Enchentes ameaçam romper barragens e moradores deixam Bangcoc

A primeira-ministra da Tailândia disse que a capital do país, Bangcoc, estava combatendo as forças da natureza nesta quinta-feira à medida que as águas das enchentes ameaçavam romper as barragens que protegem a cidade e moradores começavam a ir para outras regiões, seguindo a recomendação do governo.

ALAN RAYBOULD E PANARAT THE, REUTERS

27 de outubro de 2011 | 08h36

As piores enchentes do país em meio século, provocadas em parte pelas fortes chuvas das monções, mataram 373 pessoas desde meados de julho e atrapalharam a vida de quase 2,5 milhões. Por enquanto, as inundações atingiram principalmente as províncias na região norte e central do país.

Mas a premiê Yingluck Shinawatra, política novata que assumiu o cargo em agosto, disse a jornalistas que a crise havia atingido um ponto crítico para Bangcoc.

"Parece que estamos lutando contra as forças da natureza, enchentes massivas que estão destruindo várias de nossas barragens", afirmou.

"A verdade é que precisamos deixar a água fluir naturalmente até o mar, e o que pudermos fazer para administrar (a água), para que o fluxo seja lento, senão todos sofrerão."

Havia pouco trânsito no centro de Bangcoc nesta quinta-feira, início do feriado de cinco dias, decretado pelo governo para que as pessoas pudessem deixar a cidade. No entanto, a principal rodovia para sair da capital rumo ao sul, área que deve estar protegida das enchentes, estava congestionada.

Tudo o que sabemos sobre:
TAILANDIABANGCOCBARRAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.