheçam as pessoas humanas", disse Lula em seu discurso, distribuído pela secretaria de imprensa do Planalto. Lula considerou a crise financeira global uma oportunidade de revisão do que foi feito de errado a partir do Consenso de Washington. "Penso que essa crise é uma oportunidade extraordinária para... criarmos um outro consenso em que o ser humano, o trabalhador e a produção... sejam a razão de ser da economia, e não a especulação financeira." O presidente pretende aproveitar sua visita à Itália para coordenar posições para a reunião do G20, no próximo fim de semana, em Washington. Lula vem pedindo mudanças no sistema financeiro internacional. "Um sistema imune às aventuras do capital especulativo, mais transparente, com regras e controles mais estritos, em benefício da sustentabilidade do crescimento e do desenvolvimento", propôs em seu discurso. Lula enfatizou a necessidade de reforma das instâncias decisórias internacionais, com a inclusão dos países emergentes, e cobrou da Itália, que assumirá a presidência do G8 ano que vem, a responsabilidade de ampliar o diálogo entre as economias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.