Indústria faz consumo de energia cair 4,4% em maio, segundo EPE

A retração da atividade industrial fez o consumo de energia elétrica no Brasil cair 4,4 por cento em maio contra igual mês do ano passado, para 31.209 gigawatts, a sexta queda consecutiva nessa comparação, informou a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) nesta terça-feira.

REUTERS

23 Junho 2009 | 13h22

No ano, o consumo de energia acumula queda de 2,7 por cento.

"Os efeitos da crise financeira internacional sobre a atividade industrial são os grandes responsáveis pela queda no consumo de energia: a demanda industrial, que foi de 15.087 GWh em maio de 2008, atingiu em maio deste ano apenas 13.221 GWh", informou a EPE.

Mais uma vez as residências e o comércio compensaram em parte a queda industrial, com o consumo subindo 3,6 e 2,9 por cento, respectivamente, enquanto a indústria despencou 12,4 por cento.

"A redução de impostos sobre eletrodomésticos e outras medidas tomadas pelo governo no enfrentamento da crise têm logrado manter certa expansão no consumo de energia das famílias e do setor terciário", explicou a EPE.

Segundo a EPE, a indústria vinha demonstrando sinais de recuperação com quedas menores nos últimos meses, mas em maio voltou a indicar recuo acentuado, registrando queda de 1,1 por cento contra abril, com concentração maior na região Sudeste. A segunda região mais afetada é a Nordeste, informou a EPE.

Na região Sudeste o consumo de energia pela indústria recuou 14,3 por cento em maio sobre o mesmo mês do ano anterior, e 14,2 por cento nos primeiros cinco meses do ano. Em maio a queda de consumo pelas indústrias do Nordeste foi de 13,4 por cento, contra maio de 2008.

"Em ambos os casos, a evolução do consumo de energia tem confirmado o diagnóstico de que os segmentos mais afetados da indústria têm sido os voltados para o mercado externo", explicou a EPE.

(Por Denise Luna)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIAEPE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.