Equipamento da Petrobras afunda em Campos; não há vazamento

A Petrobras informou nesta sexta-feira que uma de suas boias utilizadas para ajudar a escoar petróleo está submergindo de maneira controlada em águas rasas ao norte da bacia de Campos, a 113 quilômetros da cidade de Macaé.

REUTERS

14 de maio de 2010 | 17h02

"A boia é usada como alternativa para amarrar um navio petroleiro enquanto ele recebe o petróleo bombeado de um navio armazenador", explicou a empresa sem dar detalhes.

Mais tarde, a empresa informou que se trata de uma monoboia de escoamento de petróleo.

A assessoria da estatal informou que não houve vazamento de óleo, mas não soube informar imediatamente se ainda há risco de vazamento. Também não foi divulgado o motivo do incidente.

"O plano de emergência da Petrobras foi acionado, com todos os recursos mobilizados. Preventivamente, foram mobilizadas também embarcações especiais para contenção e recolhimento de óleo, para pronta atuação em caso de vazamento", limitou-se a informar a empresa em nota.

O mercado de petróleo foi abalado no final de abril após uma plataforma da BP explodir e naufragar no Golfo do México, provocando o vazamento de milhares de litros de petróleo. Esta semana, na Venezuela, uma plataforma de gás natural da PDVSA, estatal de petróleo venezuelana, afundou no mar do Caribe, mas não deixou vítimas ou causou impacto ambiental.

Segundo a Petrobras, a boia, que era desabitada e só é utilizada eventualmente, sofreu adernamento no último dia 11.

"Como as condições de mar não permitiram a sua normalização, a Petrobras ancorou o equipamento a dois rebocadores para permitir o seu pouso controlado no fundo do mar", explicou a empresa.

A empresa afirmou em nota que o incidente não afeta a produção nem o escoamento do óleo e gás da bacia de Campos, responsável por 85 por cento do petróleo produzido no país.

(Por Denise Luna)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROBRASBOIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.