Inquérito investiga abuso de menina de 6 anos por 23 colegas de classe

Investigação inicial no País de Gales concluiu que nada podia ser feito por causa de idades de envolvidos e falta de provas.

BBC Brasil, BBC

01 de abril de 2010 | 11h24

As autoridades de educação do País de Gales anunciaram a abertura de um inquérito para investigar o caso de uma menina de 6 anos que teria sido submetida a uma série de abusos físicos e sexuais por um grupo de 23 colegas de classe da mesma faixa etária.

Os abusos teriam sido cometidos dentro da própria escola, mas a direção e o conselho local afirmaram, em um primeiro inquérito, que nada poderia ser feito por causa da idade das crianças e da falta de provas sobre os abusos.

O comissário para a Infância do País de Gales, Keith Towler, disse à BBC que o primeiro inquérito sobre o caso se mostrou "uma falha chocante".

O inquérito inicial, publicado dois anos após as primeiras denúncias de abusos, confirma que alguns alunos teriam tido um comportamento sexual inadequado, mas afirma que com mais de 20 crianças com menos de dez anos envolvidas, seria difícil estabelecer exatamente o que ocorreu.

A escola e a autoridade educacional local, cujos nomes não podem ser divulgados, disseram que o fato de que as crianças tinham idades muito abaixo da maioridade penal significava que poucas ações poderiam ser tomadas.

Nenhuma das crianças envolvidas foi expulsa da escola.

Horror

A mãe da menina disse ter ficado horrorizada ao descobrir que sua filha havia enfrentado meses de abusos e intimidações na escola após ter sido alertada sobre o que estava acontecendo por outra mãe, cuja filha também teria sofrido abusos.

Ela diz que nunca se esquecerá da expressão de medo na face de sua filha ao contar a ela o que estava passando.

"Ela estava me contando coisas que eu acho que qualquer mãe teme ouvir de sua filha. Foi horrível o que ela enfrentou", diz.

"Todos os dias ela era despida. Ela sofria abusos físicos e sexuais, todos os dias. E todos os dias ela chorava por ajuda, mas ninguém nunca foi ajudá-la", afirmou.

Ela transferiu a filha para uma outra escola, e somente após ela entrar com uma ação na Justiça as autoridades educacionais locais estabeleceram um inquérito para investigar o caso.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.